De acordo com Sindicato da Polícia Civil, Flávio Dino é ditador e mandou arrancar outdoor da SINPOL-MA

O Governo do Estado do Maranhão acaba de escrever mais uma página da triste história de terror que tem impregnado o Estado, numa volta à ditadura, em pleno Século XXI.

Após o Brasil inteiro se chocar com o caso de investigação feita pelo governo contra seus opositores, a Gestão Flávio Dino e seu “general” Jefferson Portela, mais uma vez usando do braço militar do Estado para impor sua tirania, acabaram de golpear a Democracia, ferindo de morte um dos seus pilares mais sagrados, que é a liberdade de expressão.

Num direito democrático que lhe assiste, o Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Maranhão (SINPOL-MA) usou de um meio legal de publicidade para divulgar uma informação de interesse público, qual seja, a de que o Governo do Estado tem desprezado o investimento na Polícia Civil e destinado a esta menos de 1% da verba de Segurança Pública.

Além das mídias virtuais, o Sindicato usou os tradicionais outdoors como forma de veicular tal denúncia. Assim, foram espalhados pela capital maranhense e por outras cidades do interior, vários outdoors, onde estampavam as fotos dos públicos Jefferson Portela e Flávio Dino, como legítimos símbolos do Governo que são.

Pois, na manhã desta quinta-feira, 24/05/2018, os diretores do Sindicato dos Policiais Civis foram surpreendidos com a notícia de que um dos outdoors, o que havia sido colocado em frente à Secretaria de Segurança Pública, estava sendo retirado antes de findar o contrato. Incrédulos com tal denúncia, a diretoria classista dirigiu-se imediatamente ao local, onde confirmaram a denúncia. O outdoor que ali estivera, dera lugar a uma propaganda da própria empresa detentora dos direitos daquela placa publicitária.

Já prevendo o que acontecera, o SINPOL-MA logo buscou esclarecer os fatos: a empresa contratada para colocar os outdoors fora ameaçada pelo Governo do Estado. Ou eles tiravam aquele outdoor do SINPOL-MA, ou perderiam a placa e o direito de explorar aquele espaço. Tal informação deixou estarrecida a Diretoria do Sindicato, pois, além de atacar diretamente a liberdade de expressão, o que o Governo do Estado praticava naquele ato, era uma violência a própria República, num ataque claro e direto à livre iniciativa, que é um dos princípios fundamentais previstos no primeiro artigo de nossa constituição, em seu quarto inciso.

Governador Flávio Dino cada vez mais considerado como ditador e tirano

Diante do que fora levantado, não restou dúvida de que o autoritarismo mais uma vez se impusera. O local explorado pela referida empresa, fora cedido para ser explorado comercialmente pelo próprio Estado, numa área que hoje pertence ao Corpo de Bombeiro Militar. E não coincidentemente, a ordem para que a publicidade ali exposta fosse retirada, foi dada por um tenente daquela honrada instituição. Resta agora saber: assim como no caso do Circular nº 08, terá o Governo a coragem de dizer que não sabia de nada? Será que as instituições militares resolveram se rebelar contra a tão rígida hierarquia militar, que passaram agir por conta própria, sem a anuência de seus superiores?

Diretoria do SINPOL-MA

Maranhão tem mais de 10 pontos de protestos de caminhoneiros

Na tarde desta quinta-feira (24), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou 14 pontos de protestos de caminhoneiros nas BRs que cortam o Maranhão, sendo quatro na Região Metropolitana de São Luís e 10 no interior do Estado.

Pontos de protestos de caminhoneiros:

Imperatriz – BR 010, km 246 Cidelândia – BR 010, km 299,5 Trecho Seco

Estreito – BR 010, km 131

Balsas – BR 230, km 396

Balsas – BR 230, km 406

Caxias – BR 316, km 544

São Domingos do Azeitão – BR 230, km 216

Grajaú – BR 226, km 413

Açailândia – BR 222, Pequiá

Bacabeira – BR 135, km 46

São Luís – BR 135, km 5, Oleama

São Luís – Km 2 do Acesso da BR-135 (posto Paizão)

São Luís – Km 6 do acesso da BR-135, Vila Maranhão

São Luís – BR-135, Km 16,2 do acesso (Avenida dos Portugueses), em frente à Liquegás.

FOTO: Imirante

De acordo com a PRF, todas as manifestações ocorrem sem interdição de rodovias e valem apenas para veículos de carga. Outros veículos estão liberados. As manifestações começaram na manhã de segunda-feira (21), em protesto contra o aumento do preço dos combustíveis.

