Deputada eleita Andreia Rezende reaparece, ao lado da família, após acidente de trânsito

Na noite deste domingo, 14, o, ainda, deputado estadual Stênio Rezende, postou, em rede social, duas imagens, ao lado da esposa, Andreia Rezende, em um restaurante na capital federal, Brasília.

Deputada eleita Andreia Rezende e o esposo Stênio

Essas foram as primeiras imagens públicas divulgadas da deputada estadual eleita no último domingo, 7, após sofrer, junto com o esposo, um acidente de carro, na madrugada do dia 26 de Agosto, na BR-316, no município de Olho D’água das Cunhãs, a 287 km de São Luís.

Com a legenda “final de semana com a família reunida em Brasília matando a saudade do meu amor @andreiarezendeoficial, que vem melhorando a cada dia que passa e nos deixando extremamente felizes com sua recuperação”, Stênio se mostrou bastante emocionado.

Desejo, pessoalmente, que Deus possa restabelecer a saúde de Andreia e que ela possa experimentar a fidelidade de Cristo, em sua saúde e em sua família.

Que Deus possa fazê-la viver o milagre sobrenatural que apenas Ele pode proporcionar e que a deputada eleita nunca esqueça que tudo vem dEle.

Mesmo sendo eleita com mais de um milhão e meio de votos, Eliziane Gama sai das eleições menor do que a sua “credibilidade”

A dívida de consciência de Eliziane Gama é maior do que a dívida política que a futura senadora do Maranhão vem deixando pelo caminho.

A dívida de consciência da futura senadora do Maranhão é maior do que a dívida política que Eliziane Gama vem deixando pelo caminho

Jornalista por formação e “crescida” na igreja, a deputada federal maranhense e, a partir de 2019, senadora pelos próximos oito anos, Eliziane Gama (PPS), saiu vitoriosa nas urnas no resultado do último domingo, 7 – dia das eleições.

Dona de 1.539.916 (Um Milhão Quinhentos e Trinta e Nove Mil e Novecentos e Dezesseis) votos, a irmã precisou fazer muitos sacrifícios e dar alguns golpes, ao longo dos anos para, hoje, comemorar a vitória com “sabor de mel”.

Com o total apoio do governador Flávio Dino, a contraditória e mulher de várias palavras, Eliziane é conhecida por acordar compromissos e decisões pela manhã e, à noite, desfazê-los.
Prova disse é de que mesmo votando a favor do impeachment da ex-presidenta petista Dilma Rousseff e arregimentando o desprezo de todos os petistas, Eliziane, foi eleita graças ao apoio do PCdoB/PT e, o mais que necessário, apoio de igrejas evangélicas de todo o estado.

Querendo conquistar o mundo, mesmo perdendo a sua alma, a primeira coisa que Eliziane fez, ao ser eleita, com uma votação extraordinária para o seu tamanho, foi declarar apoio ao candidato petista, Haddad, sendo considerada, mais uma vez, traidora. Desta vez, repudiada pelas igrejas e pastores que deram palco e púlpito para a irmã “de momento”.

Os evangélicos se sentem traídos e estão declarando, aos quatro cantos do estado, que se soubessem que sofreriam esse golpe, jamais apoiariam Eliziane Gama.
Incrível como a palavra “golpe” se associa tanto à mesma.

A maioria das igrejas evangélicas tem declarado, publicamente, apoio ao candidato presidenciável Jair Bolsonaro, se mostrando totalmente contra ao candidato Haddad do PT.

Escândalos

Além do peso de estar conhecida como falsária pela igreja onde cresceu e foi sempre apoiada, Gama ainda precisa lidar com o peso de escândalos familiar que viu irem à tona, publicamente, durante os últimos meses.
É que o marido de Eliziane, além de ser acusado de espancar ex-mulheres, é também, suspeito de falsidade ideológica e portador de 3 CPF’s. Ou seja, na prática, são 3 esposos, além de responder, na Justiça, por casos de violência doméstica e não pagamento de pensão alimentícia, inclusive com pedido de prisão.

Mesmo com um cidadão desse tipo debaixo da sua aba, a parlamentar diz defender a luta contra o feminicídio e ser a favor dos direitos e proteção das mulheres. Oi?!

