Polícia

Polícia Civil prende dupla acusada de aplicar golpes em políticos e empresários via WhatsAapp

A Polícia Civil do Maranhão, por intermédio do Departamento de Combate a Crimes Tecnológicos – DCCT/SEIC, efetuou as prisões, em flagrante, a duas pessoas suspeitas de aplicar golpes financeiros contra empresários, prefeitos e deputados estaduais, pelo aplicativo de mensagens – WhatsApp. Ao todo, a dupla, uma mulher de 37 anos e um homem de 29 anos, arrecadou mais de R$ 60 mil em cinco dias de operação.

Operação da Polícia Civil do Maranhão resultou na prisão de dupla suspeita de crime tecnológico

De acordo com investigações da polícia, a dupla abria contas bancárias falsas e utilizava contas emprestadas pelos laranjas para receber valores provenientes das fraudes aplicadas em razão do desvio dos terminais telefônicos em que os agentes criminosos se apossavam das contas do WhatsApp de autoridades públicas fazendo-se passar por estas. A partir daí, solicitavam transferências bancárias das pessoas que constavam em suas listas de contato, das quais eram alvos dos golpes. Os agentes ainda investigam se os suspeitos fazem parte de um grupo criminoso nessa prática de golpes via aplicativo de mensagem de texto.

Após a prisão, os presos foram encaminhados ao Complexo Penitenciário de Pedrinhas, onde vão permanecer à disposição da justiça.

Os suspeitos foram enquadrados pelos crimes tipificados nos artigos 171 c/c, 71 e 154 do Código Penal Brasileiro.

Polícia

Caso Mariana Costa: entenda por que o julgamento de Lucas Porto precisou ser adiado apenas para Maio

Julgamento de Lucas Porto estava marcado para acontecer na próxima quarta-feira, 24, mas foi adiado a pedido da defesa do acusado. Julgamento deve acontecer em Maio.

A jovem Mariana Costa

Após completar 4 anos e 3 meses do assassinato da publicitária Mariana Costa, sobrinha-neta do ex-presidente José Sarney, que, segundo investigações da Polícia Civil, foi morta pelo cunhado Lucas Porto, o julgamento do réu confesso, que estava marcado para acontecer na próxima quarta-feira, 24, foi adiado somente para o mês de Maio, pelo Tribunal de Justiça do Maranhão. Lucas é acusado de estuprar e matar, asfixiada, Mariana, em 13 de Novembro de 2016.

“A decisão foi tomada pelo juiz da Ação, José Ribamar Helluy Júnior, depois de um pedido da defesa de Lucas Porto para realização de uma perícia. Como não haveria tempo de conclusão dessa perícia até a data do júri, foi necessário o adiamento”.

Entendendo o pedido de perícia 

Em Novembro passado, na situação de repórter de uma Tv local, tive a oportunidade de entrevistar o, na época, mais novo advogado no caso, Arildo de Paula, sendo contratado pela família de Lucas. O advogado e, também, perito, fora admitido ao caso, pela família, no intuito de encontrar novas provas que pudessem ajudar a inocentar o empresário, além de realizar perícias nos celulares de Lucas e Mariana.
“É um direito da família contratar assistentes técnicos”, afirmou o advogado, na entrevista, em 2020.

O desafio começaria a partir daí, a defesa conseguir provar e convencer a Justiça de que existiu uma 3º pessoa envolvida na morte da publicitária, pois, segundo o advogado, as investigações foram realizadas de forma seletiva, incompleta e sem ouvir todas as partes que estiveram no apartamento no dia do crime. Sem falar na omissão do material que pudesse inocentar o réu, de acordo com a defesa de Lucas.

Arildo de Paulo, advogado e perito de defesa do réu

Conforme afirmou Arildo, o que a nova defesa estava buscando era provar a versão do acusado e que a perícia nos dois aparelhos de celular seria crucial para novos rumos na investigação.
O profissional da nova banca de defesa do réu ainda questionou o motivo de o celular de Mariana nunca ter passado por perícia, na simples justificativa de “estar com senha”.

“O que a defesa está buscando são provas do que será, eventualmente, alegado no tribunal do júri, que é a inocência de Lucas. Uma das possibilidades que a defesa acredita é de uma 3º pessoa no local do crime, porque do período que Lucas sai do apartamento, até a chegada de outra pessoa, chamada Patrícia, passou-se quase 1h30 e não foram mandadas ao processo essas filmagens”, garantiu o advogado Arildo.

Foi a partir de brechas apontadas como essas e de perguntas que não ficaram esclarecidas, que os novos assistentes técnicos de defesa do réu, entenderam que seria de extrema necessidade o pedido de novas perícias, alegando que o momento de pedir “é exatamente esse” (Novembro passado, época da entrevista), “que é na fase que nós chamamos de Artigo 422 – código de processo penal”. Então foram requeridas essas diligências (…) O juiz entendendo que não é um pedido protelatório deferiu e agora estamos realizando e aguardado os resultados.
Tudo deve ser levado ao conhecimento do Conselho de Sentença. Todas essas provas”, garantiu o advogado.

Diante disso, de a perícia não ser concluída a tempo, o julgamento precisou ser adiado.
Enquanto isso, Lucas segue preso no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, onde responde pelos crimes de estupro, homicídio e feminicídio.

Para o advogado Arildo, o resultado das novas perícias realizadas, entre outros fatos, podem garantir a inocência de Lucas Porto.
“A defesa não tem a mínima dúvida da defesa de Lucas. O fato de ter sido encontrado sêmen na Mariana, por si só, não é possível dizer que houve estupro”, concluiu.

Polícia

Helicóptero apreendido na casa de Edinho Lobão era, tipo, “só para estimação”

Nova fase da operação Lava-Jato foram apreendidas obras de arte usadas para lavagem de dinheiro, carros de luxo e esse helicóptero, do ex suplente de Senador, Edinho Lobão

O helicóptero apreendido na residência do ex-candidato a Governador do Maranhão, Edinho Lobão (MDB), no bairro do Olho d´Água, em São Luís, foi destaque na imprensa nacional, nesta terça-feira (12), quando a Polícia Federal deflagrou a 79ª Fase da Lava Jato, denominada Operação Vernissage, nos quais os alvos da ação foram Márcio Lobão e Edison Lobão Filho, filhos de Edison Lobão (MDB), ex-ministro de Minas e Energia (2008 a 2014). O ex-ministro não está sendo investigado nessa fase da Operação.

 

79º Fase da Lava Jato

A Operação Vernissage investiga pagamentos de propina em contratos da Transpetro e da Petrobras e lavagem de dinheiro por meio da compra de imóveis e de obras de arte. Entre 2008 e 2014 foram desviados, segundo as investigações, mais de R$ 12 milhões. Os mandados judiciais foram expedidos pela 13ª Vara Federal em Curitiba/PR, onde Edinho Lobão também é investigado na operação.

Um dos endereços alvo da ação é ligado a Márcio Lobão, irmão de Edinho e filho do senador e ex-ministro de Minas e Energia Edison Lobão (MDB-MA).
Márcio foi preso em setembro de 2019 na 65ª fase da Lava Jato, sob a acusação de ter recebido propina durante obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte e por contratos em estatais como a Transpetro. A suspeita é de que ele era o responsável por fazer ajustes no pagamento e coletar propinas que seriam atribuídas ao pai.

Outro filho do senador, Edison Lobão Filho também é investigado na operação. Com os alvos, a PF busca apreender mais de 100 obras de arte. Os agentes também encontraram nos endereços carros de luxos e um helicóptero.