Por causa das manifestações que ocorrem em todo o Brasil, já há registro de falta de combustível em várias partes do país. Na Região Metropolitana de São Luís, bem como no interior do Estado, vários postos já se encontram sem combustível. Nas cidades de Caxias, Bacabeira, Balsas e Imperatriz há falta de combustíveis em vários postos.

 

Imirante

Deputado Júnior Verde dialoga com famílias do Residencial Nova Esperança em busca de melhorias para a comunidade

Com o objetivo de continuar atendendo às reivindicações das famílias que vivem no Residencial Nova Esperança, o deputado Júnior Verde (PRB) conduziu reunião, na tarde desta quarta-feira (23), na Assembleia Legislativa, com representantes da própria comunidade, Secretarias de Direitos Humanos e de Infraestrutura, Funac e Cemar.

Desde 2015, a comunidade luta pela regularização da área onde vive.
No ano passado, graças ao intermédio do parlamentar, foi firmado um Termo de Acordo entre a Associação da Nova Esperança, o Governo do Estado e a Fundação da Criança e do Adolescente (FUNAC) – proprietária do local -, beneficiando 325 famílias com a garantia de um loteamento. Agora, os moradores pedem saneamento básico, energia elétrica e melhorias na infraestrutura.

– Nós fizemos a nossa parte. Cumprimos o acordo e o governo nos cedeu 7 hectares, mas também precisamos de água, luz e ruas trafegáveis para viver – disse Urubatan Castro, líder comunitário.

O deputado Júnior Verde explicou que continuará dialogando com o Executivo para dar os próximos passos e conseguir, finalmente, atender às necessidades da comunidade. “O que nós queremos é que estas famílias possam, o mais rápido possível, ter todos os seus direitos garantidos, inclusive os benefícios sociais inerentes à condição humana. Nós já demos um grande passo, que foi conseguir apaziguar o conflito e manter estas pessoas em suas residências. Tudo por meio de diálogos e discussões com os órgãos responsáveis”, acentuou.

Presentes na reunião, o secretário adjunto de Direitos Humanos, Jonathan Galvão; o diretor de Relações Institucionais da Cemar, José Jorge Soares, e o secretário adjunto de Projetos da Sinfra, Jorge Kusaba, que prestaram esclarecimentos sobre o andamento dos projetos que garantirão a chegada de iluminação pública e residencial, perfuração de poços artesianos e o asfaltamento de vias, de acordo com as reivindicações da comunidade.

– O Governo garantiu, após longos diálogos, o direito à moradia para mais de 300 famílias. Agora, continuamos a luta fazendo a interlocução, junto aos órgãos públicos estaduais e municipais, assim como da Cemar, uma empresa privada, para que os serviços públicos sejam entregues, justamente o que está sendo reivindicado. Por isso, é importante esse monitoramento periódico na comunidade – explicou Jonathan Galvão.

Já o diretor de Relações Institucionais da Cemar, José Jorge Soares, fez orientações à comunidade e alertou sobre os perigos das ligações clandestinas. “Já enviamos uma equipe técnica ao local e identificamos sérios riscos. Nossa orientação é que os moradores procurem a Prefeitura de Paço do Lumiar e se cadastrem para terem o direito ao desconto na tarifa de energia. Não há necessidade de ligações por conta própria. Isso pode gerar sérios riscos à vida”, alertou José Jorge.

E sobre a infraestrutura local, o secretário Jorge Kusaba disse que toda a parte de drenagem e pavimentação já está em desenvolvimento. “Nós já estamos bem adiantados quanto a isso e, em linhas gerais, podemos dizer que conseguiremos concluir até o mês de julho o projeto para que, em seguida, a licitação seja feita e o empreendimento implantado”, frisou.

Nesta sexta-feira, 25, apenas 50% da frota de ônibus vai circular em São Luís, afirma Sindicato

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET) informou que apenas 50% da frota de ônibus da capital vai circular nesta sexta-feira (25).

Sindicato das empresas informou que redução se dará por causa da crise no abastecimento de combustíveis

Segundo o SET, essa redução se dará por causa da crise no abastecimento de combustíveis que assola todo o país e já começou a afetar as empresas da cidade após a paralisação dos caminhoneiros em várias estradas do país, inclusive na BR-135.

Segundo a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que lidera as manifestações dos profissionais autônomos em todo o país, a greve só será suspensa com a publicação no Diário Oficial da decisão do governo de zerar a alíquota das contribuições PIS/Cofins e Cide para o diesel.

