Mesmo sendo eleita com mais de um milhão e meio de votos, Eliziane Gama sai das eleições menor do que a sua “credibilidade”

A dívida de consciência de Eliziane Gama é maior do que a dívida política que a futura senadora do Maranhão vem deixando pelo caminho.

A dívida de consciência da futura senadora do Maranhão é maior do que a dívida política que Eliziane Gama vem deixando pelo caminho

Jornalista por formação e “crescida” na igreja, a deputada federal maranhense e, a partir de 2019, senadora pelos próximos oito anos, Eliziane Gama (PPS), saiu vitoriosa nas urnas no resultado do último domingo, 7 – dia das eleições.

Dona de 1.539.916 (Um Milhão Quinhentos e Trinta e Nove Mil e Novecentos e Dezesseis) votos, a irmã precisou fazer muitos sacrifícios e dar alguns golpes, ao longo dos anos para, hoje, comemorar a vitória com “sabor de mel”.

Com o total apoio do governador Flávio Dino, a contraditória e mulher de várias palavras, Eliziane é conhecida por acordar compromissos e decisões pela manhã e, à noite, desfazê-los.
Prova disse é de que mesmo votando a favor do impeachment da ex-presidenta petista Dilma Rousseff e arregimentando o desprezo de todos os petistas, Eliziane, foi eleita graças ao apoio do PCdoB/PT e, o mais que necessário, apoio de igrejas evangélicas de todo o estado.

Querendo conquistar o mundo, mesmo perdendo a sua alma, a primeira coisa que Eliziane fez, ao ser eleita, com uma votação extraordinária para o seu tamanho, foi declarar apoio ao candidato petista, Haddad, sendo considerada, mais uma vez, traidora. Desta vez, repudiada pelas igrejas e pastores que deram palco e púlpito para a irmã “de momento”.

Os evangélicos se sentem traídos e estão declarando, aos quatro cantos do estado, que se soubessem que sofreriam esse golpe, jamais apoiariam Eliziane Gama.
Incrível como a palavra “golpe” se associa tanto à mesma.

A maioria das igrejas evangélicas tem declarado, publicamente, apoio ao candidato presidenciável Jair Bolsonaro, se mostrando totalmente contra ao candidato Haddad do PT.

Escândalos

Além do peso de estar conhecida como falsária pela igreja onde cresceu e foi sempre apoiada, Gama ainda precisa lidar com o peso de escândalos familiar que viu irem à tona, publicamente, durante os últimos meses.
É que o marido de Eliziane, além de ser acusado de espancar ex-mulheres, é também, suspeito de falsidade ideológica e portador de 3 CPF’s. Ou seja, na prática, são 3 esposos, além de responder, na Justiça, por casos de violência doméstica e não pagamento de pensão alimentícia, inclusive com pedido de prisão.

Mesmo com um cidadão desse tipo debaixo da sua aba, a parlamentar diz defender a luta contra o feminicídio e ser a favor dos direitos e proteção das mulheres. Oi?!

Enfim …
Eliziane mesmo ainda saboreando a vitória, que, com certeza, ainda não está nem acreditando, precisa resolver várias pendências que foram ficando no caminho para chegar onde chegou.
É que não importou o caminho. O fim, independente, do meio, foi e é mais importante para ela. Não importa o que ele perdeu pelo caminho. Não importa o que ela fez para chegar onde chegou. Não importa quantas mentiras pregou. Não importa se conquistou “o mundo” e perdeu a sua alma.

A dívida de consciência de Eliziane Gama é maior do que a dívida política que a futura senadora do Maranhão vem deixando pelo caminho.

Saiba como irão votar os senadores maranhenses eleitos e, com mandato, no 2º turno das eleições para Presidência

Roberto Rocha (PSB) – Eleito em 2014 – por 8 anos -, nas eleições para Senador, Roberto Rocha, que, na época, fez campanha ao lado do hoje, rival e opositor político, Flávio Dino, foi candidato à Governador do Maranhão, neste ano – 2018 -, sendo derrotado e ficando em 4° lugar na disputa, se manifestou na tarde desta quinta-feira, 11 e, por meio de Nota, o senador afirmou que deve se associar “à vontade geral do povo sem pedir nada em troca”.

Edson Lobão e João Alberto (MDB) – Dois senadores, também, maranhenses, que, a partir de 2019 ficarão sem mandato, devem apoiar Fernando Haddad (PT).

Weverton Rocha (PDT) – O processado na Justiça e eleito no último pleito para o Senado, 7 de Outubro de 2018, com quase dois milhões de votos dos maranhenses, o pedetista, que sempre votou à favor do PT, enquanto deputado federal, seguirá na linha de apoio do seu partido e apoiará, sem sombra de dúvidas, o candidato petista Haddad.

Eliziane Gama (PPS) –

Vamos falar agora de Eliziane Gama, mais conhecida como golpista e traidora do povo brasileiro. Mesmo com esses adjetivos, Eliziane conseguiu a proeza de, também ser eleita senadora, pelos próximos 8 anos, a partir de 2019.

