Polícia Civil do Maranhão diz que governo Flávio Dino está enganando a população: “Pacto pela paz é eleitoreiro e fantasioso”

O Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão – Sinpol-MA repudia o desvio de finalidade que se tornou o programa “Pacto pela Paz”. Um release encaminhado para a imprensa informa a solenidade de posse dos Conselheiros Comunitários pela Paz de Timon, nesta sexta-feira, 18, com a presença do secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela, além de outras autoridades da pasta e do Poder Executivo Municipal.

O governo está enganando o cidadão

Sobre a série de ações do “Pacto Pela Paz” para reestruturação da Segurança, entre eles, a contratação de mais policiais, promoções, investimentos em formação profissional, tecnologia e infraestrutura, é preciso esclarecer que a frota da Polícia Civil permanece em sua maioria sucateada, as delegacias estão caindo aos pedaços, os equipamentos das unidades policiais são antigos, nomeações, de fato, ocorreram, com a farra dos capelães que ingressaram sem a via Constitucional do concurso público.

O governo não  investe na Polícia Judiciária, deixando-a sucateada, com péssima ou nenhuma estrutura, além da falta de efetivo. O Orçamento da Segurança Pública – a parte que cabe à Polícia Civil – não chega nem a 1% do orçamento total nessa área, entre outras penúrias tão exploradas pela direção sindical ao longo da atual gestão. O programa em “execução” não melhorou segurança no Maranhão.

Apesar de alardear os bons atos da polícia, realizados, aliás, por conta do profissionalismo de seus integrantes e nunca por conta de algum incentivo do Palácio dos Leões, o governador Flávio Dino não tem como ocultar a falta de valorização da Polícia Civil e a consequente desmotivação dos servidores da Segurança e, mais ainda, o sucateamento a que submeteu a Polícia Investigativa.

O trecho da matéria que diz “O diálogo com a população… é uma das vertentes do programa social…”chega a ser “debochado”.

Ora, um governo que exclui as entidades de classe do Conselho de Polícia Civil, não pode ser considerado um governo democrático. Democracia exige a participação de todos os setores envolvidos na política de defesa da sociedade. Mas o governo, que se diz progressista, não prioriza o diálogo com todas instituições representativas existentes no Estado.

Por fim, é importante fazer as seguintes indagações: o programa “Pacto pela Paz” é um projeto eleitoreiro, fantasioso, cujo único objetivo seria cooptar votos no interior do Estado? Afinal, para que serve o “Pacto pela Paz, se o ESTADO não faz por quem primeiro a promove?

Delegado enumera condições precárias das delegacias e trabalho análogo à de escravos a que a Polícia Civil está submetida no Maranhão

“A Polícia Civil está agonizando”. A opinião é do ex-secretário estadual de Administração Penitenciária, delegado Sebastião Uchoa.

A instituição no momento enfrenta inúmeros problemas, principalmente com a falta de efetivo policial, sucateamento das unidades e um quadro de acefalia. No interior do estado, a situação das delegacias é ainda mais degradante, com registro de constantes fugas e muitas desses postos policiais chegaram a ser interditados pelo Poder Judiciário no decorrer deste ano.

Forro da delegacia de Bacabal, após chuvas de Março

Segundo o delegado, a Associação dos Delegados da Polícia Civil (Adepol) solicitou ao Ministério Público do Trabalho no Maranhão, providências para acabar com a imposição do trabalho do policial análogo à condição de escravo.

Esse quadro agonizante da Polícia Civil, na opinião de Uchôa é decorrente de vários fatores. Um deles é a desmotivação imposta pela falta de perspectiva por parte do governo, que não tem apreço com a classe de policiais civis.

O exemplo disso foi a expulsão da Adepol de um prédio histórico, no Centro de São Luís, além de alterar o estatuto da Polícia Civil de modo unilateral sem a consulta prévia da categoria. “Devido às mudanças no estatuto, as entidades de classe foram excluídas do conselho de polícia”, explicou o delegado.

Sebastião Uchôa disse, ainda, que o último concurso para o ingresso de policiais, acabou ofertando um número ínfimo e, mesmo assim, até o momento não tem prazo para o início do curso de formação para os aprovados. No momento, as unidades policiais não têm um quadro mínimo de policiais para atender as atividades diárias, principalmente no tocante ao trabalho de investigação.

