“Homem de Teatro” Américo Azevedo lança espetáculo que retrata os problemas de São Luís

A peça Bonjour Curumim está sendo produzida pela Companhia Cazumbá de Teatro e Dança que completa 43 anos de existência. O espetáculo é assinado e dirigido por Américo Azevedo Neto.

img_5522
A peça fala de São Luís. Brinca com seu linguajar, sua cultura, seus atrasos impostos por ancestrais e rotineiros erros administrativos e políticos

Embora seja poeta, cronista, romancista, folclorista, jornalista e membro da Academia Maranhense de Letras onde ocupa a cadeira 19, Américo Azevedo, gosta mesmo é de ser chamado “Homem de Teatro”. Não teatrólogo, por achar pernóstico; nem ator que já foi nem diretor e coreógrafo, que ainda é, mas Homem de Teatro. Em sua opinião, isso diz tudo.

Na peça, Américo se utiliza de uma linguagem naturalista para narrar um pouco da história de São Luís. Brinca com sua cultura, seus atrasos impostos e falhas.

“Em nosso espetáculo não mostramos apenas o passado, seus atrasos impostos por ancestrais e rotineiros erros administrativos e político, mas, lamentamos também suas tortas alterações urbanas decorrentes de um progresso confuso e desordenado por muitos”, contou Américo.

Após vivenciar, estudar, ler e observar como está a capital maranhense, o “Homem de Teatro”, se inspira e relata através de contos, poemas e de um grande elenco, as questões ambientais da Grande Ilha.

“Através de um poema, que tem o título: “Deus, por favor, me Escuta”, que retratamos a realidade da questão ambiental da nossa Ilha. Ou seja, nos indignamos com o descaso dos últimos anos e a irresponsável displicência com que vêm sendo tratadas as questões ambientais”, explicou.

A apresentação discorre sobre as letras das 15 canções do musical que retrata a história de São Luís, são elas: São Luís: Como Eu Sou; Canção dos Naufrágios; Canção das Putas Espalhadas; São Luís Não Foi; O que é fundar?; Afinal, Quem é Meu Pai?; Canção da Chegada; Toda feita de pedaços; Paz; Sou Como Fui?; Mesmo Tu Estando Presente; Eram de Paralelepípedos; Pensado Escravo; Foram Três Beijos leais; e Deus, Por Favor, Me Escuta.

Resumindo um pouco, Américo concluiu ressaltando que o espetáculo é, principalmente, um grito de alerta, apoiado em saudades, preocupações e lamentos que deveriam ser de todos.

img_5118

Empolgados com o espetáculo, os artistas explicam como é participar desta encenação feita por um dos maiores homens do teatro do Maranhão. Gabriel Duarte, ator e bailarino, experiente em danças popular e contemporânea, atuante em grupos folclóricos e academias de dança, acredita que fazer Bonjour Curumim é deixar seu corpo falar através da arte.

“A família Cazumbá nos permite isso, expressar a arte através do nosso corpo. Bonjour Curumim é uma crítica política e social que conta um pouco da história de São Luís e provoca saudades de um tempo bom que a geração de hoje não teve a oportunidade de viver, pra mim está sendo um momento que vou levar para toda a minha vida profissional, não só pelo espetáculo, mas pela direção, atores e atrizes que também fazem acontecer”, disse Gabriel.

Otimista, a psicóloga e atriz Thaissa Costa, de 25 anos, conta que se interessou pela Companhia Cazumbá por ela trazer o resgate de algumas manifestações culturais, mas mantendo o lado teatral. Tem como combinação, a alegria, amor à arte, beleza e cultura. Sobre o espetáculo, Thaissa acredita que representa uma saudade, do que nossa querida Ilha de São Luís transmitia.

“Hoje, por descasos políticos já não nos transmite mais. Mas a nossa peça representa também a certeza da esperança, não só nossa (elenco), como de toda população, que um dia ela nos trará as alegrias e belezas de outrora”, declarou Thaíssa.

Além do corpo de bailarinos, o espetáculo conduz a plateia para dentro do contexto da peça através dos sons da orquestra composta pelo teclado, violão, baixo, cavaco, banjo, violino, flauta, sax, trombone, piston e bateria.

Nas apresentações ainda terá a participação especial da atriz Carla Purcina, como “Velha Senhora”. Os cantores serão Tônia Buna, Vânia Coelho, Dom Papaleo e Paulo Viegas.

A entrada para assistir a encenação gratuita, que conta com o elenco de 50 pessoas, entre atores, orquestra e produção será apenas 1 Kg de alimento não perecível. O espetáculo será apresentado nos dias 9, 10 e 11 de dezembro no Convento das Mercês, no bairro Desterro, Centro de São Luís.

 

 

Qual é a sua opnião sobre essa matéria?