Contraditória e mulher de várias palavras, Eliziane é conhecida por acordar compromissos e decisões pela manhã e, à noite, desfazê-los.
Prova disse é de que mesmo votando a favor do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff e arregimentando o desprezo de todos os petistas, a deputada federal e futura senadora, foi eleita graças ao apoio do PCdoB/PT e, o mais que necessário, apoio de igrejas evangélicas de todo o estado.

Querendo conquistar o mundo, mesmo perdendo a sua alma, a primeira coisa que Eliziane fez, ao ser eleita, com quase um milhão e meio de votos, foi declarar apoio ao candidato petista, Haddad, sendo considerada, mais uma vez, traidora. Desta vez, repudiada pelas igrejas e pastores que deram palco e púlpito para a irmã “de momento”.

Os evangélicos se sentem traídos e estão declarando, aos quatro cantos do estado, que se soubessem que sofreriam esse golpe, jamais apoiariam Eliziane Gama.
Incrível como a palavra “golpe” se associa tanto à mesma.

A maioria das igrejas evangélicas tem declarado, publicamente, apoio ao candidato presidenciável Jair Bolsonaro, se mostrando totalmente contra ao candidato Haddad do PT.

Balsas: Escola Estadual Maria do Socorro Coelho Cabral comemora, com festa, a inauguração de um muro no fundo da escola

Ao assistir a um Telejornal do meio dia de hoje, 11, me deparei com uma reportagem que, sinceramente, me deixou foi  C H O C A D A!

Eu não sei se fiquei assustada ou triste com o teor da pauta jornalística que enfatizava, em grande comemoração, a inauguração de um muro no fundo da Escola Maria do Socorro Coelho Cabral, localizada em Balsas e, segundo a reportagem, existente há 10 anos.

Cansados de esperar pelo poder público estadual, o qual garante, na Constituição, o direito à escola e à educação, a construção do muro teve a iniciativa dos alunos, professores e comunidade.

O muro foi motivo de festa. Teve até sessão solene!
Apresentação de banda e de dança.

Alunos, professores e diretora festejavam o muro com o entusiasmo de que uma escola ‘novinha em folha’ estava sendo entregue. Teve até corte da faixa no muro.

Um professor deu entrevista e me deixou boquiaberta ao citar que a construção do muro representa um acréscimo à educação pública e ainda emendou “toda escola pública tem que agir assim”. Oi?!

Em tempo

Segundo a reportagem, a Escola Estadual Maria do Socorro Coelho Cabral ainda tem muitas outras necessidades, como a construção da quadra, por exemplo, como foi citada.

Por ser a maior cidade em extensão territorial do Maranhão e até já bem desenvolvida, a cidade de Balsas não precisava passar por cenas vexatórias como essas, festejando a inauguração de um muro.
Visto que, de acordo com o Governo do Estado, as escolas e a educação estadual são prioridade de administração.

Pelo visto, não são não!

Bolsonaro ou desespero: O que fez Haddad trocar as cores dos materiais de campanha de vermelho para verde e amarelo?

Pegou de surpresa a imagem da nova logomarca da campanha do PT à Presidência da República, anunciada na tarde desta quarta-feira, 10.

Haddad que vem trazendo nos ombros o peso de campanha, 1° por ser petista, depois por ser indicado do ex-presidente Lula e por carregar a imagem do maior líder petista em todos os materiais de campanha, ao se ver perdendo cada vez mais espaço, ficar em grande desvantagem na disputa do primeiro turno e ser cada vez mais repudiado por ter sua imagem associada à Lula – que está preso -, à corrupção e às atitudes descontroladas do movimento da esquerda, alterou a própria imagem das cores do seu partido, descaracterizando o de, já há muito tempo conhecido vermelho, pelas cores verde, amarelo e azul. Por coincidência, as cores de campanha do seu maior opositor, Jair Bolsonaro (PSL), que desde o início da sua campanha à presidente do Brasil, escolheu o lema “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, já vinha nas cores do patriotismo.

Nova versão do 2° turno

Nos materiais de campanha, do 1° turno, do candidato Haddad e da sua vice, Manuela D’Ávila, a imagem de Lula estava diretamente associada, ainda com a frase “Haddad é Lula”, mas o que pôde ser visto desde ontem, é apenas os nomes dos candidatos majoritários, nas cores da bandeira do Brasil.

1° arte de campanha do candidato Haddad à presidência da República, no pimeiro turno. Cores foram mudadas para verde e amarelo e Lula foi desassociado da imagem

Não tem como não associarmos essa mudança repentina a um fator chamado: desespero.
Não e não é linguagem de quem tem lado, é o reflexo da realidade.

É desesperadora essa mudança drástica de descaracterização da própria “bandeira” do partido.

O PT e os partidos aliados que gritam pelo discurso do “rebele-se, saia do armário, seja dono de si”, está dando claras mostras de que não sustenta, na prática, o que induz as pessoas a fazerem, quando, numa atitude dessa, esconde, no armário, Lula e as cores fortes repudiadas pela maioria dos brasileiros.

Pegou mal, viu?
Enfim!