– Estamos vivendo em uma época que não temos policiais para cobrir as férias do colega de trabalho e quando há operações especiais é necessário juntar os poucos que tem de várias unidades – disse ele.

O delegado informou, também, que o sistema de informação, denominado de Sigo, não está operando 100%, em razão de falta de pagamento e isso dificulta o trabalho policial, principalmente no registro do boletim de ocorrência. Em relação à acefalia institucional, que segundo o profissional da segurança, denota-se a falta de maturidade de gestões como um todo, fruto de inobservância de rigorosos critérios técnicos para cargos de comando na estrutura da gestão policial civil do Maranhão. “A Polícia Civil não tem rumos próprios e o exemplo disso são as constantes mudanças na Delegacia Geral”, explicou o delegado.

Trabalho escravo

O delegado Marconi Chaves, que é presidente da Adepol-Ma, enviou um ofício ainda no mês de abril ao chefe do Ministério Público do Trabalho/16º Região, Maurel Mamede, denunciando e solicitando providências contra imposição de trabalho análogo à condição escravo.

Ainda segundo a denúncia feita pela Adepol-Ma, atualmente a jornada de trabalho da polícia é excessiva, com plantões de 72 horas ininterruptas e sem retribuição financeira, principalmente no interior do estado, com acúmulo de atribuições.

Situação precária

Na opinião do delegado, a situação é precária nas delegacias do interior. As ocorrências de roubo, fuga e até interdição dessas unidades são frequentes. No último dia 13, por exemplo, bandidos invadiram a delegacia de Polícia Civil de Pirapemas e roubaram uma submetralhadora, coletes balísticos e uma caixa com dinheiro, arrecado de taxas de licenciamento. Uma incursão feita na localidade os policiais conseguiram recuperar a arma de fogo.

Na noite do dia 25 do mês passado, a polícia registrou a tentativa de fuga de mais de 20 internos da delegacia de Polícia Civil de Centro Novo. O delegado Jader Alves, regional de Zé Doca, informou que os presos, revoltados com a superlotação, serraram as grades da cela, mas foram surpreendidos quando se preparavam para fugir. Os funcionários da delegacia pediram reforço policial que conteve os revoltados. No dia seguinte, oito apenados foram transferidos para um dos distritos policiais do município de Zé Doca.

Também no dia 15 desse mês, o preso Francisco da Silva, o Tico, foi resgatado da delegacia de Centro Novo e encontrado morto na rodovia MA-106, que liga a cidade de Governador Nunes Freire a Pinheiro. No momento do resgate, segundo a polícia, havia mais de 10 apenados, mas apenas Francisco da Silva foi resgatado.

Ainda em abril ocorreu a interdição da Central de Flagrante de Timon, determinada pelo Poder Judiciário. Essa interdição foi fruto de uma ação civil pública impetrada pelo promotor de Justiça, Fernando Antônio Aragão e acatada pelo Poder Judiciário.

Já no dia 5 de fevereiro deste ano, a juíza Sheila Silva Cunha, de Parnarama, determinou a interdição da delegacia de Polícia Civil da cidade e que o Estado disponibilizasse agentes penitenciários para a custódia dos presos do município. O órgão requereu uma liminar alegando a inércia estatal e a deterioração das condições da
carceragem da cidade durante anos.

No dia 12 de janeiro deste ano, 16 presos conseguiram fugir da delegacia de Polícia Civil da cidade de Mirinzal. Dos 18 detentos que estavam na carceragem, apenas dois não fugiram. Um dos fugitivos furtou a bicicleta do carcereiro de plantão, nome não revelado.

Nota do Governo

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA) informou que deste o início da atual gestão vem adotando um plano emergencial para recuperação das estruturas dos prédios das delegacias de Polícia Civil. Desde 2015 foram entregues 28 novos prédios de segurança pública da Polícia Civil, que foram reformados ou construídos.

No momento, 40 novos prédios estão em reforma. Sobre o efetivo policial, a SSP esclarece que haverá um reforço nas equipes após o resultado do último concurso da Polícia Civil, realizado em janeiro. Para este ano estão previstos investimentos de mais de R$ 11 milhões em readequação de espaços da Segurança Pública.

