La Casa de Papel: Seriado mais assistido dos últimos tempo terá 3° parte em 2019

La Casa de Papel já é a ficção de língua não inglesa mais vista na história da plataforma

Hoje, quinta-feira (18), um evento para apresentar as novas ficções da Netflix foi realizado em Roma. Sob o nome “Veja o que vem a seguir”, a gigante do audiovisual reuniu vários jornalistas para apresentar o que está por vir na plataforma.

O anúncio foi feito por Eric Barmack, responsável por séries internacionais da empresa, em Roma, na Itália. Para o público mais amplo, a novidade foi informada ontem, 18, em um vídeo gravado por quatro atores e publicado nas redes sociais da gigante. “Queremos saber se vocês querem se unir à resistência, porque o maior assalto da história ainda não terminou”, disseram eles – Rio, Nairobi e Denver e Professor.

Apesar do informe, a data de lançamento da sequência ainda não foi confirmada.

“La Casa de Papel” é uma produção original da Atresmedia e Vancouver Media para a Antena 3, mas chegou à Netflix em dezembro de 2017 e se transformou em sucesso internacional. Segundo relatório recente dirigido aos investidores, a série criada por Álex Pina já é a ficção de língua não inglesa mais vista na história da plataforma.

 

Berlim (Pedro Alonso) e Monica (Esther Acebo) continuarão na terceira temporada de ‘La casa de papel’ 

A casa de papel” voltará no ano que vem à Netflix, como confirmado pela plataforma nesta manhã. Vancouver continuará encarregada da produção da série que trará um novo golpe nas mãos do professor e de sua banda.

A grande questão que cerca os fãs de ficção é se essa banda será composta dos mesmos assaltantes ou não. Alguns já são confirmados após a publicação da foto oficial dos novos episódios. São eles: Rio (Miguel Herran), Professor (Álvaro Morte), Nairobi (Alba Flores), Tóquio (Ursula Corberó) e Denver (Jaime Lorente ).

Bem, embora parecia impossível, Berlim (Pedro Alonso) continuará também na ficção. Além disso, os mesmos relatórios de mídia dão conta de que ele e Monica (Esther Acebo) farão parte do novo assalto.

Com débitos que somam mais de 200 mil reais, prédio da Prefeitura de Chapadinha tem luz cortada

Prédio onde funciona a Prefeitura de Chapadinha e algumas secretarias

A fachada desse prédio é bem conhecida por mim e eu nunca duvidaria que essas fotos que recebi, são realmente do prédio onde funciona a sede da Prefeitura de Chapadinha, município maranhense.

Digo que a imagem é conhecida porque de uma vez que fui à cidade – para conhecer – nunca mais quis deixar de visitá-la, por dias, semanas e semanas.
Ô Chapadinha de histórias!

Histórias políticas também, como essa, a de que, com total clareza de ausência de uma gestão eficaz e responsável, o prédio da Prefeitura teve a energia cortada pela CEMAR, onde funcionam algumas secretarias, bem como o Mercado Central e a Rodoviária. Tudo por causa do débito de mais de Duzentos Mil Reais. Governo Bom Demais do prefeito Magno Bacelar!

Agora fica o questionamento: se estão cortando a energia da prefeitura, que é algo totalmente indispensável para os trabalhos municipais serem realizados, imagine “a preocupação” para o andamento dos outros trabalhos ou atributos mais burocráticos.

Uma queimação ao governo totalmente sem necessidade!

VIP LEILÕES: A casa da moeda maranhense

Os veículos que o governo Flávio Dino toma dos proprietários são jogados na VIP Leilões como latas velhas

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) já vem denunciando a ação governamental abusiva, autoritária e ditatorial de Flávio Dino (PCdoB) há muito tempo, desde quando pais de família e proprietários de veículos começaram a ser,  escancaradamente, lesados com a apreensão de seus carros e motos. Uma clara ação, mais do que desesperadora, de arrecadar dinheiro para encher os cofres públicos do Estado, afinal, o ano da eleição chegou e transformar a Vip Leilões em Casa da Moeda Maranhense não é um presente, é uma ordem!
Há toda uma partilha do dinheiro arrecadado da forma mais fácil possível.
E qual é a forma mais fácil de “ganhar” dinheiro? Deixo a resposta com o leitor (risos – de nervosa)

Para o deputado Wellington, que conversa diretamente com a população, o Governador do Maranhão não apenas apreende carros e motos, mas, sim, apreende verdadeiros instrumentos de trabalho.

Posso dar um claríssimo exemplo de uma atitude completamente abusiva.

Ontem, 16, ao estacionar o carro próximo ao seu local de trabalho, local onde trabalha há 3 anos – mesmo período em que estaciona o carro no mesmo lugar -, a minha prima teve o seu veículo rebocado com tamanho abuso e agressividade por parte dos “mandados” do governo.

Não, não os chamo de profissionais, porque pessoas que se submetem a um trabalho opressor e, ainda por cima, se tornam como o seu próprio mandante, não podem ser chamados, por mim, de “estou fazendo o meu trabalho”.

A atitude ditatorial foi clara no sentido de apenas fazer mais uma vítima das milhões de pessoas que estão sendo lesadas sem que algum órgão fiscalizador tome à frente disso.

Ao voltar do almoço, minha prima que, como citei acima, estaciona o seu carro no mesmo local, há 3 anos, em uma rua lateral à empresa em que trabalha, sentiu-se impotente ao ver a cena mais desagradável do dia – seu carro já em cima do carro de reboque. O que fazer diante disso?
Conversar? Pedir até, por favor, que não façam isso? Explicar que ali é o único local de estacionamento? Dizer que existiam vários outros carros ali também estacionados como o dela? Dizer que tiraria o carro, se necessário?

