Prefeitura de São Luís e secretaria de Agricultura celebram aniversário de 30 anos do programa Feira Livre

Feirantes e funcionários da Semapa se reuniram para celebrar as três décadas do programa Feira Livre

O programa Feira Livre, gerenciado pela Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa), que tem como principal objetivo diversificar os locais de compra e oferecer produtos hortifrutigranjeiros, cereais, pecuários e peixes a preços mais competitivos, completou 30 anos de existência nessa segunda-feira (21).

Para marcar a data, a gestão municipal promoveu um evento com atividades esportivas e culturais. O programa foi criado ainda com o objetivo de garantir postos de trabalho e facilitar o escoamento de parte da produção da agricultura familiar dos polos agrícolas assistidos e estimulados pelo município.

– Por determinação do prefeito Edivaldo, temos fomentado cada vez mais a produção agrícola familiar, contribuindo com o aumento do escoamento em nossos equipamentos públicos de abastecimento, como as feiras livres. Um programa exitoso que valoriza o trabalho do feirante e impulsiona as vendas do pequeno agricultor – destacou o secretário da Semapa, Ivaldo Rodrigues.

Para celebrar os 30 anos da iniciativa, foi realizado um jogo de futebol amistoso entre os feirantes e os funcionários da Semapa, com empate de dois gols para cada time. A comemoração foi realizada na Associação dos Servidores da Caema e teve ainda momentos de lazer entre os feirantes, familiares e servidores da Semapa, com música ao vivo ao som dos cantores Fábio Souza e Edilene Silva. A programação teve almoço e bolo oferecido aos feirantes e sorteio de cestas com produtos selecionados em parceria com as empresas Agrolusa, Fribal Franchising e Supermercados Mateus.

– São 6 anos à frente da associação e podemos afirmar que a produção local ganha cada vez mais espaço no mercado, mostrando que aqui temos produtos com qualidade para abastecer a mesa do maranhense. Sou grato pelo incentivo que o Governo do Estado e a Prefeitura dão aos produtores locais. Para nós é uma vitória poder celebrar os 30 anos do programa Feira Livre, que dá sustento a tantas famílias – disse o presidente da Associação dos Produtores e Feirantes de Hortifrutigranjeiros da Grande São Luís (Prohort), Reginaldo Fonseca Cantanhede.

Evento reuniu nesta segunda-fera (21), feirantes e seus familiares em um dia de lazer com atividades esportivas e culturais na Associação dos Servidores da Caema

Durante o mês, são realizadas 36 feiras livres na capital em diferentes bairros, com mais de 400 feirantes cadastrados. Os fregueses que gostam de produtos naturais e saudáveis podem encontrá-los frescos, vindos direto da plantação e comprá-los das mãos dos produtores rurais de São Luís nas feiras livres.

HISTÓRIA

O programa Feira Livre surgiu em 1988 da necessidade que os agricultores familiares e pequenos produtores tinham de mostrar o valor e qualidade de sua mercadoria em comparação com a dos atravessadores. No início, uma média de 45 barracas eram montadas, algumas divididas entre duas famílias de produtores, dependendo da quantidade que tinham para ofertar em produtos.

– A feira livre tem um significado muito grande pra mim, é como se fosse um filho. Ela cumpre o seu papel até hoje de melhorar o valor de comercialização da produção do pequeno produtor e de criar a alternativa de um preço melhor ao consumidor, além da integração da comunidade com os produtores da zona rural – destacou o produtor agrícola Said Zeitouni, de 58 anos, um dos fundadores do programa.

CRONOGRAMA DAS FEIRAS LIVRES EM SÃO LUÍS:
Terça-feira, de 14h às 21h do bairro Cohab IV.
Endereço: Rua “B”, S/N, Planalto Anil I (Avenida de acesso ao Cohatrac);

Quarta-feira, de 14h às 21h, no bairro Vinhais.
Endereço: Avenida 1, S/Nº, Vinhais (Próximo ao Posto Brasil);

Quinta-feira, de 14h às 21h na Praia-Grande.
Endereço: Aterro do Bacanga, Centro (Próximo ao circo da Cidade);

Sexta-feira, de 14h às 21h, no bairro Renascença.
Endereço: Rua Cedro, S/Nº, Renascença, próximo ao Hiper Bom Preço;

Sexta-feira, de 14h às 21h, do Planalto.
Endereço: Av. Guajajaras S/N, Planalto Anil (Próximo ao posto Ipiranga);