Depois de decidirem, nesta quarta-feira (23), manter a greve que obstrui estradas em ao menos 11 estados brasileiros, os caminhoneiros voltaram a se reunir com o governo do presidente Michel Temer (MDB) nesta quinta-feira, 24.

Nota do SET

Informamos aos usuários do sistema de transporte público de passageiros que, devido ao desabastecimento de combustível das empresas, será reduzida a frota de coletivos em até 50%, para garantir o atendimento mínimo na capital. Lamentamos os transtornos enfrentados pelo nossos usuários e estamos aguardando a normalização do fornecimento de combustível.

CAOS: Diesel e gasolina já começam a faltar em Postos de Combustíveis e gasolina de estoque pode chegar a R$ 4,99 no Maranhão

Boa parte do Maranhão pode amanhecer, nesta sexta-feira, 25, sem combustíveis, bem como as distribuidoras de gás sem botijões do GLP.
O alerta é do empresário João Rolim, proprietário da Rede Magnólia (maior revendedoras de combustíveis do estado) e presidente da junta governativa do Sindicato dos Distribuidores de Combustíveis (Sindcombustíveis).

De acordo com ele, nesta quinta-feira (24), as distribuidoras de todas as bandeiras suspenderam o fornecimento de gasolina, diesel e etanol por conta do bloqueio dos caminhoneiros das vias de acesso a elas e, com isso, os postos estão operando apenas com seus estoques, que podem findar, em alguns deles, ainda nesta quinta-feira, devido à corrida de proprietários de automóveis para abastecer seus veículos.

Ainda segundo João Rolim, alguns postos das cidades do interior já estão ficando com as tanques vazios, ou seja, podem suspender o atendimento ainda esta noite.

A situação é preocupante e o empresário espera que uma solução seja apresentada nas próximas horas, pois a tendência é um desabastecimento geral, criando um grande transtorno para a sociedade.

Ele disse que, além dos combustíveis de autos, a população pode ficar desabastecida também do gás de cozinha, já que os caminhões também estão sem poder fazer o transporte.

Diante da corrida aos postos, os preços nas bombas começaram a subir assustadoramente em São Luís, chegando em alguns lugares a R$ 4,59, produto que estava sendo adquirido até semana passada por R$ 3,79.
Já nesta quinta, alguns postos ainda estão conseguindo vender a gasolina a R$ 4,29. Em outros, o preço ainda é menos pior e mais abaixo do que os demais, podendo ser encontrado até por R$ 4,10.

Gasolina por R$ 4,99

Hoje à tarde, 24 de Maio, em uma conversa em grupo de WhatsApp, uma amiga minha – que trabalha em um Posto de Combustível, na Estrada de Ribamar -, alertou a todos os componentes do grupo, que, quem pudesse, era para abastecer os seus veículos o quanto antes, pois a gasolina já estava aumentando para R$ 4,99 e que os Postos correm um risco altíssimo de ficarem sem o produto.

– Já começou a falta do Diesel. Para a gasolina é um pulo (sic) – disse ela.

O empresário Antônio Hiluy Nicolau, dono da Rede Paloma, diz que, apesar da pressão sobre os preços, não concorda em aumentar os preços por conta da crise de abastecimentos. Ele disse que vai continuar operando com a mesma margem até acabar os estoques.

Falta de frutas e legumes

Além dos combustíveis, na Central de Abastecimento (Ceasa) há riscos de faltar frutas, verduras e legumes neste final de semana. Os comerciantes dizem que, infelizmente, os caminhões que transportam esses alimentos de outros estados estão retidos e podem ter a carga depreciada, por se tratar de produtos perecíveis.

Informações do site Maranhão Hoje – com alterações

Polícia Civil do Maranhão diz que governo Flávio Dino está enganando a população: “Pacto pela paz é eleitoreiro e fantasioso”

O Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão – Sinpol-MA repudia o desvio de finalidade que se tornou o programa “Pacto pela Paz”. Um release encaminhado para a imprensa informa a solenidade de posse dos Conselheiros Comunitários pela Paz de Timon, nesta sexta-feira, 18, com a presença do secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela, além de outras autoridades da pasta e do Poder Executivo Municipal.

O governo está enganando o cidadão

Sobre a série de ações do “Pacto Pela Paz” para reestruturação da Segurança, entre eles, a contratação de mais policiais, promoções, investimentos em formação profissional, tecnologia e infraestrutura, é preciso esclarecer que a frota da Polícia Civil permanece em sua maioria sucateada, as delegacias estão caindo aos pedaços, os equipamentos das unidades policiais são antigos, nomeações, de fato, ocorreram, com a farra dos capelães que ingressaram sem a via Constitucional do concurso público.

