Opinião

2021: carnaval magro!

FOTO: Internet

O Carnaval foi popularizado no Brasil como a maior festa de rua, acredita-se que no século 17, tendo sua origem em festivais primitivos que reverenciavam o renascimento da natureza e em festivais pagãos, em homenagem ao deus Saturno, na Roma antiga. Nos países católicos, a festa passou a ser identificada como um intervalo de relativa liberdade antes do período da Quaresma, marcado por orações e abstinência de carne – o termo teria derivado da expressão em latim carnelevarium (se abster de carne).

No entanto, desde essa época em que o carnaval movimenta todos os setores de uma cidade e/ou Nação, com festas, nunca, em toda a sua história, viveu o período de forma tão magra e sem alegorias.

Por causa da Pandemia do novo Coronavírus, que parou o Brasil e o mundo desde o ano passado, 2020, as pessoas viram e vivenciam as mudanças, sem precedentes, que essa enfermidade tem causado. Daí, mais uma consequência para a conta: suspensão das festividades carnavalescas 2021, que, inclusive, começaria hoje, 12 – sexta-feira de carnaval.

Suspensão do carnaval

A suspensão da maior festa de rua do mundo tem como exclusiva finalidade, evitar as tradicionais aglomerações e o aumento no fluxo de viagens que são gigantescos nesse período. Uma medida essencial para conter o avanço da Covid19, segundo órgãos responsáveis de saúde.

Setor varejista de roupas de fantasias carnavalescas – VAZIO!

O carnaval movimenta uma extensa cadeia de fornecedores dos mais diferentes setores, que vai desde o ambulante, que vende bebidas, comidas e guloseimas, às grandes multinacionais de marketing e turismo.

No comércio varejista local, por exemplo, o cancelamento da festa provoca um impacto direto nos setores de vestuário, armarinhos, lojas de decoração, além do segmento de bebidas, alimentação, hospedagem, entretenimento, setor hoteleiro e muitos outros. Era, também, em outros carnavais, um momento em que muitos trabalhadores conseguiam aumentar a renda, por meio do comércio autônomo. Mas, com a ausência dos dias festivos, até o trabalho informal vai sentir o baque.

Após anúncio do cancelamento, a FECOMÉRCIO – Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão-, informou o funcionamento normal do comércio nos dias 15, 16 e 17 de Fevereiro, dias estes que, num ano comum, seriam considerados ponto facultativo ou o famoso feriado, como todo mundo estava acostumado. A decisão da FECOMÉRCIO inclui a Grande Ilha e Região Metropolitana.

Pessoalmente, acredito que mesmo com o cancelamento dos dias de ponto facultativo e o comércio funcionando normalmente, a queda nas vendas, durante esse período, vai ser drástica em muitos locais e em todos os setores, que, outrora, eram bastante movimentados.

Deixe uma resposta