Prefeitura de São José de Ribamar reconstrói Complexo de Referência da Pessoa com Deficiência

Em um único espaço, são atendidas mais de 230 crianças e adolescentes, além de 100 atendimentos diários à comunidade em geral

Todos os dias ao longo de mais de onze anos, a rotina de dona Maria José, mãe do jovem Mateus Paixão Teixeira, de 17 anos, tem sido cuidar exclusivamente do filho. Dedicada, ela conta que ele, logo nos primeiros dias de vida, foi diagnosticado com Retardo Mental. Desde então, dona Maria busca acompanhamento especial além de educação. “Mateus foi acolhido no Complexo de Referência da Pessoa com Deficiência desde os seis anos de idade e aqui ele recebe todos os tratamentos que precisa além da alfabetização estimulada”, explicou.

Uma realidade que alcança hoje outras 232 crianças, adolescentes e adultos, que recebem atendimento no Complexo de Referência da Pessoa com Deficiência que compreende o Centro de Reabilitação Integral que oferece atendimento multidisciplinar e Escola Maria Amélia Bastos, voltada para oferta de educação infantil, ensino fundamental além de Educação de Jovens e Adultos, o EJA.

O complexo, que ganhou na última quarta-feira (22) novas instalações e equipamentos, entre eles, um Gabinete Odontológico, atende ainda diariamente outras 160 pessoas da comunidade. Prestação de serviços, que de acordo com o prefeito Luis Fernando, vem fazendo a diferença na vida de famílias inteiras.

– A reconstrução do Centro, além de trazer conforto, estrutura e qualidade para o atendimento humanizado das crianças e adultos que buscam e precisam dos serviços, também devolve a dignidade e o respeito que cada uma dessas pessoas merece – frisou o prefeito.

Centro de Reabilitação Integral

Além de Terapeuta Ocupacional, a equipe multidisciplinar do Centro de Reabilitação Integral conta ainda com profissionais das áreas de fonoaudiologia, fisioterapeutas, assistentes sociais, psicólogos e agora dentistas, especialidade recentemente incorporada a equipe.

A diretora da casa, Gleice Maria Pereira, explica que apesar de desafiador, o resultado do trabalho por menor que seja, significa avanços significativos não apenas no atendimento, mais à história de cada criança chega ao Centro.

– Tratamos cada um de forma única e humanizada. Desde o primeiro contato até o início do tratamento, trabalhamos conjuntamente, escola, centro e toda rede municipal de atendimento, para que esse paciente receba os cuidados necessários para o desenvolvimento do seu tratamento – detalhou a diretora.

É o caso de Kerolyne Morais de 18 anos. Pouco a pouco, a sorridente e divertida jovem vem vencendo a Síndrome de Down. Três vezes por semana, Kerolyne frequenta as aulas na escola Amélia Bastos e os demais divide no atendimento multidisciplinar e conta que ainda tem tempo de praticar aulas de zumba, que segundo ela é sua paixão.

– Eu gosto muito daqui, todo mundo é muito legal comigo. Eu escrevo, brinco, mas o que eu gosto mesmo, é de fazer minha aula de zumba – falou empolgada a jovem menina. Com a nova readequação e ampliação do Complexo de Referência da Pessoa com Deficiência, o Centro de Reabilitação ganhou novas salas de atendimento, incluindo atendimento odontológico e novos equipamentos.

Escola Amélia Bastos

Já escola Amélia Bastos que atende crianças a partir de três anos de idade, também recebeu atenção especial. O local que já atende cerca de 232 pessoas agora passa a contar com novas salas para o desenvolvimento de atividades de estimulação.Além de refeitório, biblioteca, brinquedoteca, o espaço também conta com salas de recurso, Libras, Braile e sala especial para Cegos. Os alunos também contam com atividades nas áreas de Psicomotricidade, Psicopedagogia, Arte Terapia, e Música.

Ofertas que vem fazendo a diferença na vida da pequena e apaixonante Linann da Costa Pereira de 8 anos. Apesar da paralisia cerebral, a falante e extrovertida menina, consegue falar com clareza de suas preferências quando assiste TV. “Eu gosto de assistir TV, porque acho os atores bonitos e sou apaixonada por eles”, disse sorridente Linnan sob o olhar atento da diretora da escola externou sua alegria pelos resultados obtidos com o trabalho desenvolvido com alunos.

– O sentimento é de alegria. Perceber o avanço das crianças a exemplo da Linnan é gratificante e estimula ainda mais toda a equipe a buscar cada vez mais trabalhar pelos resultados, que até podem demorar, mas virão – garante a gestora.

Qual é a sua opnião sobre essa matéria?