Deputado Júnior Verde visita 16ª edição da AGROBALSAS – maior feira do setor do Agronegócio do Maranhão

O deputado estadual Júnior Verde (PRB) marcou presença na abertura da 16ª edição da AGROBALSAS, aberta na última terça-feira, 15, na Fazenda Sol Nascente, em Balsas, Sul do Estado. Com o tema Agricultura Sustentável na Era Digital, o evento é a maior feira do setor do Agronegócio do Maranhão. O 16° ano da feita vai até sábado, (19).

A solenidade de abertura contou com a presença do Governador Flávio Dino e diversos líderes políticos. A feira contempla expositores do setor de tecnologias em máquinas atomizadas e implementos agrícolas; dias de campo; atrações culturais; festivais; vitrines vivas; além da exposição de animais.

– A Agrobalsas é um evento de extrema importância para o setor produtivo e hoje representa todo o estado do Maranhão – reconheceu Júnior Verde, que na ocasião, representou o deputado federal Cleber Verde e recebeu uma homenagem pela atuação do parlamentar na região.

A previsão é que a feira receba cerca de 75 mil visitantes, público formado por produtores rurais, agricultores, agrônomos, pecuaristas e todos que fazem parte do agronegócio brasileiro e internacional. Mais de 400 marcas estão em exposição e os negócios realizados devem chegar a R$ 500 milhões.

– Trata-se de uma grande vitrine, que está consolidada como geradora de desenvolvimento para o Sul do Maranhão. Sem falar que leva para os produtores, os estudantes, a sociedade novas e importantes tecnologias – concluiu o deputado.

Ministério Público representa contra Flávio Dino por propaganda eleitoral antecipada

O governador Flávio Dino (PCdoB), pré-candidato à reeleição, foi alvo de uma representação do Ministério Público Eleitoral junto ao Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE/MA). O motivo, segundo o próprio MP, foi “por supostamente ter realizado propaganda eleitoral antes do prazo de 16 de agosto, estabelecido no artigo 2º da Resolução TSE nº 23.551/2017”.

Governador é pré-candidato à reeleição e estava em um evento do Partido Solidariedade (SD), em um hotel em São Luís

Na ocasião, o governador estava em um evento do Partido Solidariedade (SD), no Rio Poty Hotel, em São Luís, no dia 12 de maio, quando teria realizado propaganda eleitoral antecipada, segundo o Ministério Público Eleitoral. O evento, segundo o MP, foi transmitido ao vivo em rede social do próprio governador. A representação foi feita pelo procurador Pedro Henrique Castelo Branco.

Na representação, o MP explica que ao falar da presença da pré-candidata Helena Maria Duailibe Ferreira no local, ela foi aplaudida, quando o governador comentou: “Espero que todos vocês transformem isso em voto, viu? Claro que não só pra Helena… Vocês lembrem do cristão que tá aqui, também. Do Aldo e de todo mundo”, disse Flávio Dino na transmissão.

O governador Flávio Dino, ao lado da pré-candidata à deputada estadual, Helena Duallibe

Este trecho do discurso do governador Flávio Dino, para o MP, “pode configurar propaganda eleitoral antecipada, com explícito pedido de voto em benefício próprio, bem como em favor dos pré-candidatos Helena Maria Duailibe Ferreira e José Aldo Rebelo Figueiredo”.

Manifestação de professores também em São José de Ribamar

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma), núcleo de São José de Ribamar, realizou na última quinta-feira (10), uma paralisação de advertência e um ato público em defesa dos direitos dos trabalhadores em educação da rede de ensino do município.

Sinproesemma de São José de Ribamar faz manifestação cobrando reajuste salarial e outros direitos

Os educadores de Ribamar cobram do prefeito Luís Fernando Silva o pagamento de 95 progressões de 2017, com o percentual de 13% que representa o interstício de a cada quatro anos de tempo de serviço; o pagamento de 47 promoções, regularização da merenda escolar, reforma nas escolas e o pagamento do reajuste do piso de 2018, de 6,81%, retroativo a 1º de janeiro.

