Geral

Covid19: São Luís já perdeu 15 profissionais da comunicação por complicações da doença

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, em todo o mundo, entre as categorias que nunca pararam estão os profissionais da comunicação, sempre na linha de frente para deixar a população bem informada sobre os fatos relacionados à doença e a respeito de outros assuntos de interesse da sociedade.

Em São Luís, a realidade não foi diferente. Todos os dias, repórteres, cinegrafistas, fotógrafos, apresentadores, locutores, entre outros trabalhadores dos órgãos de imprensa, estiveram e estão sempre a postos para alimentar os noticiários, muitos na linha de frente da Covid-19. Enquanto aguardavam pela tão esperada vacina, que chegou para a categoria no dia 29 do mês passado, muitos perderam a luta para a doença.

Um levantamento feito pelo Jornal Pequeno apontou que 15 profissionais da imprensa morreram por complicações provocadas pelo novo coronavírus, na capital maranhense.

A primeira vítima da Covid-19, em São Luís, foi o radialista Roberto Fernandes, da Mirante AM, que faleceu no dia 21 de abril de 2020.

Roberto Fernandes esteve internado por quase um mês, no Hospital UDI, em São Luís, após apresentar um quadro de pneumonia.

Roberto Fernandes tinha 61 anos e era natural de Vitória de Santo Antão, município localizado em Pernambuco. Ele era formado em jornalismo pela Universidade Federal do Maranhão (Ufma) e teve passagens pela Rádio São Luís AM, TV Brasil e Rádio Educadora AM.

Por 20 anos, Fernandes comandou o programa Ponto Final, na Rádio Mirante AM, e também era apresentador do quadro de política do Bom Dia Mirante, na TV Mirante.

Outro que perdeu a vida para o novo coronavírus foi o jornalista Ronald Damasceno, que morreu no dia 13 de maio, do ano passado. Ele foi diretor executivo do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Regional dos Lagos Maranhenses, o Conlagos, onde prestou relevantes serviços.

Formado na Universidade Federal do Maranhão, na turma de jornalismo de 1986, Damasceno atuou em defesa dos municípios da Baixada Maranhense como técnico do Conlagos.

No dia 26 de fevereiro de 2021, morreu o radialista Juarez Sousa, 58. Juarez Sousa trabalhava na rádio Educadora, onde apresentava o programa Tambores da Ilha, ao lado do jornalista Joel Jacinto.

Juarez Sousa também trabalhou na cobertura do Carnaval em São Luís e era cronista esportivo. Por diversos anos, o radialista apresentou o programa Canta Maranhão, nas rádios Educadora e Difusora AM, ao lado da também falecida Helena Leite.

Quem também morreu vítima da Covid-19 foi o cinegrafista Sidney Piedade Carvalho, que trabalhava na TV Assembleia. Segundo informações de familiares, ele não foi testado, mas estaria com sintomas do novo coronavírus. Ele estava em isolamento domiciliar e passou mal no dia 26 de abril de 2020. Ainda foi levado à Upa, porém não resistiu.

Fora estes, neste ano faleceram, por outras causas, a jornalista Názile Duailibe, o fotógrafo Juracy Meireles e o servidor da Secom de São Luís, Conrado Santos Neto e o ex-deputado e jornalista Luiz Pedro.

ALFREDO MENEZES

Tradicional jornalista esportivo do Maranhão, Alfredo Menezes morreu no dia 27 de abril de 2020, em São Luís. Aos 72 anos, Menezes não resistiu às complicações causadas pela Covid-19.

De acordo com familiares, Alfredo Menezes chegou a ser internado no HCI, mas como apresentou melhoras, foi liberado para se tratar em casa. Amanheceu com falta de ar e veio a óbito por volta das 9h30 do dia 27. Ele era solteiro e morava com parentes.

O jornalista foi um dos fundadores da Associação de Cronistas e Locutores Esportivos do Maranhão (Aclem). Nascido em Itapecuru no dia 11 de fevereiro de 1948, Alfredo Menezes estava aposentado de suas atividades jornalísticas.

No dia 17 de dezembro, do ano passado, vítima da Covid-19, morreu o jornalista Régis Vera Cruz Marques, aos 62 anos. Ele estava internado na UTI do Hospital Centro Médico, em São Luís, por conta do novo coronavírus.