Enfim …
Eliziane mesmo ainda saboreando a vitória, que, com certeza, ainda não está nem acreditando, precisa resolver várias pendências que foram ficando no caminho para chegar onde chegou.
É que não importou o caminho. O fim, independente, do meio, foi e é mais importante para ela. Não importa o que ele perdeu pelo caminho. Não importa o que ela fez para chegar onde chegou. Não importa quantas mentiras pregou. Não importa se conquistou “o mundo” e perdeu a sua alma.

A dívida de consciência de Eliziane Gama é maior do que a dívida política que a futura senadora do Maranhão vem deixando pelo caminho.

Saiba como irão votar os senadores maranhenses eleitos e, com mandato, no 2º turno das eleições para Presidência

Roberto Rocha (PSB) – Eleito em 2014 – por 8 anos -, nas eleições para Senador, Roberto Rocha, que, na época, fez campanha ao lado do hoje, rival e opositor político, Flávio Dino, foi candidato à Governador do Maranhão, neste ano – 2018 -, sendo derrotado e ficando em 4° lugar na disputa, se manifestou na tarde desta quinta-feira, 11 e, por meio de Nota, o senador afirmou que deve se associar “à vontade geral do povo sem pedir nada em troca”.

Edson Lobão e João Alberto (MDB) – Dois senadores, também, maranhenses, que, a partir de 2019 ficarão sem mandato, devem apoiar Fernando Haddad (PT).

Weverton Rocha (PDT) – O processado na Justiça e eleito no último pleito para o Senado, 7 de Outubro de 2018, com quase dois milhões de votos dos maranhenses, o pedetista, que sempre votou à favor do PT, enquanto deputado federal, seguirá na linha de apoio do seu partido e apoiará, sem sombra de dúvidas, o candidato petista Haddad.

Eliziane Gama (PPS) –

Vamos falar agora de Eliziane Gama, mais conhecida como golpista e traidora do povo brasileiro. Mesmo com esses adjetivos, Eliziane conseguiu a proeza de, também ser eleita senadora, pelos próximos 8 anos, a partir de 2019.

Contraditória e mulher de várias palavras, Eliziane é conhecida por acordar compromissos e decisões pela manhã e, à noite, desfazê-los.
Prova disse é de que mesmo votando a favor do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff e arregimentando o desprezo de todos os petistas, a deputada federal e futura senadora, foi eleita graças ao apoio do PCdoB/PT e, o mais que necessário, apoio de igrejas evangélicas de todo o estado.

Querendo conquistar o mundo, mesmo perdendo a sua alma, a primeira coisa que Eliziane fez, ao ser eleita, com quase um milhão e meio de votos, foi declarar apoio ao candidato petista, Haddad, sendo considerada, mais uma vez, traidora. Desta vez, repudiada pelas igrejas e pastores que deram palco e púlpito para a irmã “de momento”.

Os evangélicos se sentem traídos e estão declarando, aos quatro cantos do estado, que se soubessem que sofreriam esse golpe, jamais apoiariam Eliziane Gama.
Incrível como a palavra “golpe” se associa tanto à mesma.

A maioria das igrejas evangélicas tem declarado, publicamente, apoio ao candidato presidenciável Jair Bolsonaro, se mostrando totalmente contra ao candidato Haddad do PT.

Balsas: Escola Estadual Maria do Socorro Coelho Cabral comemora, com festa, a inauguração de um muro no fundo da escola

Ao assistir a um Telejornal do meio dia de hoje, 11, me deparei com uma reportagem que, sinceramente, me deixou foi  C H O C A D A!

Eu não sei se fiquei assustada ou triste com o teor da pauta jornalística que enfatizava, em grande comemoração, a inauguração de um muro no fundo da Escola Maria do Socorro Coelho Cabral, localizada em Balsas e, segundo a reportagem, existente há 10 anos.

Cansados de esperar pelo poder público estadual, o qual garante, na Constituição, o direito à escola e à educação, a construção do muro teve a iniciativa dos alunos, professores e comunidade.

O muro foi motivo de festa. Teve até sessão solene!
Apresentação de banda e de dança.

