Bolsonaro ou desespero: O que fez Haddad trocar as cores dos materiais de campanha de vermelho para verde e amarelo?

Pegou de surpresa a imagem da nova logomarca da campanha do PT à Presidência da República, anunciada na tarde desta quarta-feira, 10.

Haddad que vem trazendo nos ombros o peso de campanha, 1° por ser petista, depois por ser indicado do ex-presidente Lula e por carregar a imagem do maior líder petista em todos os materiais de campanha, ao se ver perdendo cada vez mais espaço, ficar em grande desvantagem na disputa do primeiro turno e ser cada vez mais repudiado por ter sua imagem associada à Lula – que está preso -, à corrupção e às atitudes descontroladas do movimento da esquerda, alterou a própria imagem das cores do seu partido, descaracterizando o de, já há muito tempo conhecido vermelho, pelas cores verde, amarelo e azul. Por coincidência, as cores de campanha do seu maior opositor, Jair Bolsonaro (PSL), que desde o início da sua campanha à presidente do Brasil, escolheu o lema “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, já vinha nas cores do patriotismo.

Nova versão do 2° turno

Nos materiais de campanha, do 1° turno, do candidato Haddad e da sua vice, Manuela D’Ávila, a imagem de Lula estava diretamente associada, ainda com a frase “Haddad é Lula”, mas o que pôde ser visto desde ontem, é apenas os nomes dos candidatos majoritários, nas cores da bandeira do Brasil.

1° arte de campanha do candidato Haddad à presidência da República, no pimeiro turno. Cores foram mudadas para verde e amarelo e Lula foi desassociado da imagem

Não tem como não associarmos essa mudança repentina a um fator chamado: desespero.
Não e não é linguagem de quem tem lado, é o reflexo da realidade.

É desesperadora essa mudança drástica de descaracterização da própria “bandeira” do partido.

O PT e os partidos aliados que gritam pelo discurso do “rebele-se, saia do armário, seja dono de si”, está dando claras mostras de que não sustenta, na prática, o que induz as pessoas a fazerem, quando, numa atitude dessa, esconde, no armário, Lula e as cores fortes repudiadas pela maioria dos brasileiros.

Pegou mal, viu?
Enfim!

Qual é a sua opnião sobre essa matéria?