Sogra do deputado federal Juscelino Filho é anunciada como nova secretária de Meio Ambiente

A prefeitura de São Luís pode não ser nada (em alguns aspectos), já em outros, é uma verdadeira “mãe”. E quem pode dizer isso sem medo de errar é o deputado federal Juscelino Filho (DEM), que deve estar sorrindo à toa ao indicar para o cargo de secretária do Meio Ambiente de São Luís nada mais que a sua sogra, Maria de Lourdes Maluda Cavalcanti Fialho, mais conhecida como Maluda Fialho, esposa de Fernando Fialho, ex-secretário de Desenvolvimento Social no governo Roseana Sarney (PMDB).

À época, Maluda Fialho foi até para a Tv fazer campanha para o genro
À época, Maluda Fialho foi até para a Tv fazer campanha para o genro

Desde que colocou o seu nome para as disputas eleitorais, em 2014, Juscelino Filho tem tido a sorte como a sua maior aliada. Ciente de que não nasceu para ser político – mesmo tendo a política no seio familiar -, formou-se em Medicina ainda jovem e caiu, de pára-quedas, no meio político, onde, ao que parece, não demorou muito para aprender a andar nesse meio tão pantanoso.

Mesmo sem expressão, simpatia e amor pelo povo maranhense, Juscelino parece estar deixando a política moldar um pouco o seu caráter. Se na campanha o médico candidato era filiado ao partido PRP, correndo pelo Maranhão afora aliando a sua imagem e o seu proposto mandato à presidenta Dilma Rousseff e ao ex-presidente Lula (ambos PT), a quem chamava de pais dos pobres, hoje tudo mudou e Juscelino se mantém poderoso, tendo nas mãos a direção do partido DEM – sim, esse partido mesmo que faz oposição ao Governo Federal.

Indicação da sogra

Tudo em família!
Tudo em família!

Bom, no mais e sem delongas, foi só Juscelino ter em mãos o DEM e colocá-lo à disposição da prefeitura de São Luís que o mesmo recebeu como presente nada menos que uma Secretaria, onde o mesmo emplacou logo a mãe de sua esposa, para assumir a pasta no lugar de Marco Aurélio Ayres Diniz.

Daí só me faço uma perguntinha: “Seria essa indicação algum tipo de pagamento de fatura”?
Perguntar não ofende, ofende?

Enfim!

Qual é a sua opnião sobre essa matéria?