– Desde o mês de janeiro estamos tentando uma negociação através de várias reuniões com a Secretaria de Educação do município, com pauta sobre o reajuste de 6,81%, promoções, progressões, difícil acesso e outros. Mas, sem nenhum êxito. Tentamos também sensibilizar os vereadores do município solicitando que fizessem interlocução junto ao poder executivo para que as demandas dos educadores fossem atendidas, mas também não tivemos nenhuma resposta. Todas as reuniões que tivemos de janeiro para cá não garantiram nosso reajuste e nem os outros direitos pleiteados – disse Ilza Almeida, coordenadora do núcleo do Sinproesemma de Ribamar.

Após concentração na Praça do Cruzeiro, com o forte protesto dos professores diante da intransigência do prefeito, os educadores, acompanhados por estudantes, saíram em caminhada com paradas em frente a Secretaria Municipal de Educação, Câmara dos Vereadores, Fórum da Justiça, finalizando na sede da prefeitura, onde foram recebidos pelo prefeito Luís Fernando.

– Sabemos que os valores do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) que entraram nos cofres da prefeitura, nesse trimestre, são suficientes para garantir os direitos dos trabalhadores em educação. Por isso, paramos, para unirmos nossas forças e cobrar nossos direitos ao prefeito – destacou Ilza Almeida.

Em reunião com os educadores, Luís Fernando se comprometeu em apresentar propostas à categoria. “Iremos apresentar quatro propostas para a categoria, pois queremos garantir os direitos dos professores e dos mais de 23 mil alunos da rede”, disse o prefeito que, diante da manifestação dos professores, decidiu antecipar para esta sexta-feira (11), a reunião com os educadores, que estava prevista para o dia 18 deste mês.

Informações do Sinproesemma

Sob o brado “Flávio Dino, pode esperar, a tua hora vai chegar”, professores estaduais protestam na Assembleia Legislativa do Maranhão

FOTO: G1 Maranhão

Professores da rede pública estadual protestaram ontem, quarta-feira (16), insatisfeitos com a medida provisória que determina mudanças na forma de pagamento do reajuste anual dos salários, que antes era feito no início do ano. A discussão polêmica movimentou corredores, plenário e galeria da Assembleia Legislativa do Maranhão.

A medida provisória, que tem força de lei, foi editada pelo Governo do Estado no fim de fevereiro. No ponto de vista da categoria, fere o estatuto do magistério, que é a legislação que rege a atividade.

– Ela viola o artigo 32 do estatuto do magistério, que estabelece que os professores devem ter um reajuste no mês de janeiro, de acordo com o reajuste do piso salarial nacional, que este ano foi de 6,81% – afirmou Marcelo Pinto, diretor jurídico da Associação dos Profissionais em Educação.

A Associação dos Profissionais da Educação do Maranhão também alegou que a medida é sinônimo de perdas salariais.

– Primeiro ela altera a estrutura da tabela de vencimentos do estatuto do magistério. Isso implica na redução dos vencimentos dos professores de nível 3 a partir de 1º de junho. Além da perda financeira que, para o professor de carreira de 570 reais, para quem trabalha 20 horas, 40 horas vai para mais de 1000 horas mês, essa regra passa a reger a carreira do magistério a partir de então – declarou Antonízio Furtado, coordenador da Associação dos Profissionais em Educação.

Na tentativa de derrubar a medida provisória, os deputados César Pires (PV) e Eduardo Braide (PMN) defenderam duas propostas de emendas na tribuna.

– O justo seria dar 10% a partir de janeiro para todo mundo. No caso dos que já estão em maio, retroagir e pagar o retroativo e, igualitariamente, independentemente do nível que o professor se encontra – disse o deputado César Pires (PV).

Durante a votação, as emendas foram rejeitadas pela maioria governista da casa e a medida provisória foi aprovada na íntegra. A rejeição das emendas aumentou a insatisfação dos professores. A categoria está recebendo o apoio de deputados que fazem oposição ao governo para buscar, na justiça, o cumprimento à risca do estatuto do magistério.
 SEDUC 

Acreditando que terá uma vaga majoritária, PT no Maranhão decide apoiar Flávio Dino em projeto de reeleição

Eu fico me perguntando até quando Flávio Dino vai ficar levando tanto candidato ao Senado em banho-maria.

