O dinheiro do aumento nas passagens de ônibus está indo para onde? Rodoviários reclamam de salários atrasados e ameaçam parar

SÃO LUÍS – Em assembleia geral, realizada durante a manhã e tarde desta quinta-feira (1º), o presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão Isaías Castelo Branco e diretores da entidade, retomaram as discussões em relação aos constantes atrasos de salários que a categoria vem enfrentando, além do não pagamento ou não fornecimento de outros direitos, entre eles o ticket alimentação, planos de saúde e odontológico e, até mesmo, o décimo terceiro salário que ainda não teria sido concedido para uma parte dos trabalhadores do sistema.

Após os encontros desta quinta (1º), com o aval da categoria, já que a situação foi avaliada por todos, ficou acordado que os Rodoviários irão aguardar até o quinto dia útil deste mês de fevereiro, que será na próxima quarta-feira (7), como prazo final para que os empresários realizem todos os pagamentos devidos. Caso contrário, no dia seguinte, ou seja, no dia 8 de fevereiro, será decretada greve no sistema de transporte público de São Luís, por tempo indeterminado.

Rodoviários reclamam dos constantes atrasos no pagamento de salários e outros benefícios como ticket alimentação e plano de saúde

– Essa é, sem dúvida, uma medida drástica que, infelizmente, irá afetar e muito os usuários do transporte público da Grande São Luís. Mas nós, rodoviários, estamos convencidos que os empresários só respeitam nossos direitos quando decidimos tomar uma atitude como essa. Estamos amparados por uma Convenção Coletiva de Trabalho e que determina os prazos para os pagamentos da categoria, só que normalmente, somos surpreendidos com atrasos de salários. Nossa classe exerce uma atividade extremamente estressante, sofre inúmeras pressões e ainda é obrigada a conviver com o medo, devido os constantes assaltos, que colocam em risco a vida de motoristas e cobradores e não dá para suportamos mais este descaso dos patrões. Se os salários e outros direitos dos Rodoviários não forem garantidos até o próximo dia sete, no dia seguinte, ou seja, em 8 de fevereiro, os ônibus nem sairão das garagens na capital. Esperamos que, ao invés de entrar na justiça como forma de impedir o movimento encabeçado pelos trabalhadores, que dessa vez, a Prefeitura de São Luís cumpra o seu papel, orientando os empresários a pagarem o que nos devem e, se for necessário, que expulse do sistema as empresas que desrespeitam as regras da licitação. Sem salário não haverá acordo – defendeu Isaías Castelo Branco, Presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão.

Imirante

Programa “Tá no Ar” da Rede Globo ridiculariza a fé cristã e evangélicos mais uma vez

“Lá vem Deus/Nossa festa é ungida/O Carnaval meu povo/É coisa de alma perdida/Vem, deixa o Senhor abençoar/Vem nessa pra gente louvar/ajoelhar em oração/Sai para lá, tentação/Vem, na Bíblia diz/Folia é coisa do capeta/No templo do Senhor tiramos seu encosto/E tudo sem pagar imposto”.

O refrão é apenas um dos milhares de escárnios que a emissora Globo produz quase que diariamente atacando a fé cristã.
E aí, quem vai processar a emissora por agir de forma preconceituosa contra a fé de quase metade da população brasileira? Cadê a sociedade, a Justiça, os artistas, os Direitos Humanos, para defender as pessoas religiosas que se sentem atacadas pela Cristofobia da Globo?

Até porque se fosse uma pessoa cristã debochando dessa forma dos gays ou mesmo qualquer ser humano que, assim como eu, pensa que a maioria dos direitos gays é de privilégio e usasse qualquer espaço para, em seu direito, falar o que pensa de comportamentos exagerados, principalmente dos ativistas homossexuais, uma hora dessa já tinha sido exposto, levado processo e campanhas e bandeiras levantadas em favor dos “coitadinhos” e desprezados.

A verdade é que ninguém tem nada a ver realmente com a escolha do outro. Seja evangélico, umbandista, espírita, católico, gay e afins, mas o respeito deve prevalecer acima de qualquer coisa. E, se um tem direitos para um, que tenha para o outro também.

Notícias Gospel

Você já deve estar acostumado com a maneira como a Rede Globo trata os valores cristãos, especialmente pessoas de confissão evangélica. Apesar de não ser a primeira vez que o grupo globo ridiculariza a fé cristã, a frequência dos ataques vêm chamando atenção do público e provocando uma onda de rejeição à emissora.

Dessa vez as cenas de escárnio da fé cristã foram produzidas no programa “Tá no Ar”. Essa não é a primeira vez. Logo na estreia da temporada, dia 23, o programa apresentou o quadro “Walking Back”, uma paródia da série “The Walking Dead”. Eles associaram a figura de zumbis aos conservadores, insinuando que os valores considerados “atrasados” devem ser enterrados.

No programa que veio ao ar no último dia 30, no entanto, o deboche da fé cristã foi algo ainda mais explícito, não apenas contra os evangélicos, mas também contra católicos. No episódio “Poligod: ofertas incríveis para os fiéis”, apresentaram a figura de um padre oferecendo “entrega de hóstias com litrão de vinho pelo aplicativo”, “óculos de espiritualidade virtual para assistir as missas em casa” e o “kit de primeiros socorros espirituais”.

Em outra ocasião o alvo dos ataques foram os evangélicos no quadro “Olha a Gospel Beleza aí, gente”.  A cena se passa com os atores simulando uma escola de samba, porém, com trejeitos pentecostais. Alguns caem no chão e tremem, insinuando situações comuns em cultos pentecostais.

Enquanto isso a música de fundo é uma adaptação do samba globeleza, citando termos comuns entre os evangélicos, porém, em tom de escárnio. Diz a letra:

 “Lá vem Deus/Nossa festa é ungida/O Carnaval meu povo/É coisa de alma perdida/Vem, deixa o Senhor abençoar/Vem nessa pra gente louvar/ajoelhar em oração/Sai para lá, tentação/Vem, na Bíblia diz/Folia é coisa do capeta/No templo do Senhor tiramos seu encosto/E tudo sem pagar imposto”.Não resta dúvida de que a Rede Globo é uma emissora com parte da sua programação dedicada a combater os valores cristãos e tudo o que está associado a ele. O mais importante é saber que parte da responsabilidade em promover e sustentar esse tipo de programação é devido à audiência do telespectador. Se estamos cientes disso, mudar de canal ou desligar a TV é sempre a melhor opção.