Sábado, de 7h às 13h, no bairro Bequimão (fixo).
Endereço: Av. Perimetral Norte, S/N, Bequimão;

Sábado, de 7h às 13h, na Madre Deus (fixo).
Endereço: Praça da Saudade, Madre Deus;

Sábado, de 7h às 13h, do Turu (fixo).
Endereço: Avenida 06, S/N, Habitacional Turu;

Além das feiras livres e da Feirinha São Luís, que ocorre aos domingos no Centro, das 7h às 13h, existe ainda a Feira do Produtor, que é realizada todos os sábados, de 7h às 13h, no bairro Angelim, onde metade das bancas são destinadas para venda de produtos direto dos produtores agrícolas familiares da capital. A Feira do Produtor ocorre na Rua 27, S/Nº, Angelim (Próximo ao Ecoponto do Angelim e Restaurante Xico Noca).

De acordo com Sindicato da Polícia Civil, Flávio Dino é ditador e mandou arrancar outdoor da SINPOL-MA

O Governo do Estado do Maranhão acaba de escrever mais uma página da triste história de terror que tem impregnado o Estado, numa volta à ditadura, em pleno Século XXI.

Após o Brasil inteiro se chocar com o caso de investigação feita pelo governo contra seus opositores, a Gestão Flávio Dino e seu “general” Jefferson Portela, mais uma vez usando do braço militar do Estado para impor sua tirania, acabaram de golpear a Democracia, ferindo de morte um dos seus pilares mais sagrados, que é a liberdade de expressão.

Num direito democrático que lhe assiste, o Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Maranhão (SINPOL-MA) usou de um meio legal de publicidade para divulgar uma informação de interesse público, qual seja, a de que o Governo do Estado tem desprezado o investimento na Polícia Civil e destinado a esta menos de 1% da verba de Segurança Pública.

Além das mídias virtuais, o Sindicato usou os tradicionais outdoors como forma de veicular tal denúncia. Assim, foram espalhados pela capital maranhense e por outras cidades do interior, vários outdoors, onde estampavam as fotos dos públicos Jefferson Portela e Flávio Dino, como legítimos símbolos do Governo que são.

Pois, na manhã desta quinta-feira, 24/05/2018, os diretores do Sindicato dos Policiais Civis foram surpreendidos com a notícia de que um dos outdoors, o que havia sido colocado em frente à Secretaria de Segurança Pública, estava sendo retirado antes de findar o contrato. Incrédulos com tal denúncia, a diretoria classista dirigiu-se imediatamente ao local, onde confirmaram a denúncia. O outdoor que ali estivera, dera lugar a uma propaganda da própria empresa detentora dos direitos daquela placa publicitária.

Já prevendo o que acontecera, o SINPOL-MA logo buscou esclarecer os fatos: a empresa contratada para colocar os outdoors fora ameaçada pelo Governo do Estado. Ou eles tiravam aquele outdoor do SINPOL-MA, ou perderiam a placa e o direito de explorar aquele espaço. Tal informação deixou estarrecida a Diretoria do Sindicato, pois, além de atacar diretamente a liberdade de expressão, o que o Governo do Estado praticava naquele ato, era uma violência a própria República, num ataque claro e direto à livre iniciativa, que é um dos princípios fundamentais previstos no primeiro artigo de nossa constituição, em seu quarto inciso.

Governador Flávio Dino cada vez mais considerado como ditador e tirano

Diante do que fora levantado, não restou dúvida de que o autoritarismo mais uma vez se impusera. O local explorado pela referida empresa, fora cedido para ser explorado comercialmente pelo próprio Estado, numa área que hoje pertence ao Corpo de Bombeiro Militar. E não coincidentemente, a ordem para que a publicidade ali exposta fosse retirada, foi dada por um tenente daquela honrada instituição. Resta agora saber: assim como no caso do Circular nº 08, terá o Governo a coragem de dizer que não sabia de nada? Será que as instituições militares resolveram se rebelar contra a tão rígida hierarquia militar, que passaram agir por conta própria, sem a anuência de seus superiores?

Diretoria do SINPOL-MA

Maranhão tem mais de 10 pontos de protestos de caminhoneiros

Na tarde desta quinta-feira (24), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou 14 pontos de protestos de caminhoneiros nas BRs que cortam o Maranhão, sendo quatro na Região Metropolitana de São Luís e 10 no interior do Estado.