Fingiu ao apresentar a insossa deputada federal Eliziane Gama, como sua candidata ao Senado.
Ao fazer isso, rompeu automaticamente com seu “fazedor” político Zé Reinaldo e Waldir Maranhão, a quem ludibriou quando pediu que este lhe “quebrasse um galho” em votação contra o Impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Zé Reinaldo e Waldir Maranhão, hoje, consideram o comunista e governador do Maranhão como o mair traidor, perdendo apenas para Judas, que traiu o Mestre Jesus.

Aí vem o duvidoso PT-MA, que, em Nota, oficializou até apoiar o projeto de reeleição do governador, mas quer uma vaguinha majoritária, ou seja, Senado ou Vice-Governadoria. Tá bom ou tá mole?

Eu costumo sempre dizer, em conversas, que não entendo mais como o PT no Maranhão ainda existe.
Já o acompanhei “de perto” e hoje o assisto de longe, mas eu nunca vi um partido onde tem tantos interesses incomuns dentro de uma legenda. Eu nunca vi um partido onde cada um puxa para a sua “sardinha”. Onde tem tanta briga, tanto desafeto, tanto interesse egoísta e não de unidade por um bem maior, como, acredito, pede a sua ideologia.

Em minha humilde análise, o PT no Maranhão nada mais serve do que para preencher buracos, para ser usado como escada e, em troca disso, um emprego em algum gabinete de deputado ou um emprego no governo. Nada de muita visibilidade.

Olha só ao que esse partido se resumiu aqui no estado. Olha só o seu achatamento, culpa de uma meia dúzia de militantes que se vende em troca de um “emprego”.

Enfim, eu não acredito que Flávio Dino, conhecendo mais profundamente os pedaços em que o Partido dos Trabalhadores se encontra, vá ceder a esse disparate, como condição de apoio, de seus membros.

Nota da Militância do PT do Maranhão

Foto de arquivo

Em reunião realizada no dia de 15 de maio de 2018, na sede do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, em Brasília, com a presença da Presidente Nacional do PT, Gleisi Hoffmann, do Secretário Institucional do PT, Deputado Federal (PT/CE) José Guimarães, dos presidentes do Diretório Estadual e da Capital, Augusto Lobato e Honorato Fernandes, dos membros do Diretório Nacional, Márcio Jardim e Raimundo Monteiro e dos Deputados Estadual e Federal José Inácio e Zé Carlos, encaminham, de comum acordo, as seguintes orientações políticas ao conjunto da militância do Partido dos Trabalhadores no Maranhão:

1. Organização imediata da campanha à presidência, do companheiro Lula no Maranhão. Lula livre, Lula Inocente, Lula Presidente;

2. O Partido dos Trabalhadores no Maranhão, definirá sua tática eleitoral, diretamente vinculada a estratégia nacional de eleição do presidente Lula com objetivo de ampliação de suas bancadas parlamentares em nível estadual e federal;

3. Reafirma a aliança política para garantir a reeleição do governador Flávio Dino;

4. A Direção Nacional e Estadual do PT, de forma conjunta, viabilizará diálogos com o PCdoB e o governador Flávio Dino, para construir de comum acordo a participação do PT na chapa majoritária (Senado ou Vice) liderada pelo Governador Flávio Dino.

Senadora Gleisi Hoffmann
Presidenta Nacional do Partido dos Trabalhadores

Deputado Federal José Guimarães PT/CE
Secretário Institucional do PT – DN

Augusto Lobato
Presidente Estadual do PT

Vereador Honorato Fernandes
Presidente do PT – São Luís / MA

Deputado Federal José Carlos

Raimundo Monteiro
Membro do Diretório Nacional do PT / MA

Márcio Jardim
Membro do Diretório Nacional do PT / MA

Deputado Estadual José Inácio

Quem é a empresa G5 Logística que opera no Porto do Itaqui e enquanto descumpre direitos de seus funcionários, apoiava, por fora, projetos sociais de ONG

Existe um termo no jornalismo chamado SUITE, ou seja, continuidade, sequência da matéria de uma notícia anterior.

A matéria aqui no meu blog, que vai ter alguns desdobramentos e questionamentos, é em continuidade a uma matéria/denúncia do blog Luís Cardoso, onde o profissional da comunicação denuncia a empresa G5 Logística – que opera no Porto do Itaqui – de aplicar golpe em trabalhadores, tendo como consequência disso a paralisação de alguns serviços no local.

De acordo com informações na própria página da empresa G5 Logística, ela é uma empresa que realiza serviços de operação portuária, logística e transporte rodoviário de cargas. Faz, ainda, consultoria técnica na estruturação de projetos logísticos e engenharia, construção civil, gerenciamento de obras.

– Seus profissionais são oriundos de grandes empresas como Grupo Votorantim, Ford, Eldorado Celulose, Vale, White Martins, Philips, Ambev, CSN, Yara Fertilizantes, entre outras -, diz o site da empresa.

Mas então, qual é a denúncia dessa tão grande empresa que, na teoria, parece trabalhar pela qualidade de seus profissionais e clientes?

De acordo com a denúncia do colega Luís Cardoso, os trabalhadores maranhenses que trabalham na G5 alegam que a empresa suprimiu direitos da categoria e, por isso, estão exigindo que o acordo registrado em reunião seja respeitado para que eles possam retornar ao trabalho.Desde que paralisaram as atividades, o movimento simplesmente não acontece. Nada entra ou sai do Porto, acumulando sérios prejuízos para o Estado.

A Operadora parece não temer a justiça e continua a fazer o que quer. Mesmo com um acordo realizado em reunião com o Sindicato, registrado em ata, a G5 retirou dos trabalhadores o direito a ticket alimentação, o vale transporte, plano de saúde e não quer negociar.

Ainda segundo a denúncia, a operadora G5 Logística, que hoje manda e desmanda no Porto, é subordinada da gigante Suzano Celulose, que controla praticamente toda a operação portuária no Itaqui e com o apoio da EMAP.

Uma pergunta que não quer calar?

Por que o governo Flávio Dino – ligado diretamente ao Porto do Itaqui – não colocou nenhuma nota, por meio de sua impressa marrom ou do site do próprio Porto, para deixar a população ciente de que trabalhadores paralisaram alguns trabalhos no Porto do Itaqui?

Trabalhadores de braços cruzados FOTO: Blog Luís Cardoso

Retirada de patrocínios

A relação da oculta empresa G5 Logística parece não ser duvidosa apenas com os seus trabalhadores.

A tal empresa portuária realmente possui algo esquisito, pois quem são os seus donos?
Por que a empresa fazia questão de patrocinar projetos no Maranhão, a exemplo do Instituto Cidadania Ativa, realizado no bairro da Vila Luizão e adjacências – com a comunidade carente? Patrocinou até livro do presidente do Instituto acima citado e, do nada, pararam tudo? Sem nenhuma conversa ou justificativa prévia?

Existe alguma relação do privado com o público nessa relação? Qual era a relação (no oculto) que a empresa portuária tinha com o presidente do Instituto Cidadania Ativa, Mauricio Miguel?

Ao invés de investir nos seus funcionários com valorização, capacitação e condições dignas de trabalho, qual era o interesse de apoiar e patrocinar projetos de ONG, que já realizava suados trabalhos comunitários por diversos bairros de São Luís? Por que a G5 Logística migrou com grande interesse para os trabalhos comunitários realizados por Maurício Miguel, no lugar de apoiar ações sociais na sua própria empresa?

Que empresa é essa e qual o seu interesse aqui no Maranhão?

Contato

Liguei para o Porto do Itaqui para obter informações à respeito da empresa, onde, após me passarem para diversos ramais, me mandaram preencher um formulários de solicitação de informações, no site do Porto do Itaqui e, que, em tempo hábil me responderiam.

Quanta burocracia!

Imagem do Dia: Corpo do ex-senador Epitácio Cafeteira chega em São Luís para ser velado na Assembleia Legislativa

Ex-prefeito de São Luís, ex-deputado federal, ex-governador do Maranhão e ex-senador, Epitácio Cafeteira, um dos políticos de maior expressão no estado, morreu neste domingo, 13, em Brasília, onde morava.

Na tarde de hoje, 14, o corpo do ex-político chegou em São Luís e seguiu rumo à Assembleia Legislativa, local onde vai ser velado por toda a noite!

 

Em tempo

Em nota, a família do ex-governador informou que ele estava debilitado e sua saúde inspirava cuidados, mas não divulgou as causas da morte.
Cafeteira deixa esposa, uma filha e netos!

