Prefeitura de Santa Inês, em nota, esclarece desocupação de terras no município

LOGO-Gov_da_Gente

O Município de Santa Inês vem através desta nota, esclarecer a toda população e autoridades  que a desocupação, por força judicial, da Fazenda Magnólia – Bairro Vila Conceição e Fazenda  Agua Fria – Bairro Agua Fria, ocorreu em razão da necessidade de extirpar o comércio de terras do município e os crimes acessórios a essa prática (ameaça, coação, formação de quadrilha, estelionato, falsificação de documento público, tudo, objeto de inquérito policial já instaurado), bem como para preservar os projetos já em andamento que ali se instalarão e outros já instalados (Creche, Escola de Tempo Integral, IML, Bombeiro, CRAS, Posto de Saúde, Bacia de decantação de dejetos, Guarda Municipal etc), projetos estes, que são de interesse da grande maioria da população, não podendo, por isto, ficarem prejudicados em detrimento do interesse de uma minoria que se aproveitam da situação para desvirtuar a função social da área.

Ademais, a área do “Eurico Galvão” está projetada para o loteamento que abrigará as famílias que deverão ser relocadas por conta da necessidade da desocupação da “Vila Ritinha”, localizada as margens do Aeroporto sem a menor condição de segurança, o que vem causando entraves junto aos órgãos reguladores da aviação à adequação do nosso aeroporto para receber voos comerciais, o que de certo por si só, já justificaria a necessidade de reabrirmos os moradores que realmente ali fixaram residência, dando-lhes moradia digna, organizada e, sobretudo documentada e legalizada lhes proporcionando melhor qualidade de vida.

Por fim, quero reafirmar meu compromisso com o povo de Santa Inês em fazer uma administração justa e não medirei esforços para preservar o desenvolvimento de nossa cidade e do nosso povo.

Santa Inês, 20 de agosto de 2015.

José de Ribamar Costa Alves

Prefeito Municipal

Qual é a sua opnião sobre essa matéria?