Pontos de protestos de caminhoneiros:

Imperatriz – BR 010, km 246 Cidelândia – BR 010, km 299,5 Trecho Seco

Estreito – BR 010, km 131

Balsas – BR 230, km 396

Balsas – BR 230, km 406

Caxias – BR 316, km 544

São Domingos do Azeitão – BR 230, km 216

Grajaú – BR 226, km 413

Açailândia – BR 222, Pequiá

Bacabeira – BR 135, km 46

São Luís – BR 135, km 5, Oleama

São Luís – Km 2 do Acesso da BR-135 (posto Paizão)

São Luís – Km 6 do acesso da BR-135, Vila Maranhão

São Luís – BR-135, Km 16,2 do acesso (Avenida dos Portugueses), em frente à Liquegás.

FOTO: Imirante

De acordo com a PRF, todas as manifestações ocorrem sem interdição de rodovias e valem apenas para veículos de carga. Outros veículos estão liberados. As manifestações começaram na manhã de segunda-feira (21), em protesto contra o aumento do preço dos combustíveis.

Por causa das manifestações que ocorrem em todo o Brasil, já há registro de falta de combustível em várias partes do país. Na Região Metropolitana de São Luís, bem como no interior do Estado, vários postos já se encontram sem combustível. Nas cidades de Caxias, Bacabeira, Balsas e Imperatriz há falta de combustíveis em vários postos.

 

Imirante

Deputado Júnior Verde dialoga com famílias do Residencial Nova Esperança em busca de melhorias para a comunidade

Com o objetivo de continuar atendendo às reivindicações das famílias que vivem no Residencial Nova Esperança, o deputado Júnior Verde (PRB) conduziu reunião, na tarde desta quarta-feira (23), na Assembleia Legislativa, com representantes da própria comunidade, Secretarias de Direitos Humanos e de Infraestrutura, Funac e Cemar.

Desde 2015, a comunidade luta pela regularização da área onde vive.
No ano passado, graças ao intermédio do parlamentar, foi firmado um Termo de Acordo entre a Associação da Nova Esperança, o Governo do Estado e a Fundação da Criança e do Adolescente (FUNAC) – proprietária do local -, beneficiando 325 famílias com a garantia de um loteamento. Agora, os moradores pedem saneamento básico, energia elétrica e melhorias na infraestrutura.

– Nós fizemos a nossa parte. Cumprimos o acordo e o governo nos cedeu 7 hectares, mas também precisamos de água, luz e ruas trafegáveis para viver – disse Urubatan Castro, líder comunitário.

O deputado Júnior Verde explicou que continuará dialogando com o Executivo para dar os próximos passos e conseguir, finalmente, atender às necessidades da comunidade. “O que nós queremos é que estas famílias possam, o mais rápido possível, ter todos os seus direitos garantidos, inclusive os benefícios sociais inerentes à condição humana. Nós já demos um grande passo, que foi conseguir apaziguar o conflito e manter estas pessoas em suas residências. Tudo por meio de diálogos e discussões com os órgãos responsáveis”, acentuou.

Presentes na reunião, o secretário adjunto de Direitos Humanos, Jonathan Galvão; o diretor de Relações Institucionais da Cemar, José Jorge Soares, e o secretário adjunto de Projetos da Sinfra, Jorge Kusaba, que prestaram esclarecimentos sobre o andamento dos projetos que garantirão a chegada de iluminação pública e residencial, perfuração de poços artesianos e o asfaltamento de vias, de acordo com as reivindicações da comunidade.

– O Governo garantiu, após longos diálogos, o direito à moradia para mais de 300 famílias. Agora, continuamos a luta fazendo a interlocução, junto aos órgãos públicos estaduais e municipais, assim como da Cemar, uma empresa privada, para que os serviços públicos sejam entregues, justamente o que está sendo reivindicado. Por isso, é importante esse monitoramento periódico na comunidade – explicou Jonathan Galvão.

Já o diretor de Relações Institucionais da Cemar, José Jorge Soares, fez orientações à comunidade e alertou sobre os perigos das ligações clandestinas. “Já enviamos uma equipe técnica ao local e identificamos sérios riscos. Nossa orientação é que os moradores procurem a Prefeitura de Paço do Lumiar e se cadastrem para terem o direito ao desconto na tarifa de energia. Não há necessidade de ligações por conta própria. Isso pode gerar sérios riscos à vida”, alertou José Jorge.

E sobre a infraestrutura local, o secretário Jorge Kusaba disse que toda a parte de drenagem e pavimentação já está em desenvolvimento. “Nós já estamos bem adiantados quanto a isso e, em linhas gerais, podemos dizer que conseguiremos concluir até o mês de julho o projeto para que, em seguida, a licitação seja feita e o empreendimento implantado”, frisou.