Alunos, professores e diretora festejavam o muro com o entusiasmo de que uma escola ‘novinha em folha’ estava sendo entregue. Teve até corte da faixa no muro.

Um professor deu entrevista e me deixou boquiaberta ao citar que a construção do muro representa um acréscimo à educação pública e ainda emendou “toda escola pública tem que agir assim”. Oi?!

Em tempo

Segundo a reportagem, a Escola Estadual Maria do Socorro Coelho Cabral ainda tem muitas outras necessidades, como a construção da quadra, por exemplo, como foi citada.

Por ser a maior cidade em extensão territorial do Maranhão e até já bem desenvolvida, a cidade de Balsas não precisava passar por cenas vexatórias como essas, festejando a inauguração de um muro.
Visto que, de acordo com o Governo do Estado, as escolas e a educação estadual são prioridade de administração.

Pelo visto, não são não!

Bolsonaro ou desespero: O que fez Haddad trocar as cores dos materiais de campanha de vermelho para verde e amarelo?

Pegou de surpresa a imagem da nova logomarca da campanha do PT à Presidência da República, anunciada na tarde desta quarta-feira, 10.

Haddad que vem trazendo nos ombros o peso de campanha, 1° por ser petista, depois por ser indicado do ex-presidente Lula e por carregar a imagem do maior líder petista em todos os materiais de campanha, ao se ver perdendo cada vez mais espaço, ficar em grande desvantagem na disputa do primeiro turno e ser cada vez mais repudiado por ter sua imagem associada à Lula – que está preso -, à corrupção e às atitudes descontroladas do movimento da esquerda, alterou a própria imagem das cores do seu partido, descaracterizando o de, já há muito tempo conhecido vermelho, pelas cores verde, amarelo e azul. Por coincidência, as cores de campanha do seu maior opositor, Jair Bolsonaro (PSL), que desde o início da sua campanha à presidente do Brasil, escolheu o lema “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, já vinha nas cores do patriotismo.

Nova versão do 2° turno

Nos materiais de campanha, do 1° turno, do candidato Haddad e da sua vice, Manuela D’Ávila, a imagem de Lula estava diretamente associada, ainda com a frase “Haddad é Lula”, mas o que pôde ser visto desde ontem, é apenas os nomes dos candidatos majoritários, nas cores da bandeira do Brasil.

1° arte de campanha do candidato Haddad à presidência da República, no pimeiro turno. Cores foram mudadas para verde e amarelo e Lula foi desassociado da imagem

Não tem como não associarmos essa mudança repentina a um fator chamado: desespero.
Não e não é linguagem de quem tem lado, é o reflexo da realidade.

É desesperadora essa mudança drástica de descaracterização da própria “bandeira” do partido.

O PT e os partidos aliados que gritam pelo discurso do “rebele-se, saia do armário, seja dono de si”, está dando claras mostras de que não sustenta, na prática, o que induz as pessoas a fazerem, quando, numa atitude dessa, esconde, no armário, Lula e as cores fortes repudiadas pela maioria dos brasileiros.

Pegou mal, viu?
Enfim!

Era ano de 2011, quando o Ministro da Educação, Haddad começava a colocar em pauta o Kit Gay para ter livre acesso nas escolas públicas do Brasil

Imagine seu filho, chegando em casa, depois de um dia de doutrinação gay, ops, de aula e dizer que deseja ser gay porque sua professora disse que é algo bom?!

Vídeos elaborados pelo Ministério da Educação (MEC) que tratavam de transexualidade, bissexualidade e da relação entre duas meninas lésbicas deveriam ser debatidos em salas de aula do ensino médio, ainda no ano de 2011.

O objetivo do material, intitulado como Kit Gay, composto de três filmes e um guia de orientação aos professores, era levar para o ambiente de 6 mil escolas, de todo o país, o “tema gay” como forma de reconhecimento da diversidade sexual e enfrentamento do preconceito.

Entenda

Em 2004, o governo federal lançou o programa Brasil sem Homofobia com o objetivo de combater a violência e o preconceito contra a população LGBT (composta por travestis, transexuais, gays, lésbicas, bissexuais e outros grupos). Uma parte dele enfatizaria a formação de educadores para tratar questões relacionadas ao gênero e à sexualidade. Nascia aí o projeto Escola sem Homofobia.

