Weverton Rocha mais enrolado do que rabo de porco: Revista IstoÉ traz à tona esquema milionário envolvendo o candidato à Senado

A revista IstoÉ desta semana revela um esquema milionário envolvendo o deputado “mensaleiro” Waldemar da Costa Neto (PR) e o candidato ao Senado, Weverton Rocha (PDT).

De acordo com a reportagem, o presidente do PDT no Maranhão recebeu R$6 milhões para deixar de apoiar a candidatura de Ciro Gomes (PDT) e fortalecer o nome de Fernando Haddad (PT), na disputa presidencial no Maranhão.

Ainda estiveram envolvidos na operação, o deputado José Guimarães (PT), que teve um assessor preso com dólares na cueca e o o ex-ministro Maurício Quintella, considerado como operador de Waldemar da Costa Neto e o também ex-ministro Gilberto Carvalho.

Eles foram responsáveis, de acordo a revista IstoÉ, por garantir a transferência de R$6 milhões para a campanha de Weverton Rocha ao Senado Federal. “Faça chegar dinheiro à campanha de Weverton Rocha”, disse Gilberto Carvalho a Waldemar da Costa Neto. O deputado mensaleiro, conforme informações colhidas por Lula da prisão, precisava de R$ 6 milhões para deslanchar sua campanha.

Conforme apurou ISTOÉ, um avião experimental Cirrus, da Vokan Seguros, a serviço da empreiteira CLC (Construtora Luiz Carlos), foi quem cuidou do transporte do dinheiro do Ceará com destino a São Luis. A CLC faz um trecho da BR-222, na região de Sobral (CE), uma obra do Ministério dos Transportes. No trajeto, percorrido no dia 14 de setembro, uma quase-tragédia: o avião acabou caindo com o dinheiro a bordo na cidade de Boa Viagem. Os recursos eram escoltados por um policial. Com o acidente, outros agentes foram ao local imaginando que a aeronave pudesse transportar drogas. Coube ao policial a bordo do Cirrus a tarefa de tranquilizar os colegas, dizendo-lhes que não se preocupassem com a ocorrência, pois ninguém havia ficado ferido. O dinheiro, contudo, chegou ao destinatário final, cumprindo os desígnios de Lula: a campanha do pedetista Weverton – convertido a empedernido cabo eleitoral de Haddad.

Na campanha eleitoral do Maranhão, Weverton Rocha utiliza Fernando Haddad na sua propaganda eleitoral na Tv e no rádio, assim como o material gráfico.

Blog Diego Emir

A modinha do “#elenão” e a propaganda de feminicídio verbal do governador do Maranhão

Nas redes sociais está sendo veiculada uma modinha (campanha) “#elenão” contra o candidato à presidência, Jair Bolsonaro, por ele ser o único candidato que tem, de fato, representado a maioria da população brasileira, em seus anseios e, por que não dizer, até em seus desesperos?
Sim, porque em muita coisa que Bolsonaro prega contra e prega em querer trabalhar para dar basta, é o grito entalado na garganta de milhões de brasileiros.

Mas, como tem gente que não depende diretamente de política para ter segurança – porque tem segurança particular, não depende diretamente de política para ter educação – porque seus filhos estão em outro país de 1º mundo estudando, etc … Aí se uniu para uma modinha besta em rede social, chamada #elenão.
Falo, principalmente, da modinha dos artistas e da população mente fraca que vai atrás de #coisinhademomento, de pessoas que não ajudam e não influenciam positivamente em nada as suas vidas.

Segundo o artigo abaixo, que quero compartilhar aqui no meu blog, de Marcos Lobo, ele fala à respeito da onda #elenão, propagada no país inteiro, que começou nas redes sociais.

 

Marcos Lobo conta no artigo que no Maranhão a RASHTAG também vai ser criada.

O advogado Marcos Lobo, um dos mais respeitados juristas do Maranhão, publicou um contunde artigo repudiando os ataques machistas do governador Flávio Dino (PCdoB) dirigidos à candidata Roseana Sarney (MDB), que concorre mais uma vez ao cargo de chefe do executivo estadual.

Por Marcos Lobo

Soube também que até no Maranhão será criada a mesma campanha. (#elenão)

Esses fatos me levaram a recordar fato ocorrido nas atuais eleições na propaganda eleitoral desse ano.

A propaganda eleitoral do atual governador do Maranhão veicula uma espécie de novela com o nome “não vale a pena ver de novo” que visa degradar e ridicularizar a candidata a governadora Roseana Sarney.

Os personagens divulgados na novela são dois. Um, que seria o pai da candidata, e, outra, a própria candidata.

Interessante notar, para os fins do presente post, é o conteúdo das falas dos personagens.

O que se ouve das falas dos personagens é como se Roseana, por ser mulher, fosse incapaz, submissa e, por isso, precisa de um homem para praticar atos simplórios.

Ora, da capacidade de Roseana ninguém duvida. Como diz o ditado popular, “quem não tem competência não se  estabelece”. E o que se tem, da história de Roseana, é que já foi deputada federal, senadora e quatro vezes governadora. Se ela fosse o que diz a campanha eleitoral do atual governador do Maranhão não teria sido eleita quatro vezes governadora. Roseana não teria alcançado uma única reeleição se não tivesse sido competente, boa administradora e capaz. Este é um fato incontroverso.

E o que resta apurar da propaganda do atual governador do Maranhão, a tal novela? O desprezo, a degradação e a ridicularização da Roseana como mulher, ou seja, a novela quer dizer o seguinte: mulheres, para ser governadoras, administradoras públicas, dependem de um homem para que possa se eleger e governar.

Para o governador e candidato à reeleição, Flávio Dino, Roseana Sarney é uma mulher indigna por ter tido muitos mandatos políticos. Ele nunca se conformou!

Eu cá com meus botões, fico a me indagar: a campanha do “ele não” vale para um candidato que “bate-boca” com mulheres, diz isso e aquilo etc. (sempre às claras e tête-à-tête), mas não vale para outro candidato que, de forma covarde, escondido num programa eleitoral, pratica atos semelhantes e até pior, já que se utiliza do subterfúgio e do submundo de uma propaganda para atacar a condição de mulher de uma adversária?

O que é ainda mais grave é que o atual governador do Maranhão, para veicular uma espécie de feminicídio verbal (que uma mulher sempre é depende em tudo de um homem), utiliza dinheiro público, pois o programa eleitoral e os fundos eleitorais que custeiam a produção da novela, que ataque uma candidata pela sua condição de mulher, é tudo proveniente de dinheiro público.

Esse post é um repúdio, veemente, aos ataques à candidata Roseana Sarney pelo simples fato de ela ser mulher, ataques estes praticados na campanha eleitoral do atual governador do Maranhão, com uso de dinheiro público.

Também é uma homenagem a todas as mulheres, pelo simples fato de ser mulheres, capazes, inteligentes, trabalhadores etc. tanto quanto, ou até mais, que os homens.