Citado na Lava Jato: O “salvador do Maranhão”, Flávio Dino é um político de repetições dos seus próprios fantasmas

Flávio Dino é um político de repetições de seus próprios fantasmas

Parece ser necessário – para que muitos maranhenses iludidos com uma tal promessa de “mudança” – que seja destaque nacional a índole do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que é tão igual ou até pior do que aqueles a quem sempre condenou e ainda gasta boa parte de sua energia e tempo condenando e chamando de “atraso do estado”. Até parece que o mocinho ai da foto é diferente.

É como citei no título: Flávio Dino é um político de repetições de seus próprios fantasmas. O famoso ‘seis por meia dúzia’.

Para que comece a cair por terra uma tal de “santidade comunista” (não que eu, um dia, tenha acreditado que ela exista), o governador da “mudança” e mais oito chefes de estado, foi um dos citados em delações de ex-executivos da Odebrecht, durante depoimento da Operação Lava Jato. Flávio Dino está incluído pela Procuradoria Geral da República (PGR) na nova lista da Lava Jato, para abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF). Mas como o comunista não tem direito a foro especial, o relator da Lava Jato, ministro Edson Fachin, entendeu que o pedido deve ser encaminhado ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

Ao todo, Fachin enviou 201 petições a outras instâncias do Judiciário. A delação da Odebrecht atingiu, por exemplo, mais três ex-presidentes da República – Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff – e, ainda, outros oito governadores.

Governador tuiteiro

Pela rede social preferida do comunista, ele se diz inocente e indignado por ser citado ao que chamou de “modo injusto sobre atos que jamais pratiquei”.

Qual é a sua opnião sobre essa matéria?