Por meio de um convênio firmado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), foi elaborado o material que seria distribuído às instituições de todo o país. Entretanto, uma polêmica impediu sua circulação. Em 2011, quando estava pronto para ser impresso, setores conservadores da sociedade e do Congresso Nacional iniciaram uma campanha contra o projeto.

Nas acusações feitas, o “kit gay” — como acabou pejorativamente conhecido — era responsável por “estimular o homossexualismo e a promiscuidade.” O governo cedeu à pressão e suspendeu o projeto. 1,9 milhão de reais investido no projeto pareceu perdido.

O kit foi elaborado – mas, vetado, pela presidente Dilma Rousseff -, após a realização de seminários com profissionais de educação, gestores e representantes da sociedade civil.

– Lembram-se do material preparado pelo Ministério da Educação, sob o comando de Fernando Haddad, para ser veiculado nas escolas? Um deles fazia a apologia da bissexualidade: dizia que um bissexual tem 50% a mais de chance de ter com quem sair no fim de semana já que gosta de meninas e meninos.
Bem, não dando para consertar o pensamento, conserte-se a matemática: teria 100% a mais de chance.
Outro filme tratava da personagem “Bianca”, uma “transgênera” (como diz Laerte). E ali se defendia o “direito” de usar o banheiro feminino. Os filmes resultaram tão primitivos e prosélitos que Dilma Rousseff vetou. Foi mais um dos esforços de Fernando Haddad em favor da educação e do bom uso de recursos públicos – escreveu um dos maiores jornalistas e comentadores de política da atualidade, Reinaldo Azevedo.

Impossível Fernando Haddad negar as suas origens, ou seja, em 2011 era, de fato, ministro da Educação e foi permissivo no “Kit Gay”

P.S – A minha opinião em relação à toda essa polêmica do “Kit Gay”, elaborado e vetado em 2011, por causa do enfrentamento da bancada evangélica e conservadora, do, na época, Congresso Nacional, voltou com força total agora, principalmente, por causa da dualidade dos candidatos mais fortes, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), que disputam, em 2° turno, a presidência do país.

Se de um lado o candidato Jair Bolsonaro defende o direito das crianças serem crianças; defende as famílias; defende o direito dos pais na criação de seus filhos, o candidato do PT, Haddad, é aquele candidato da esquerda que, assim como os seus pares, defende um tipo de governo totalmente libertino, sem valores, sem moral familiar e social. Esse tem sido o modelo de defesa do movimento da esquerda no Brasil.

Eu continuo batendo na tecla de que por muitos anos votei PT, já fui PT, quando via no partido um aliado dos menos favorecidos, das famílias, daquela gente sem oportunidade, dos trabalhadores, enfim.
Hoje percebo que o partido se perdeu. Se perdeu de suas propostas, de sua ideologia e tem um discurso de divisão. Um discurso de inversão de valores. Um discurso de deturpamento do corpo. Um discurso que prega a libertinagem. Não, o Brasil não é e nem deve se considerar e se conformar em ser um país imoral, do tudo pode.
As crianças precisam ser defendidas e, enquanto crianças, viverem como tal. As mulheres precisam e devem ser respeitadas. Precisam e devem aprender sobre responsabilidades e moral. Enfim ,,
Fora todos os outros aspectos políticos e sociais que o partido que continuar transformando o Brasil.

Não quero ser conhecida e taxada de ter um discurso homofóbico. Não tenho e não sou e, quer saber, não tenho o porquê de ser homofóbica, visto que as diferenças e decisões das pessoas cabem à elas e todas merecem ser respeitas. Mas, o que não dá para aceitar calada é que apenas direitos gays, imposições forçadas e imorais sejam empurradas goela abaixo da sociedade. Aqui não!

Informação histórica

As pessoas precisam entender que o Brasil, por mais que se julgue um país laico, é, culturalmente, religioso.

O cristianismo, a mais importante tradição do Ocidente. A formação das Américas e da Europa é o cristianismo, permeando a vida de todos esses continentes.