O governo não  investe na Polícia Judiciária, deixando-a sucateada, com péssima ou nenhuma estrutura, além da falta de efetivo. O Orçamento da Segurança Pública – a parte que cabe à Polícia Civil – não chega nem a 1% do orçamento total nessa área, entre outras penúrias tão exploradas pela direção sindical ao longo da atual gestão. O programa em “execução” não melhorou segurança no Maranhão.

Apesar de alardear os bons atos da polícia, realizados, aliás, por conta do profissionalismo de seus integrantes e nunca por conta de algum incentivo do Palácio dos Leões, o governador Flávio Dino não tem como ocultar a falta de valorização da Polícia Civil e a consequente desmotivação dos servidores da Segurança e, mais ainda, o sucateamento a que submeteu a Polícia Investigativa.

O trecho da matéria que diz “O diálogo com a população… é uma das vertentes do programa social…”chega a ser “debochado”.

Ora, um governo que exclui as entidades de classe do Conselho de Polícia Civil, não pode ser considerado um governo democrático. Democracia exige a participação de todos os setores envolvidos na política de defesa da sociedade. Mas o governo, que se diz progressista, não prioriza o diálogo com todas instituições representativas existentes no Estado.

Por fim, é importante fazer as seguintes indagações: o programa “Pacto pela Paz” é um projeto eleitoreiro, fantasioso, cujo único objetivo seria cooptar votos no interior do Estado? Afinal, para que serve o “Pacto pela Paz, se o ESTADO não faz por quem primeiro a promove?

Delegado enumera condições precárias das delegacias e trabalho análogo à de escravos a que a Polícia Civil está submetida no Maranhão

“A Polícia Civil está agonizando”. A opinião é do ex-secretário estadual de Administração Penitenciária, delegado Sebastião Uchoa.

A instituição no momento enfrenta inúmeros problemas, principalmente com a falta de efetivo policial, sucateamento das unidades e um quadro de acefalia. No interior do estado, a situação das delegacias é ainda mais degradante, com registro de constantes fugas e muitas desses postos policiais chegaram a ser interditados pelo Poder Judiciário no decorrer deste ano.

Forro da delegacia de Bacabal, após chuvas de Março

Segundo o delegado, a Associação dos Delegados da Polícia Civil (Adepol) solicitou ao Ministério Público do Trabalho no Maranhão, providências para acabar com a imposição do trabalho do policial análogo à condição de escravo.

Esse quadro agonizante da Polícia Civil, na opinião de Uchôa é decorrente de vários fatores. Um deles é a desmotivação imposta pela falta de perspectiva por parte do governo, que não tem apreço com a classe de policiais civis.

O exemplo disso foi a expulsão da Adepol de um prédio histórico, no Centro de São Luís, além de alterar o estatuto da Polícia Civil de modo unilateral sem a consulta prévia da categoria. “Devido às mudanças no estatuto, as entidades de classe foram excluídas do conselho de polícia”, explicou o delegado.

Sebastião Uchôa disse, ainda, que o último concurso para o ingresso de policiais, acabou ofertando um número ínfimo e, mesmo assim, até o momento não tem prazo para o início do curso de formação para os aprovados. No momento, as unidades policiais não têm um quadro mínimo de policiais para atender as atividades diárias, principalmente no tocante ao trabalho de investigação.

– Estamos vivendo em uma época que não temos policiais para cobrir as férias do colega de trabalho e quando há operações especiais é necessário juntar os poucos que tem de várias unidades – disse ele.

O delegado informou, também, que o sistema de informação, denominado de Sigo, não está operando 100%, em razão de falta de pagamento e isso dificulta o trabalho policial, principalmente no registro do boletim de ocorrência. Em relação à acefalia institucional, que segundo o profissional da segurança, denota-se a falta de maturidade de gestões como um todo, fruto de inobservância de rigorosos critérios técnicos para cargos de comando na estrutura da gestão policial civil do Maranhão. “A Polícia Civil não tem rumos próprios e o exemplo disso são as constantes mudanças na Delegacia Geral”, explicou o delegado.

Trabalho escravo

O delegado Marconi Chaves, que é presidente da Adepol-Ma, enviou um ofício ainda no mês de abril ao chefe do Ministério Público do Trabalho/16º Região, Maurel Mamede, denunciando e solicitando providências contra imposição de trabalho análogo à condição escravo.