De Flávio Dino à José Sarney: Morte de Cafeteira gera comoção entre lideranças políticas do estado

O relógio anunciava 6h57 PM, do dia 13 de Maio de 2018, quando o sobrinho e deputado estadual, no Maranhão, Rogério Cafeteira, lamentava a morte do grande político maranhense, Epitácio Cafeteira. Rogério publicou a notícia em rede social, onde, a postagem, foi seguida de mensagens de condolências e conforto.

“É com uma profunda dor no coração que, nesse momento muito triste, comunico a todos os amigos o falecimento, há pouco em Brasília, o meu tio, ex-senador e ex-governador, Epitácio Cafeteira. Estamos todos muito consternados”, publicou o deputado.

De O Imparcial – com alterações

Cafeteira morreu ontem, aos 93 anos. Ele encontrava-se enfermo e inspirava cuidados, em UTI residencial, decorridos de seu delicado estado de saúde

Epitácio Cafeteira deixou seu nome cravado na política maranhense.
Chegou no Maranhão ainda pequeno, vindo da capital paraibana, João Pessoa, onde iria constituir familiar e fazer história no imaginário político.

Passou pelos cargos mais relevantes da política. Foi prefeito de São Luís (1965-1969). Por três vezes exerceu mandato na Câmara Federal (1975-1987), ainda no ano de 1987 foi governador do Maranhão (1987-1990) e ainda teve dois mandatos como Senador da República (1991-1999 e 2007-2015).

A relevância política de Cafeteira também pode ser medida pela repercussão que sua morte causou entre lideranças políticas no Maranhão.
Do governador Flávio Dino (PCdoB) ao ex-presidente José Sarney (MDB), políticos e autoridades emitiram nota de pesar pela morte do ex-governador e ex-senador Cafeteira.

Governador Flávio Dino

Ainda na noite de ontem, o governador do Maranhão, lamentou a morte de Cafeteira através das redes sociais. “Meu abraço solidário para toda a família, especialmente ao líder do nosso governo na Assembleia, deputado Rogério Cafeteira. Decretei luto oficial no Estado e as devidas honras ao ex-governador”, disse em um tweet.

Ex-presidente e ex-senador José Sarney

O ex-presidente e ex-senador José Sarney está em Nova York onde acompanha a sua esposa, Marly Sarney, para tratamento de saúde. Sarney relembrou, em nota, a relação que manteve com o Cafeteira. “Começamos juntos em 62, depois tivemos desencontros, mas em seguida retomamos essa amizade, que só cresceu e se fortaleceu com o tempo, e juntamos esforços em benefício do Maranhão quando estive na Presidência da República e no Senado Federal”, relembrou na nota.

Sarney ainda lamentou a morte do amigo e se solidarizou com a família do ex-governador. “Recebi comovido, aqui em Nova York, onde me encontro, a notícia da sua morte e o meu pensamento logo elevou-se a Deus, rogando para que o acolha em sua companhia e pedindo que console sua dedicada esposa Dona Isabel, que lhe ofereceu tanto amor, apoio e carinho nos seus momentos de sofrimento, assim como a filha Janaína e todos os seus familiares, aos quais envio o meu abraço pesaroso.”, lamentou.

Edivaldo Holanda Junior e prefeitura de São Luís

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr (PDT), lamentou, em nota oficial, a morte do ex-governador. Relembrou a trajetória política de Epitácio Cafeteira e também demonstrou profundo pesar aos seus familiares e amigos. “O prefeito Edivaldo Holanda Junior lamenta a morte do ex-governador e manifesta o seu mais profundo pesar e solidariedade à esposa, filhos e demais familiares, amigos e admiradores, pedindo que Deus conforte a todos neste momento de perda e de dor”, disse em nota.

Ex-governadora Roseana Sarney

Quem também lamentou a perda de Cafeteira foi a ex-governadora Roseana Sarney (MDB). A filha de Sarney lembrou a reaproximação política que ocorreu nos últimos anos com Cafeteira.

“Cafeteira era uma grande liderança popular do nosso Estado, onde ocupou um lugar de destaque na política maranhense. Nos últimos anos estivemos estreitamente ligados, em favor das causas do Maranhão e do Brasil.

Neste momento triste, quero enviar o meu abraço a Isabel, a quem muito admiro por sua dedicação e grande carinho devotados ao esposo e a Janaína, minha amiga e colaboradora, sua filha querida, bom como todos os demais membros da família”, disse Roseana Sarney em nota.