Régis Marques atuou em vários órgãos de comunicação, como Jornal de Hoje e Diário do Norte, e foi diretor de Comunicação da Assembleia Legislativa do Maranhão. Régis Marques era filho do jornalista Vera Cruz Marques, que foi cassado pelo golpe de 1964.

ROSENIRA ALVES

No dia 29 de março de 2021, a jornalista e colunista social Rosenira Alves, 60, morreu em decorrência de complicações causadas pela Covid-19. Rosenira ficou internada por duas semanas em um hospital de São Luís. Ela chegou a ser intubada devido ao agravamento do seu estado de saúde.

Rosenira era colunista do Jornal Pequeno, e teve passagens pela Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema) e Câmara Municipal de São Luís.

Também em março deste ano, morreu o jornalista Maycon Rangel Abreu Ferreira, que fazia parte da assessoria de comunicação do Instituto Federal do Maranhão (Ifma).

BATISTA MATOS

No dia 31 de março de 2021, morreu João Batista Matos, que era natural de São Luís e era formado em Rádio e TV pela Universidade Federal do Maranhão. João Batista atualmente era vereador e vice-líder do governo municipal na Câmara de São Luís.

Antes de atuar na vida política, ele trabalhou nos jornais O Estado do Maranhão, O Imparcial e nas emissoras de rádio FM Esperança e Mirante AM.

CARLOS HENRIQUE

No dia 28 de abril, deste ano, morreu em São Luís, aos 78 anos, o radialista Carlos Henrique Cavalcante, o Galinho, vítima de complicações causadas pela Covid-19.

Galinho estava internado há vários dias em estado grave no Hospital do Servidor, lutando contra a doença, mas não resistiu.

Carlos Henrique Cavalcante apresentava o “Programa do Galinho”, na Rádio Educadora Rural do Maranhão, desde o ano de 1966, data de fundação da emissora.

Um dia depois da morte de Carlos Henrique, no dia 29 de abril, morreu o cinegrafista Dorivan Lopes Costa. Dorivan Lopes tinha 57 anos e foi internado no dia 21 de abril no Hospital de Cuidados Intensivos, na capital. O cinegrafista Dorivan Lopes trabalhou como câmera de estúdio na TV Mirante por 15 anos.

RUBEN MUKAMA

No dia 4 deste mês, o jornalista Ruben Mukama, 53, faleceu após ter lutado por 15 dias contra a Covid-19. Internado desde o dia 21 de maio, ele teve uma piora rápida chegando a ser entubado.

Ruben Mukama deixou esposa e uma filha. Ele foi jornalista do Sistema Mirante, da Rádio 92.3 e da FM Esperança. Também trabalhou na Secretaria de Comunicação do Governo do Maranhão e foi superintendente de Marketing da Prefeitura de São Luís, na gestão do prefeito João Castelo.

DUAS PERDAS NA ESPERANÇA FM

Neste mês, a Rádio Esperança FM, de São Luís, perdeu dois de seus colaboradores para a covid-19. Na última terça-feira (8), morreu o locutor Ronian Martins Costa. Ele apresentava o programa Evangelho em Foco, nas tardes de sábado.

Ronian Costa era servidor do Detran, onde exercia a função de examinador de trânsito. Também na terça-feira, morreu a missionária Gilvanete Macêdo, da Assembleia de Deus/Campo Tirirical. Gilvanete auxiliava na apresentação do programa Koinonia.

RUBINHO JONNES

O último nome do levantamento, concluído neste sábado (12), é o de Rubens Gomes, carinhosamente chamado de Rubinho Jonnes, de 57 anos, que faleceu na manhã de ontem, no Hospital Guarás, onde estava internado desde o começo deste mês, tendo sido intubado no dia 4.

Turismólogo e pós-graduado em Assessoria de Comunicação, Rubinho Jonnes apresentava o programa ‘Na Hora do Rush’, nos fins de tarde, na Mirante FM. Rubinho fazia parte da Mirante FM desde 1999, comandando programas como Na Moral, Na Hora do Rush, Mixer 96 e Coração Brasileiro.

No hospital, Rubinho estava internado desde o dia 2 de junho e apresentou uma piora no seu quadro de saúde nessa sexta-feira (11), com comprometimento nos pulmões. O enterro foi realizado na tarde desse sábado, no Cemitério Jardim da Paz, em São José de Ribamar.

Luciene Vieira – Jornal Pequeno

Deixe uma resposta