Ainda segundo a denúncia feita pela Adepol-Ma, atualmente a jornada de trabalho da polícia é excessiva, com plantões de 72 horas ininterruptas e sem retribuição financeira, principalmente no interior do estado, com acúmulo de atribuições.

Situação precária

Na opinião do delegado, a situação é precária nas delegacias do interior. As ocorrências de roubo, fuga e até interdição dessas unidades são frequentes. No último dia 13, por exemplo, bandidos invadiram a delegacia de Polícia Civil de Pirapemas e roubaram uma submetralhadora, coletes balísticos e uma caixa com dinheiro, arrecado de taxas de licenciamento. Uma incursão feita na localidade os policiais conseguiram recuperar a arma de fogo.

Na noite do dia 25 do mês passado, a polícia registrou a tentativa de fuga de mais de 20 internos da delegacia de Polícia Civil de Centro Novo. O delegado Jader Alves, regional de Zé Doca, informou que os presos, revoltados com a superlotação, serraram as grades da cela, mas foram surpreendidos quando se preparavam para fugir. Os funcionários da delegacia pediram reforço policial que conteve os revoltados. No dia seguinte, oito apenados foram transferidos para um dos distritos policiais do município de Zé Doca.

Também no dia 15 desse mês, o preso Francisco da Silva, o Tico, foi resgatado da delegacia de Centro Novo e encontrado morto na rodovia MA-106, que liga a cidade de Governador Nunes Freire a Pinheiro. No momento do resgate, segundo a polícia, havia mais de 10 apenados, mas apenas Francisco da Silva foi resgatado.

Ainda em abril ocorreu a interdição da Central de Flagrante de Timon, determinada pelo Poder Judiciário. Essa interdição foi fruto de uma ação civil pública impetrada pelo promotor de Justiça, Fernando Antônio Aragão e acatada pelo Poder Judiciário.

Já no dia 5 de fevereiro deste ano, a juíza Sheila Silva Cunha, de Parnarama, determinou a interdição da delegacia de Polícia Civil da cidade e que o Estado disponibilizasse agentes penitenciários para a custódia dos presos do município. O órgão requereu uma liminar alegando a inércia estatal e a deterioração das condições da
carceragem da cidade durante anos.

No dia 12 de janeiro deste ano, 16 presos conseguiram fugir da delegacia de Polícia Civil da cidade de Mirinzal. Dos 18 detentos que estavam na carceragem, apenas dois não fugiram. Um dos fugitivos furtou a bicicleta do carcereiro de plantão, nome não revelado.

Nota do Governo

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA) informou que deste o início da atual gestão vem adotando um plano emergencial para recuperação das estruturas dos prédios das delegacias de Polícia Civil. Desde 2015 foram entregues 28 novos prédios de segurança pública da Polícia Civil, que foram reformados ou construídos.

No momento, 40 novos prédios estão em reforma. Sobre o efetivo policial, a SSP esclarece que haverá um reforço nas equipes após o resultado do último concurso da Polícia Civil, realizado em janeiro. Para este ano estão previstos investimentos de mais de R$ 11 milhões em readequação de espaços da Segurança Pública.

Deputado Júnior Verde visita 16ª edição da AGROBALSAS – maior feira do setor do Agronegócio do Maranhão

O deputado estadual Júnior Verde (PRB) marcou presença na abertura da 16ª edição da AGROBALSAS, aberta na última terça-feira, 15, na Fazenda Sol Nascente, em Balsas, Sul do Estado. Com o tema Agricultura Sustentável na Era Digital, o evento é a maior feira do setor do Agronegócio do Maranhão. O 16° ano da feita vai até sábado, (19).

A solenidade de abertura contou com a presença do Governador Flávio Dino e diversos líderes políticos. A feira contempla expositores do setor de tecnologias em máquinas atomizadas e implementos agrícolas; dias de campo; atrações culturais; festivais; vitrines vivas; além da exposição de animais.

– A Agrobalsas é um evento de extrema importância para o setor produtivo e hoje representa todo o estado do Maranhão – reconheceu Júnior Verde, que na ocasião, representou o deputado federal Cleber Verde e recebeu uma homenagem pela atuação do parlamentar na região.

A previsão é que a feira receba cerca de 75 mil visitantes, público formado por produtores rurais, agricultores, agrônomos, pecuaristas e todos que fazem parte do agronegócio brasileiro e internacional. Mais de 400 marcas estão em exposição e os negócios realizados devem chegar a R$ 500 milhões.