Não! Nenhuma dessas alternativas quando a ordem é: GUINCHA E MANDA PARA A CASA DA MOEDA MARANHENSE, porque eu tenho a minha parte lá!

E foi o que aconteceu. Mesmo o carro estando estacionado no mesmo lugar de sempre, em um rua lateral, com tantos outros de seus colegas de trabalho, sem atrapalhar trânsito e nem casas residenciais, o veículo foi levado. Não, não era em uma avenida, era em uma rua deserta lateral. Ou seja, estão fuçando tudo atrás de dinheiro.

Sim, até porque, veículo apreendido é dinheiro garantido (até rimou).

Ao tentar fazer um questionamento, o que a minha prima ouviu foi: “vai ser levado para que se sirva de exemplo para os demais”.
Oooooooooooooooooooooooooiiii?
É apenas isso mesmo?

E sabe quanto, em apenas três horas que tinham levado o carro, quando a minha prima se deslocou para a VIP Leilões, já estavam cobrando? Oitocentos reais, entre cada quilometragem paga, reboque e o simples fato de pisar no chão que abriga a Casa da Moeda Maranhense.

É assim que age o governo da mudança? Mandando até no que, presume-se, ser privado?
Um típico exemplo mesmo de um governador que se acha deus na terra, acima de tudo e de todos.

É esse governador perseguidor de seus opositores políticos, perseguidor dos trabalhadores, perseguidor de quem vai de encontro à sua forma doentia de governar um estado, que quer se reeleger neste ano de 2018.

“Em menos Em menos de 3 meses só em 2018, Flávio Dino já leiloou 1.502 veículos”, denuncia deputado Wellington 

O deputado estadual progressista Wellington do Curso vem quase que, diuturnamente, denunciando a massiva apreensão de veículos que tem sido realizada pelo Governo do Maranhão. De acordo com os dados do Departamento de Estado de Trânsito do Maranhão (DETRAN/MA), até o dia 14 de março de 2018, apenas no presente ano, já foram leiloados 1.502. Tem-se, assim, uma média de 20 carros leiloados por dia.

Wellington, que é autor do Projeto de Lei 99/2017 que proíbe a apreensão de veículos por não pagamento do IPVA, cobrou responsabilidade social por parte do Governador.

“O que parece é que, nessa ânsia de arrecadar, Flávio Dino está esquecendo dos impactos sociais dessa medida descontrolada. Em menos de 3 meses, só em 2018, já leiloaram 1.502 veículos. Vejam que, de forma inconstitucional, porque assim entende o STF, o Governador está avançando nos carros e motos do trabalhador maranhense. Queriam o que? Que eu concordasse com uma crueldade e inconstitucionalidade dessa? Flávio Dino, respeite o maranhense que luta e se esforça para quitar as dívidas. Existem outros meios de punir que não a apreensão do bem. Não sou contra blitz. Ao contrário, defendo sim a realização de blitz para punir quem comete infrações. Agora, se há outros meios para quem não paga o IPVA, que o Governo aplique tais meios ao invés de leiloar os veículos dos maranhenses”, afirmou o deputado Wellington.

Pela 1° vez, Aécio Neves vira réu no STF – por corrupção e tentativa de atrapalhar investigações

Nesta terça-feira, 17, ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) acolheram denúncia da Procuradoria Geral da República contra o senador Aécio Neves (PSDB), acusado de corrupção passiva e obstrução de Justiça, ou seja, por tentar atrapalhar as investigações que o norteiam.
Com isso, o senador tucano, se torna réu pela primeira vez no Supremo.

Contra a 1° acusação (corrupção passiva), o senador não teve um voto a seu favor, somando, 5 votos a 0. Já contra a acusação de obstrução de Justiça, 4 votos a 1, sendo o único voto contrário do ministro Alexandre de Moraes.

Com a aceitação da denúncia, Aécio passa a responder ao processo penal na condição de réu e poderá contestar a acusação com novas provas. Só ao final da ação poderá ser considerado culpado ou inocente, em julgamento a ser realizado pela mesma turma do Supremo. Terminado o julgamento, o senador afirmou que provará a ‘absoluta legalidade e correção’ de seus atos.

– Recebo com absoluta tranquilidade essa informação. Já era esperada!
Vou provar de forma clara, corretiva e absoluta a legalidade e correção dos meus atos.
Não houve dinheiro público envolvido e ninguém foi lesado nessa ação – defendeu-se Aécio.

Junto com o parlamentar, foram denunciados pela PGR e também responderão como réus a irmã dele, Andréa Neves da Cunha, o primo Frederico Pacheco de Medeiros e Mendherson Souza Lima, ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrela (MDB-MG), todos por corrupção, após executivos da JBS fecharem acordo de delação premiada e entregarem gravações de Aécio pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista.

Andréa Neves, irmã do senador, Aécio Neves, chegou a ser presa, pela Polícia Federal, em Maio do ano passado, acusada de pedir propinas de R$ 2 milhões à JBS

Denúncia

Aécio foi acusado em junho do ano passado, em denúncia da Procuradoria Geral da República, de pedir propina de R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, em troca de favores políticos e também de tentar atrapalhar o andamento da Operação Lava Jato. Uma conversa entre os dois foi gravada pelo empresário. Andréa Neves teria pedido o dinheiro a Joesley e os outros dois acusados teriam recebido e guardado quatro parcelas de R$ 500 mil em espécie.

Em tempo
Aécio segue, não é nem afirmando inocência, mas, pega mais pesado, afirmando ingenuidade.