Nesta sexta-feira, 25, apenas 50% da frota de ônibus vai circular em São Luís, afirma Sindicato

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET) informou que apenas 50% da frota de ônibus da capital vai circular nesta sexta-feira (25).

Sindicato das empresas informou que redução se dará por causa da crise no abastecimento de combustíveis

Segundo o SET, essa redução se dará por causa da crise no abastecimento de combustíveis que assola todo o país e já começou a afetar as empresas da cidade após a paralisação dos caminhoneiros em várias estradas do país, inclusive na BR-135.

Segundo a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que lidera as manifestações dos profissionais autônomos em todo o país, a greve só será suspensa com a publicação no Diário Oficial da decisão do governo de zerar a alíquota das contribuições PIS/Cofins e Cide para o diesel.

Depois de decidirem, nesta quarta-feira (23), manter a greve que obstrui estradas em ao menos 11 estados brasileiros, os caminhoneiros voltaram a se reunir com o governo do presidente Michel Temer (MDB) nesta quinta-feira, 24.

Nota do SET

Informamos aos usuários do sistema de transporte público de passageiros que, devido ao desabastecimento de combustível das empresas, será reduzida a frota de coletivos em até 50%, para garantir o atendimento mínimo na capital. Lamentamos os transtornos enfrentados pelo nossos usuários e estamos aguardando a normalização do fornecimento de combustível.

CAOS: Diesel e gasolina já começam a faltar em Postos de Combustíveis e gasolina de estoque pode chegar a R$ 4,99 no Maranhão

Boa parte do Maranhão pode amanhecer, nesta sexta-feira, 25, sem combustíveis, bem como as distribuidoras de gás sem botijões do GLP.
O alerta é do empresário João Rolim, proprietário da Rede Magnólia (maior revendedoras de combustíveis do estado) e presidente da junta governativa do Sindicato dos Distribuidores de Combustíveis (Sindcombustíveis).

De acordo com ele, nesta quinta-feira (24), as distribuidoras de todas as bandeiras suspenderam o fornecimento de gasolina, diesel e etanol por conta do bloqueio dos caminhoneiros das vias de acesso a elas e, com isso, os postos estão operando apenas com seus estoques, que podem findar, em alguns deles, ainda nesta quinta-feira, devido à corrida de proprietários de automóveis para abastecer seus veículos.

Ainda segundo João Rolim, alguns postos das cidades do interior já estão ficando com as tanques vazios, ou seja, podem suspender o atendimento ainda esta noite.

A situação é preocupante e o empresário espera que uma solução seja apresentada nas próximas horas, pois a tendência é um desabastecimento geral, criando um grande transtorno para a sociedade.

Ele disse que, além dos combustíveis de autos, a população pode ficar desabastecida também do gás de cozinha, já que os caminhões também estão sem poder fazer o transporte.

Diante da corrida aos postos, os preços nas bombas começaram a subir assustadoramente em São Luís, chegando em alguns lugares a R$ 4,59, produto que estava sendo adquirido até semana passada por R$ 3,79.
Já nesta quinta, alguns postos ainda estão conseguindo vender a gasolina a R$ 4,29. Em outros, o preço ainda é menos pior e mais abaixo do que os demais, podendo ser encontrado até por R$ 4,10.

Gasolina por R$ 4,99

Hoje à tarde, 24 de Maio, em uma conversa em grupo de WhatsApp, uma amiga minha – que trabalha em um Posto de Combustível, na Estrada de Ribamar -, alertou a todos os componentes do grupo, que, quem pudesse, era para abastecer os seus veículos o quanto antes, pois a gasolina já estava aumentando para R$ 4,99 e que os Postos correm um risco altíssimo de ficarem sem o produto.

– Já começou a falta do Diesel. Para a gasolina é um pulo (sic) – disse ela.

O empresário Antônio Hiluy Nicolau, dono da Rede Paloma, diz que, apesar da pressão sobre os preços, não concorda em aumentar os preços por conta da crise de abastecimentos. Ele disse que vai continuar operando com a mesma margem até acabar os estoques.

Falta de frutas e legumes

Além dos combustíveis, na Central de Abastecimento (Ceasa) há riscos de faltar frutas, verduras e legumes neste final de semana. Os comerciantes dizem que, infelizmente, os caminhões que transportam esses alimentos de outros estados estão retidos e podem ter a carga depreciada, por se tratar de produtos perecíveis.

Informações do site Maranhão Hoje – com alterações