Fiscalização: Hospital UDI na mira do Procon/Ma

Na tarde desta quarta-feira (18), a equipe do PROCON/MA – Gerência de Proteção e Defesa do Consumidor do Maranhão, realizou fiscalizações no setor de emergência do Hospital UDI, depois de receber várias denuncias de familiares de pacientes.

20150318_154110[1]20150318_154142[1]

Não é de hoje que o Hospital vem sendo alvo de reclamações por parte de quem precisa de atendimento médico, principalmente no setor de internações em leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Segundo informações de familiares, há casos de idosos com 5 dias na casa, precisando ser encaminhado para a UTI e, simplesmente a clínica médica não disponibiliza leito e, pior, sequer tem o interesse de colocar o paciente na fila de espera.

A equipe de fiscalização composta pelo gestor de fiscalização, Ricardo Cruz, pelo supervisor e agente de fiscalização, vistoriou a demora nos atendimentos, o número de profissionais e a questão dos leitos da UTI.
De acordo com Ricardo, se as denuncias continuarem e o hospital não oferecer um serviço rápido e de qualidade à população, o mesmo será notificado.

“É com certeza que voltaremos lá”, afirmou o gestor.

Os pacientes à espera de atendimento reclamam em unanimidade que o serviço prestado pela emergência da UDI está a cada dia pior e que um dos maiores problemas está na falta de organização e, principalmente, na falta de profissionais para atender a demanda diária.

Para o paciente Reginaldo Telles, que esperou atendimento por quase 4 horas – sem êxito – diz ser inadmissível que um hospital particular da capital ofereça um serviço médico tão indecente.

“A gente está pagando aqui, ninguém está de graça e por isso merecemos um atendimento decente. Eu estou aqui desde as 14h30 e agora são exatamente 18h00 e eu ainda não fui atendido. Aqui tem idosos passando mal, crianças sendo atendidas do lado de fora. Precisamos reagir, ir atrás dos nossos direitos. Esse tipo de atitude tem que parar. Precisamos questionar o que está acontecendo”, reclamou.

Que a saúde do Brasil anda doente, isso todo mundo sabe, mas, realmente, uma clínica médica de grande porte, sendo ao mesmo tempo tão deficitária como a UDI já era pra ter tido algum tipo de interdição, principalmente pela falta de respeito ao grande número de pacientes que o hospital recebe por dia, acumulando centenas de pessoas na recepção, sabendo que não têm profissionais disponíveis para tais.

6 thoughts on “Fiscalização: Hospital UDI na mira do Procon/Ma

  • 20/03/2015 at 17:19
    Permalink

    Participação brilhante dessa Helena, quanta sensibilidade! Parabéns!!!

  • 20/03/2015 at 00:38
    Permalink

    Tirem seus cartoezinhos do SUS e sigam em frente. Os hospitais tem sim que disponibilizar mais medicos para o atendimento de pacientes. Porem o que muita gente nao ve é que tem muiiiiitas pessoas que espirram em casa e correm pros hospitais… Assim vai mesmo ter que esperar 5 horas pra ser atendido..

  • 19/03/2015 at 19:07
    Permalink

    Solano, os serviços de saúde no estado estão a cada dia pior. A demanda muito grande e os grandes hospitais não acompanham o ritmo na contratação de novos e mais profissionais. A cidade não tem estrutura para ter tantas pessoas precisa do de cuidados médicos.
    No Centro Médico e Hospital Português, tudo do mesmo jeito.
    Mas esses casos sempre precisam ser denunciados.

  • 19/03/2015 at 17:37
    Permalink

    Solano, os serviços de saúde no estado estão a cada dia pior. A demanda muito grande e os grandes hospitais não acompanham o ritmo na contratação de novos e mais profissionais. A cidade não tem estrutura para ter tantas pessoas precisa do de cuidados médicos.
    No Centro Médico e Hospital Português, tudo do mesmo jeito.
    Mas esses casos sempre precisam ser denunciados.

  • 19/03/2015 at 15:53
    Permalink

    Mo atendimento do São Domingos nesses últimos dias também não fica muito atrás. Tanto que colocaram uma placa informando que a espera para o atendimento era de 5 horas. Se a saúde privada está desta forma, fico com pena de quem necessita de atendimento público.

Qual é a sua opnião sobre essa matéria?