Vice-governador Carlos Brandão

O vice-governador Carlos Brandão (PRB) utilizou as redes sociais para lamentar a morte do ex-governador Epitácio Cafeteira. “Solidarizo-me com a família do ex-senador e ex-governador de nosso estado, Epitácio Cafeteira, pela dor de sua perda. Que todos que o amaram e o respeitaram recebam o meu fraterno abraço!”, disse Brandão em sua página do Twitter.

Senador Roberto Rocha

O senador Roberto Rocha (PSDB) também fez uso da Internet para relembrar a trajetória política de Cafeteira e lamentar sua morte. “Cafeteira exerceu todos os cargos relevantes da política maranhense, deixando a lembrança de uma personalidade marcante, a inteligência vivaz, temperada por uma verve singular que marcou seu convívio com todos. Que Deus conforte sua esposa Isabel, a filha Janaína e familiares”, escreveu Rocha.

Senador Edison Lobão

O senador Edison Lobão (MDB) emitiu nota de pesar ao falecimento do ex-senador e ex-governador Epitácio Cafeteira. “Cafeteira foi um grande político, um líder popular de forte prestígio e uma pessoa admirável. (…) Tive o privilégio de sua amizade e de sua convivência, principalmente nos últimos anos, quando juntos integramos a bancada maranhense no Senado Federal”, disse Lobão. O senador maranhense transmitiu, ainda, solidariedade a esposa Isabel Cafeteira e a sua filha Janaína.

Senador João Alberto de Souza

O presidente estadual do MDB e vice-presidente do Senado Federal, João Alberto, expressou seu pesar em nota e lembrou de Cafeteira como um grande aliado político.

“Neste momento de pesar, o MDB expressa o sentimento da classe política pela perda de uma das mais importantes lideranças políticas do Maranhão. Cafeteira foi sempre um aliado nosso, um aliado valoroso, um homem de visão e de posições firmes. Vai-se com ele um pedaço da história do nosso estado”, falou João Alberto.

Promotora de Justiça Lítia Cavalcanti

Em interação no Twitter com o deputado estadual Rogério Cafeteira (DEM-MA), a promotora Lítia Cavalcanti relembrou a relação de amizade que Cafeteira mantinha com seu pai. “Meus sinceros pêsames.Compartilhamos desse momento com sua família, pois ele foi um grande amigo para todos nós, especialmente para meu pai”, compartilhou Lítia.

Secretário Felipe Camarão

O secretário de educação Felipe Camarão (DEM-MA) também relembrou a aproximação familiar e de amizade que mantinha com a família Cafeteira. “Meus sentimentos à família Cafeteira. Minha família tem carinho demais por vocês e lamentamos muito a perda do ex-governador Epitácio, de quem meu pai foi auxiliar (presidente do IPEM). Que Deus esteja com vocês”, disse em sua página do Twitter.

Ex-secretário e ex-deputado Joaquim Haickel

O ex-deputado Joaquim Haickel transmitiu mensagem ao deputado Rogério Cafeteira (DEM-MA) e à toda família. “Amigo Rogério Cafeteira, transmita a dona Maria Isabel, Janaína e a todas as pessoas de sua família a solidariedade da família Haickel neste momento de perda e dor. Cafeteira foi grande amigo de meu pai num momento difícil de sua vida e terá nosso eterno respeito e gratidão”, lamentou Haickel.

Em tempo

Morreu neste domingo (13), o ex-governador do Maranhão, Epitacio Cafeteira. Ele ocupou até 2015, o cargo de senador, ocupação está que desenvolveu por duas oportunidades.

Cafeteira foi aliado de Sarney e também foi opositor ao disputar, contra Roseana Sarney, o Governo do Maranhão por duas oportunidades, votando a aliar-se com a família em 2006, quando venceu o Senado Federal ao lado da ex-governadora.

Cafeteira tinha 93 anos, encontrava-se enfermo e inspirava cuidados, em UTI residencial, decorridos de seu delicado estado de saúde.

A morte do ex-político maranhense foi confirmada por seu sobrinho Rogério Cafeteira, deputado estadual, que noticiou por sua página em rede social, Twitter.