Ato público em favor do secretário de Saúde Carlos Lula ; quem vai pagar essa conta no Hotel?

Ontem recebi a seguinte mensagem no celular:
“Rapaz, esse povo tá (sic) pra ficar louco com esse Ato em favor de Carlos Lula.
Ninguém quer Lula, coitado. Tá sendo enxotado de tudo que é lugar, que nem ….” (sic)

Após ser vetado em dois locais, o Ato em apoio ao secretário Carlos Lula, vai acontecer em um espaço privado de São Luís

Não seria preciso eu terminar de escrever a mensagem que recebi. Deu para ter uma noção do final dela.
Enfim!

A mensagem (que me abriu ideia para escrever esta matéria) diz respeito ao Ato que, desde a semana passada, pessoas (??) em solidariedade ao secretário de saúde, Carlos Lula, querem fazer nesta segunda-feira, 23, a fim de apoiá-lo e desmistificar uma suposta onda de investigação que inclui o secretário de saúde, após o mesmo ser citado pelo ex-médico Mariano de Castro, sobre o caso de corrupção na Saúde do Maranhão. Esquema este, que já foi revelado e que começou desde o ex-secretário Marcos Pacheco, que, inclusive, foi exonerado do cargo exatamente por desvios do dinheiro público.

O mais cômico é que, é esse mesmo Marcos Pacheco, exonerado e ex-secretário, que está encabeçando o Ato em apoio ao colega.
Lula nega tais acusações e, talvez, seja por isso que o ex-secretário tenha tomado tal iniciativa por saber que, realmente, o “bolo” caiu no colo de Carlos Lula, de graça.

O Ato quer passar a impressão para as pessoas de que Carlos Lula está sendo perseguido pela Polícia Federal, Ministério Público Federal (MPF) e Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), como ele mesmo já disse isso em entrevista, ao vivo.

A verdade é que, como dizia na mensagem que recebi, “ninguém quer Carlos Lula”

E, ao que parece, não querem mesmo.

Primeiro saiu a informação de que o Ato aconteceria (hoje) na sede do Conselho Regional de Medicina – CRM. Horas depois o Presidente da Associação dos Médicos do Socorrão I e II, Érico Cantanhede, publicou em sua rede social que não concordava com o Ato em apoio ao secretário, visto que, segundo ele, “há uma insatisfação de uma maioria esmagadora da minha categoria, haja visto o grau de insatisfação e reclamações nas mídias sociais após a divulgação desse “ato de apoio” não só pelas denúncias envolvendo a pasta da saúde, que devem ser exaustivamente investigadas para que se tenha seu amplo direito de defesa que é reservado para todos sob a luz constitucional brasileira”.

Após esse fora dado pelo médico e Presidente, o jeito foi “rebocar” a agenda para um espaço na OAB/MA, ainda para a mesma data, 23.

Só que a Diretoria da Seccional Maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também vetou o uso da estrutura da instituição para o Ato. Ou seja, nos dois locais programados e divulgados para o evento, médicos e advogados se revoltaram e protestaram em redes sociais e rodas de conversas. Afinal, o que uma atividade política dessa natureza tem a ver com esses locais?

Sendo duplamente despachado, o jeito foi procurar um local privado para a realização do Ato político, o qual já está marcado para acontecer no Gran Hotel São Luís, hoje, a partir das 18h30.

A pergunta que fica é: – quem é mesmo que vai pagar essa conta?
Não vou nem dizer a minha suposição.

Enfim!

Qual é a sua opnião sobre essa matéria?