Saiba como irão votar os senadores maranhenses eleitos e, com mandato, no 2º turno das eleições para Presidência

Roberto Rocha (PSB) – Eleito em 2014 – por 8 anos -, nas eleições para Senador, Roberto Rocha, que, na época, fez campanha ao lado do hoje, rival e opositor político, Flávio Dino, foi candidato à Governador do Maranhão, neste ano – 2018 -, sendo derrotado e ficando em 4° lugar na disputa, se manifestou na tarde desta quinta-feira, 11 e, por meio de Nota, o senador afirmou que deve se associar “à vontade geral do povo sem pedir nada em troca”.

Edson Lobão e João Alberto (MDB) – Dois senadores, também, maranhenses, que, a partir de 2019 ficarão sem mandato, devem apoiar Fernando Haddad (PT).

Weverton Rocha (PDT) – O processado na Justiça e eleito no último pleito para o Senado, 7 de Outubro de 2018, com quase dois milhões de votos dos maranhenses, o pedetista, que sempre votou à favor do PT, enquanto deputado federal, seguirá na linha de apoio do seu partido e apoiará, sem sombra de dúvidas, o candidato petista Haddad.

Eliziane Gama (PPS) –

Vamos falar agora de Eliziane Gama, mais conhecida como golpista e traidora do povo brasileiro. Mesmo com esses adjetivos, Eliziane conseguiu a proeza de, também ser eleita senadora, pelos próximos 8 anos, a partir de 2019.

Contraditória e mulher de várias palavras, Eliziane é conhecida por acordar compromissos e decisões pela manhã e, à noite, desfazê-los.
Prova disse é de que mesmo votando a favor do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff e arregimentando o desprezo de todos os petistas, a deputada federal e futura senadora, foi eleita graças ao apoio do PCdoB/PT e, o mais que necessário, apoio de igrejas evangélicas de todo o estado.

Querendo conquistar o mundo, mesmo perdendo a sua alma, a primeira coisa que Eliziane fez, ao ser eleita, com quase um milhão e meio de votos, foi declarar apoio ao candidato petista, Haddad, sendo considerada, mais uma vez, traidora. Desta vez, repudiada pelas igrejas e pastores que deram palco e púlpito para a irmã “de momento”.

Os evangélicos se sentem traídos e estão declarando, aos quatro cantos do estado, que se soubessem que sofreriam esse golpe, jamais apoiariam Eliziane Gama.
Incrível como a palavra “golpe” se associa tanto à mesma.

A maioria das igrejas evangélicas tem declarado, publicamente, apoio ao candidato presidenciável Jair Bolsonaro, se mostrando totalmente contra ao candidato Haddad do PT.

Qual é a sua opnião sobre essa matéria?