– Trata-se de uma grande vitrine, que está consolidada como geradora de desenvolvimento para o Sul do Maranhão. Sem falar que leva para os produtores, os estudantes, a sociedade novas e importantes tecnologias – concluiu o deputado.

Ministério Público representa contra Flávio Dino por propaganda eleitoral antecipada

O governador Flávio Dino (PCdoB), pré-candidato à reeleição, foi alvo de uma representação do Ministério Público Eleitoral junto ao Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE/MA). O motivo, segundo o próprio MP, foi “por supostamente ter realizado propaganda eleitoral antes do prazo de 16 de agosto, estabelecido no artigo 2º da Resolução TSE nº 23.551/2017”.

Governador é pré-candidato à reeleição e estava em um evento do Partido Solidariedade (SD), em um hotel em São Luís

Na ocasião, o governador estava em um evento do Partido Solidariedade (SD), no Rio Poty Hotel, em São Luís, no dia 12 de maio, quando teria realizado propaganda eleitoral antecipada, segundo o Ministério Público Eleitoral. O evento, segundo o MP, foi transmitido ao vivo em rede social do próprio governador. A representação foi feita pelo procurador Pedro Henrique Castelo Branco.

Na representação, o MP explica que ao falar da presença da pré-candidata Helena Maria Duailibe Ferreira no local, ela foi aplaudida, quando o governador comentou: “Espero que todos vocês transformem isso em voto, viu? Claro que não só pra Helena… Vocês lembrem do cristão que tá aqui, também. Do Aldo e de todo mundo”, disse Flávio Dino na transmissão.

O governador Flávio Dino, ao lado da pré-candidata à deputada estadual, Helena Duallibe

Este trecho do discurso do governador Flávio Dino, para o MP, “pode configurar propaganda eleitoral antecipada, com explícito pedido de voto em benefício próprio, bem como em favor dos pré-candidatos Helena Maria Duailibe Ferreira e José Aldo Rebelo Figueiredo”.

Manifestação de professores também em São José de Ribamar

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma), núcleo de São José de Ribamar, realizou na última quinta-feira (10), uma paralisação de advertência e um ato público em defesa dos direitos dos trabalhadores em educação da rede de ensino do município.

Sinproesemma de São José de Ribamar faz manifestação cobrando reajuste salarial e outros direitos

Os educadores de Ribamar cobram do prefeito Luís Fernando Silva o pagamento de 95 progressões de 2017, com o percentual de 13% que representa o interstício de a cada quatro anos de tempo de serviço; o pagamento de 47 promoções, regularização da merenda escolar, reforma nas escolas e o pagamento do reajuste do piso de 2018, de 6,81%, retroativo a 1º de janeiro.

– Desde o mês de janeiro estamos tentando uma negociação através de várias reuniões com a Secretaria de Educação do município, com pauta sobre o reajuste de 6,81%, promoções, progressões, difícil acesso e outros. Mas, sem nenhum êxito. Tentamos também sensibilizar os vereadores do município solicitando que fizessem interlocução junto ao poder executivo para que as demandas dos educadores fossem atendidas, mas também não tivemos nenhuma resposta. Todas as reuniões que tivemos de janeiro para cá não garantiram nosso reajuste e nem os outros direitos pleiteados – disse Ilza Almeida, coordenadora do núcleo do Sinproesemma de Ribamar.

Após concentração na Praça do Cruzeiro, com o forte protesto dos professores diante da intransigência do prefeito, os educadores, acompanhados por estudantes, saíram em caminhada com paradas em frente a Secretaria Municipal de Educação, Câmara dos Vereadores, Fórum da Justiça, finalizando na sede da prefeitura, onde foram recebidos pelo prefeito Luís Fernando.

– Sabemos que os valores do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) que entraram nos cofres da prefeitura, nesse trimestre, são suficientes para garantir os direitos dos trabalhadores em educação. Por isso, paramos, para unirmos nossas forças e cobrar nossos direitos ao prefeito – destacou Ilza Almeida.

Em reunião com os educadores, Luís Fernando se comprometeu em apresentar propostas à categoria. “Iremos apresentar quatro propostas para a categoria, pois queremos garantir os direitos dos professores e dos mais de 23 mil alunos da rede”, disse o prefeito que, diante da manifestação dos professores, decidiu antecipar para esta sexta-feira (11), a reunião com os educadores, que estava prevista para o dia 18 deste mês.

Informações do Sinproesemma