O Ocidente vive, desde sempre, o modelo judaico-cristão.
Mas o que estamos vivenciando?
Um movimento de esquerda que quer implantar uma cultura que vai contra todos os valores da sociedade brasileira, por isso, a sociedade tem rejeitado.

Quando eu digo sociedade brasileira, independente de ser de família religiosa ou não, não é apenas coisa de cristão.
Falo de família de ateu, de espírita, católicos, umbandistas, evangélicos. Qual é a família que quer ter os seus lares invadidos por um modelo onde eles percam total autoridade dentro de suas casas na criação de seus filhos?

A escola ensina aos alunos o que é técnico.
É dentro de casa que as pessoas aprendem sobre educação, sobre valores morais e sociais.

São Luís: “Apoio Bolsonaro pelo bem do Brasil”, declarou o vereador Francisco Chaguinhas em apoio ao presidenciável

O vereador de São Luís, Francisco Chaguinhas (PP), declarou apoio ao candidato Jair Bolsonaro. O parlamentar usou a tribuna da Câmara Municipal, onde reafirmou o compromisso em eleger o presidenciável no segundo turno.

– Apoio o Bolsonaro pelo bem do Brasil. Precisamos de alguém que tenha compromisso com o povo e com toda a Nação Brasileira. Jair mostra que tem condições de colocar o Brasil no rumo certo – defendeu o vereador Francisco Chaguinhas.

EM TEMPO

O vereador Francisco Chaguinhas esteve participando da uma reunião organizado pelo presidente Estadual do PSL no Maranhão, vereador Chico Carvalho, que reuniu na noite de ontem, terça-feira, 9, apoiadores do presidenciável de seu partido, Jair Bolsonaro, para traçar estratégias de campanha do candidato no Maranhão.

Em São Luís, por exemplo, o PSL e Bolsonaro terá o apoio de 10 vereadores, que durante a reunião já se comprometeram em levar o nome do presidenciável as suas comunidades.

Entre os parlamentares de São Luís que se reuniram com Chico Carvalho estão Estevão Aragão (PSDB), Francisco Chaguinhas (PP), Isaías Pereirinha(PSL) Genival Alves (PRTB), Cézar Bombeiro (PSD), Marquinhos Silva (DEM), Antônio Garcez (PTC) e Edson Gaguinho (PHS).

Os vereadores anunciaram que farão carreatas, adesivação, caminhadas e outras atividades de campanha para fortalecer o nome de Jair Bolsonaro na capital maranhense.

– O momento exige empenho, dedicação e união para que todos que querem Jair Bolsonaro na Presidência do Brasil vejamos vencedores dia 28 de outubro. Nós, não. Toda a sociedade brasileira – disse Chico Carvalho.

Deu e tomou: Maranhenses tomam mandatos de deputados estaduais denunciados no Conselho de Ética da Assembleia Legislativa

A população eleitora do Maranhão fez com o deputado estadual Levi Pontes (PCdoB) o que seus colegas governistas do Conselho de Ética da Assembleia Legislativa não fizeram: colocou o comunista para fora da Casa do Povo, fazendo do deputado de apenas 1 mandato, deputado bananeira.
Levi Pontes ficou conhecido no parlamento e em quase todo o estado como o ‘deputado do peixe’.

De acordo com o resultado final da votação do pleito deste ano, Levi teve apenas 16.646 votos e, por isso, não conseguiu se reeleger. Foram 2.957 votos a menos do que em 2014, quando se tornou deputado pelo Solidariedade.

Deputado ‘do peixe’
Situação eleitoreira até hoje dorme no Conselho de Ética da Assembleia Legislativa. População deu a resposta nas urnas

No ano passado, o deputado do PCdoB foi alvo de uma representação no Conselho de Ética da Casa, que pedia a cassação de seu mandato, após haver ele próprio divulgado num grupo de WhatsApp um áudio em que dá orientações sobre uma “cota” de peixes — de uma compra feita pela Prefeitura Municipal de Chapadinha, no período da Semana Santa, para distribuição para a população local — que deveria ser entregue para lideranças dele, de outras cidades de sua base eleitoral.

Entenda: Suposto áudio do deputado Levi Pontes pode complicar gestão de Magno Bacelar em Chapadinha 

– Vice prefeito de Chapadinha manda deputado “do peixe”, Levi Pontes, se defender do processo que o acusa de desviar dinheiro público

A representação, porém, acabou sendo arquivada pelo Conselho de Ética, sob a alegação de ausência de provas robustas e de que o áudio gravado e divulgado pelo próprio parlamentar seria clandestino.

Em março de 2018, Levi Pontes voltou a ser acionado no colegiado, após ser novamente flagrado em áudio, desta vez, negociando a estrutura da Secretaria de Estado da Saúde (SES) em troca de votos, exatamente para as eleições ocorridas no último domingo 7, quando saiu derrotado.

O caso, porém, passados já cinco meses da definição da subcomissão de investigação, sequer foi analisado pela Comissão de Ética da Assembleia Legislativa maranhense.

Mais dois fora

O deputado Cabo Campos (PATRIOTAS), alvo do embrandecido pedido de afastamento de suas funções por apenas dois meses após ser acusado pela própria mulher de violência doméstica, também recebeu dos eleitores maranhenses o tratamento que o Conselho de Ética não lhe deu. Com apenas 8.714 votos, ele não teve votação suficiente para conseguir permanecer na Casa.

Deputado Rogério Cafeteira e líder do governo Flávio Dino, também, não foi reeleito

O próprio presidente do Conselho, inclusive, o líder do governo Rogério Cafeteira (PSB), também encolheu em votos e não se reelegeu.

A partir de 1.º de janeiro de 2019, salvo se conseguirem algum emprego na Casa do Povo, todos eles estarão fora da Assembleia Legislativa do Maranhão.

De Atual 7 – com alterações 

Eleições 2018: Mesmo com mais de 50% de renovação na Assembleia Legislativa, Casa vai continuar inclinada às ordens do comunista Flávio Dino

No último domingo, 07, o povo brasileiro parou, ou melhor, andou e correu para exercer a sua cidadania, por meio do seu voto.

É bem verdade que muita gente se sente obrigada a votar. Outras pessoas, por pura birra e, com total descrença na política brasileira, não fizeram um pingo de questão de se deslocar aos locais de votação. Já, outros, como eu, não pôde dar a sua parcela de contribuição por estar fora do atual domicílio eleitoral.

Prova de ter sido um dia “normal” para muita gente é que, do total de 147.306.295 eleitores, 117.364.560 compareceram às urnas, número equivalente a 79,67%. Os votos válidos totalizaram 107.050.673, equivalentes a 91,21%. A abstenção alcançou 29.941.265 e representou 20,33%. O total de votos nulos foi de 7.206.205, equivalentes a 6,14%, e os votos brancos somaram 3.106.936 (2,65%). Foram apuradas 454.490 urnas, a última delas na cidade de Houston, nos EUA.

As eleições deste ano para Deputado Federal, Deputado Estadual, 2 Senadores, Governador e Presidente deixou muita gente enrolada. Filas gigantescas eram, em todo o tempo, anunciadas em redes sociais. Sem falar nas urnas eletrônicas, suspeitas de não estarem funcionando corretamente em muitos locais.

Quis fazer uma rápido geralzão do que foi o domingo de eleição; Mas, o que quero me ater mesmo é sobre o resultado das eleições no Maranhão.

Ontem conversando com uma colega, disse à ela que ainda estava me recuperando do choque de surpresas que nós, maranhenses, tivemos, confirmadas, já na mesma noite da eleição.

Uma das maiores surpresas foi o resultado de renovação na Assembleia Legislativa. Mais de 50% de renovação parlamentar e, confesso, achei bem bacana o resultado.

Nova Composição da Assembleia Legislativa a partir de 2019

– Detinha (PR)
– Duarte Júnior (PCdoB)
– Cleide Coutinho (PDT)
– Zé Gentil (PRB)
– Otelino Neto (PCdoB)
– Márcio Honaiser (PDT)
– Thaiza Hortegal (PP)
– Neto Evangelista (DEM)
– Carlinhos Florêncio (PCdoB)
– Prof. Marco Aurélio (PCdoB)
– Marcelo Tavares (PSB)
– Andréa Rezente (DEM)
– Rafael Leitoa (PDT)
– