Como o cristão deve tratar as questões políticas ; Quais as suas influências

Cristãos devem votar em candidatos com princípios – Em obediência às leis, os cristãos, bem como as demais pessoas de outras crenças ou mesmo as que se consideram sem crenças, são obrigados a votar no Brasil. O respeito às autoridades constituídas é bíblico (Romanos 13: 1,2), desde que estas não se coloquem contra princípios de Deus. Isso, no entanto, não exime os cidadãos cristãos de votarem com consciência social e espiritual.

É grande, profunda e crônica a decepção com os políticos. Uma onda de descrédito com os políticos varre a nação. Somos herdeiros de uma cultura estrativista. Nossos colonizadores vieram para o Brasil com a intenção de tirar proveito. Rui Barbosa alertou para o perigo das ratazanas que mordiam sem piedade o erário público, perdendo a capacidade de se envergonhar com isso. A maioria dos políticos se capitulam a um esquema de corrupção, de vantagens fáceis, de fisiologismo, nepotismo, enriquecimento ilícito, drenando as riquezas da nação, assaltando os cofres públicos e deixando um rombo criminoso nas verbas destinadas a atender às necessidades sociais. As campanhas milionárias já acenam e pavimentam o caminho da corrupção.

O resultado da corrupção, da má administração, do ganância insaciável pelo poder é que somos a oitava economia do mundo, mas temos um povo pobre, com mais de 50 milhões vivendo na pobreza extrema.

ERROS

Diante desse quatro, muitos evangélicos ficam também desencantados com a política e cometem vários erros, como por exemplo: “Política é pecado”. “Política é coisa do diabo”. “O cristão não deve participar de política”. “O cristão deve ser apolítico”. “Toda pessoa que se envolve com política é corrupta”. “Todo crente que se envolve com política acaba se corrompendo”. “A política é mundana e não serve para os crentes”. “Não adianta fazer coisa alguma; devemos pregar o evangelho e aguardar o retorno do Senhor”.

Outros erros são cometidos: “Irmão sempre vota em irmão”. “Todo crente é um bom político”. “Político evangélico deve lutar apenas pelas causas evangélicas”. “O púlpito transforma-se em palanque político”. “A igreja troca voto por favores”.

I. A LEGITIMIDADE DA POLÍTICA À LUZ DA PALAVRA DE DEUS

1. “Não se deve pôr em dúvida que o poder civil é uma vocação, não somente santa e legítima diante de Deus, mas também mui sacrossanta e honrosa entre todas as vocações” – Calvino.

2. Rm 13:1-7 – O poder civil é ministro de Deus para promover o bem e coibir o mal. Toda autoridade constituída procede de Deus e deve agir em nome de Deus. Quando ela se desvia pode e deve ser desobedecida e Deus mesmo a julga por sua exorbitância.

3. Homens de Deus exerceram o papel político em momentos críticos da história e foram divisores de água: José, Moisés, Josué, Gideão, Davi, Salomão, Josafá, Ezequias, Josias, Daniel, Neemias. Esses homens exerceram o poder público com lisura, honradez e sabedoria.

4. Aristoteles afirma que o homem é um ser político. O homem pode ser apartidário, mas nunca apolítico. Tentar ser apolítico é cair no escapismo.

5. Politicamente podemos classificar as pessoas em: 1) alienadas; 2) conscientizadas; 3) engajadas.

II. A POLÍTICA NA HISTÓRICA BÍBLICA

1. No Velho Testamento – Do Patriarcado à Monarquia. Do Reino Unido ao Reino Dividido.

2. No Novo Testamento – Os partidos nos dias de Jesus: 1) Fariseus; 2) Saduceus; 3) Herodianos; 4) Zelotes; 5) Essênios. O ensino social de Jesus (parábola do Samaritano). Jesus confronta Herodes. A doutrina social de Paulo e Tiago.

3. A igreja e a política na Idade Antiga – Os imperadores

4. A igreja e a política no tempo dos Reformadores – A ética social de Calvino

5. A questão da Modernidade e da Pós Modernidade como favor de corrupção dos valores.

6. A supremacia dos valores da Reforma em relação aos padrões romanistas – “Do futuro dos povos católicos.”

III. PRINCÍPIOS DE DEUS QUE DEVEM REGER A POLÍTICA

1. O povo de Deus precisa ter critérios claros na escolha de seus representantes– Dt 17:14-20

Pessoas apontadas por Deus e não pessoas estranhas.

Pessoas que não se dobrem diante da sedução do PODER, SEXO, DINHEIRO.

2. O povo de Deus não deve ser omisso, mas lider na questão da política – Dt 28:13.

A atitude de omissão não corresponde aos princípios de Deus nem à expectativa de Deus.

O cristão preparado está em vantagem para governar – Pv 28:5; 26:1

O cristão não pode associar-se com pessoas inescrupulosas – Sl 94:20; Pv 25:26.

3. O povo de Deus precisa votar em represetantes que amem a justiça – Pv 31:8,9.

O povo não está trabalhando em favor do político, mas o político em favor do povo.

O político precisa olhar com especial atenção para os pobres e necessitados, ou seja, precisa ter um política social humana e justa.

IV. O PERFIL DE UM POLÍTICO SEGUNDO OS PRINCÍPIOS DE DEUS

1. Vocação – John Mackay diz a distribuição de vocações é mais importante do que a distribuição de riquezas. Calvino entendia que o poder civil é uma sacrossanta vocação. Há pessoas dotadas e vocacionadas para o poder público. Uma pessoa não está credenciada para ser um bom candidato apenas por ser evangélica. Exemplo: José do Egito – Sempre foi líder em casa, na casa de Potifar, na prisão, no trono.

2. Preparo intelectual – O lider político precisa ser uma pessoa preparada. Ele precisa ter independência para pensar, decidir e lutar pelas causas justas. Ele não pode comer na mão dos outros. Ele não pode ser um refém nas mãos dos espertos. Exemplo: Moisés – Moisés se preparou 80 anos para servir 40. Ele aprendeu a ser alguém nas Univerdades do Egito. Ele aprendeu a ser ninguém nos Desertos da Vida. Ele aprendeu que Deus é Todo-Poderoso na liderança do povo.

3. Caráter incorruptível – A maioria dos políticos sucumbem diante do suborno, da corrupção e vendem suas consciências. Há muitos políticos que são ratazanas, sanguessuga. Há muitos políticos que são lobos que devoram o pobre. Há muitos políticos que decretam leis injustas. O político precisa ser honesto e irrepreeensível. Exemplo: Daniel – Ele era sábio. Ele era lider. Ele era incorrupto. Ele era piedoso. Ele não era vingativo. Um exemplo oposto é ABSALÃO. Ele era demagogo e capcioso. Ele furtava o coração das pessoas com falsas promessas.

4. Coragem para se envolver com os problemas mais graves que atingem o povo – O político não pode ser uma pessoa covarde e medrosa. Ele precisa ser ousado. Neemias é o grande exemplo: 1) Ele ousou fazer perguntas; 2) Ele se viu como resposta de Deus resolver os problemas do seu povo; 3) Ele agiu com prudência e discernimento; 4) Ele mobilizou o povo para engajar-se no trabalho com grande tato; 5) Ele enfrentou os inimigos com prudência. Exemplo: Winston Churchil.

5. Visão – O político precisa ser um homem/mulher de visão. Ele precisa enxergar por sobre os ombros dos gigantes. Ele vê o que ninguém está vendo. Ele tem a visão do passado, do presente e do futuro. Ele antecipa soluções. Exemplo: José do Egito, Calvino. Veja Pv 11:14. Ester esteve disposta a morrer pela causa do seu povo.

6. Tino Administrativo – Há políticos que são talhados para o executivo e outros para o legislativo. Colocar uma pessoa que não tem capacidade gerencial para governar é um desastre. Exemplo: Neemias – ele revelou capacidade de mobilizar pessoas, resolver problemas, encorajar, e colocar as pessoas certas nos lugares certos para alcançar os melhores resultados.

7. Capacidade de contornar problemas aparentemente insolúveis – O líder é alguém que vislumbra saídas para problemas aparentemente insolúveis. Exemplo: Davi – 1) Ele viu a vitória sobre Golias quando todos só olhavam para derrota; 2) Ele ajuntou 600 homens amargurados de espírito e endividados e fez deles uma tropa de elite; 3) Ele reanima-se no meio do caos e busca força para reverter situações perdidas – 1 Samuel 30:6.

8. Não temer denunciar os erros dos poderosos – Samuel denunciou os pecados de Saul (1 Sm 15:10-19). Natã não se intimidou de denunciar o pecado de Davi. João Batista denunciou Herodes.

E então … 

1) Como votar? Devemos escolher um candidato pela sua vocação, preparo, caráter, compromisso com o povo e propostas: Há coisas básicas: saúde, educação, emprego, segurança, moradia, progresso.

Se temos pessoas evangélicas com esse perfil, demos a elas prioridade em nosso voto. Mas seria irresponsabilidade votar numa pessoa apenas por ser evangélica se ela não tem essas credenciais.

2) Como fiscalizar? A igreja é a consciência do Estado. Ela exerce voz profética. Ela precisa votar e acompanhar e cobrar dos seus representantes posturas dignas, sobretudo nos assuntos de ordem moral e social: casamentos gays, aborto, etc.

3) Como encorajar? A Bíblia nos ensina a interceder, honrar e obedecer as autoridades constituídas.

P.S – Eu, como cristã, evangélica, sou completamente a favor da discussão – sadia – política, da inclusão de toda a sociedade, inclusive dos cristãos, em tudo o que diz respeito ao assunto, claro que, de uma forma onde eu vá influenciar, defender, opinar, luz à Palavra de Deus.
Me julguem, mas eu não sou um ser independente e absoluto, capaz de tomar decisões sozinha e tirar conclusões de que a solução para todos os problemas sociais e políticos do nosso País está, unicamente, nas mãos de homens e mulheres que, se “forem legais” podem mudar tudo isso.
Não posso e não quero (tenho esse direito) acreditar de que tudo, também, pode se resolver sozinho. Não! Não há uma melhora, uma solução de qualquer que seja a coisa, se esta não passar pela vontade de Deus. Se não for pedido, clamado à Ele.
Não posso, também, fazer julgamentos definitivos se eu sou apenas um ser humano limitado e, acima de mim, existe um Deus, Pai e Senhor que, além de ter o controle de tudo em Sua mãos, é aquEle que conhece o passado de toda a humanidade, o presente e é aquEle que detém o futuro de toda a terra.
Não dá para eu ter as mesmas opiniões da maioria. Eu não quero ter a opinião da maioria!
Eu quero, sim, ser dependente. Dependente daquEle que sabe tudo e que em tudo pode me ajudar a ver e a fazer tudo com mais clareza, mais sabedoria, de forma mais humana.
Eu não concordo e não me conformo em ver as coisas do jeito que estão. Elas podem mudar. Elas têm que mudar.
Mas só podem mudar quando, como diz o Bispo da minha igreja, “pessoas comuns como eu e você decidir trilhar por um caminho incomum, assim como os homens e mulheres da Bíblia que foram considerados Heróis da Fé. Seres humanos considerados Heróis, por terem sido diferentes,  por causa das escolhas que fizeram em obedecer às ordens e aos conselhos de Deus”.
Pessoas que não se rendem ao fermento da malícia e da maldade, mas, que, querem se levantar com ações puras e motivações relevantes, combatendo com a pureza do Evangelho os ambientes e pessoas fermentadas com os ingredientes acima citados.
Esse é o povo-osso que ainda segura essa Nação. A oração de um povo justo muda tudo!

Reconhecendo que os maranhenses estão na taca da perseguição há quase 4 anos, Roseana Sarney promete fazer um governo que dignifique as pessoas

– Quero voltar a governar porque amo o Maranhão e os maranhenses e não posso deixar meu povo refém do medo e da perseguição – afirmou a candidata a governadora Roseana Sarney na noite de sábado (18) no Anjo da Guarda, para um público que a recebeu com muito carinho e empolgação.

Ao lado da ex-prefeita de São Luís, Conceição Andrade e do líder comunitário Sebastião Santos, Roseana arrancou aplausos dos moradores ao dizer que, se eleita, retomará os programas sociais e de desenvolvimento econômico do estado, sem massacrar o povo com o aumento de impostos e o desemprego.

“Nós não vamos perseguir os pobres e trabalhadores, tomando carros e motos de pessoas que já estão sofrendo com o desemprego. Ao contrário, retomaremos os programas sociais do nosso governo, como o Viva Água e o Viva Luz, que tanto ajudaram as famílias mais carentes. E apoiar os micro e pequenos empresários, para que possam desenvolver seus negócios e dar oportunidade de emprego aos jovens”, prometeu  Roseana, sob aplausos dos moradores do Anjo da Guarda.

Aplaudida por candidatos aos cargos proporcionais, correligionários e sociedade

Ela lembrou dos benefícios que levou para a área Itaqui Bacanga, como o asfaltamento de ruas e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e garantiu que fará muito mais por aquela comunidade. “O Maranhão tem hoje mais famílias na pobreza, mais pessoas desempregadas, mais violência e medo. Com o apoio de vocês, serei governadora novamente, para o nosso estado voltar a se desenvolver e o maranhense voltar a sorrir”, finalizou.

Quem é Zaqueu Barros – candidato a Deputado Federal?

Zaqueu Barros – candidato à Deputado Federal

Acreditando que a ética, a justiça e a moral podem e devem andar alinhadas à política brasileira e ao jeito de fazer política, o Pastor, compositor, cantor e capelão, Zaqueu Barros, é o novo nome na disputa política maranhense, em corrida à uma vaga na Câmara Federal.

Nascido em um lar cristão, onde aprendeu desde muito cedo os valores e princípio do Reino de Deus e de como pode influenciar, positivamente, na sua geração e nos seu dias, Zaqueu Barros é casado com Karen Guterres e pai de dois filhos, Esther Barros e Zaqueu Filho.

Iniciou sua carreira como cantor e compositor muito jovem ainda, sempre com atuação vanguarda para aquele tempo.

Olhar a histórica relação entre fé (cristã) e política é procurar a política, mas é também procurar a fé. Uma dando sequência à outra. Pois, já diz a Bíblia, que tudo o que é feito sem fé é pecado e tudo, também, todas as benfeitorias que uma sociedade pode conquistar, de forma coletiva, é por meio da política, a qual é a arte de se organizar, de obter direitos e exercer deveres.

É importante destacar que vivemos, atualmente, num cenário político de plena transformação em nosso país.

O debate moral e religioso estão, mais do que nunca, em evidência na agenda da disputa eleitoral para todos os pleitos.
Percebe-se, nitidamente, a contagiante influência que as igrejas exercem sobre o voto em solo brasileiro. Aliás, estima-se que o colégio eleitoral evangélico atual seja de mais de 60 milhões de votos,  sendo, portanto,  capaz de decidir até uma eleição presidencial no país.

Apesar do  Estado ser laico, a religião está profundamente envolvida na política brasileira desde que o descobrimento foi celebrado, com um missa, em 26 de abril de 1500, pelo frade Henrique de Coimbra.
Dessa forma, a bancada cristã sempre exerceu – outrora com muito mais força do que agora-, com resistência e como um “muro de contenções”, influência e oposição a certos tipos de exageros e modernidades que vão de encontro à ordem no País, nas famílias, nas pessoas e etc…

Com um olhar, projetos e ideias que passam pela sua humanidade, Zaqueu Barros disputa uma vaga para deputado federal a fim de que, por meio de suas ações, indicações e defesa no Parlamento, possa alcançar necessidades dos maranhenses das quais nunca foram vistam e nem ordenadas.

Caminhada 

Ao lado de sua esposa, Zaqueu Barros é atuante em programas e projetos sociais e culturais que beneficiam parte da população.

Em sua trajetória, foi ordenado Pastor e exerce Capelania Hospitalar no Hospital de Câncer do Estado do Maranhão.
A partir dessa oportunidade, por iniciativa própria, idealizou e fundou a Casa de Apoio a acompanhantes e pacientes em tratamento de Câncer, onde acolhe, com amor, pessoas de todo estado.

Candidato

Recentemente, colocou seu nome para ser julgado pela população do Maranhão, pelo PSL, como candidato a Deputado Federal nestas eleições 2018, pretendendo, com isso, participar do bloco político representado por Magno Malta e Jair Bolsonaro, em defesa da família, dos valores e princípios éticos-cristãos e combate implacável à corrupção.

Dia a dia de Zaqueu Barros

Zaqueu Barros atua como capelão, diariamente, junto a uma equipe multidisciplinar (que já é referência no estado) no Hospital de Câncer do Maranhão, prestando assistência para pacientes em tratamento, com acompanhantes e familiares ;

É membro fundador da ANCP –MA Associação Nacional de Cuidados Paliativos ;

É Fundador da Casa de Apoio Maria Auxiliadora para acompanhantes e pacientes em tratamento de Câncer, desenvolvendo ações diárias e sazonais que minimizem o estado de dor e sofrimento dessas pessoas, como atendimento pessoal, oração, doações, trabalhos de assistencialismo e comemorações em datas comemorativas.

É Pastor e atualmente está como membro na Igreja Batista do Calhau ;

É Compositor e Cantor com carreira atuante há mais de 30 anos ;

Realiza atendimento de clinica pastoral ( aconselhamento e cuidados no alinhamento das relações com Deus).

Candidato Zaqueu Barros e o seu grande apoiador, Senador Magno Malta – conhecido e respeitado pela forma de fazer política de defesa às famílias e crianças

– Política é coisa séria e fazer política, que está diretamente e intimamente ligada às pessoas, é ainda mais sério. Portanto, embora indigesto, principalmente, nos nossos dias, precisamos debater, construir, corrigir, somar e, às vezes, subtrair, questões políticas por meio do que Deus tem todos os dias a nos ensinar.
Não dá para ignorar. Não dá para acertar sem consultar a Deus, que conhece o passado do nosso povo. Conhece o presente e, melhor, o nosso futuro. 
Por isso, me coloco como um homem, filho de Deus, marido, pai, pastor, humano, à disposição da minha sociedade maranhense, para que, juntos, reflitemos e lutemos por uma sociedade onde mais pessoas tenham cada vez mais direitos. Mais pessoas tenham cada vez mais oportunidades. Mais pessoas sejam cada vez mais ouvidas. Mais pessoas sejam cada vez mais alcançadas e tenham um papel fundamental em seus dias e em seus locais de habitação,mesmo aqueles que nunca tiveram condições de opinar sobre os rumos da sociedade – declarou o candidato a deputado federal Zaqueu Barros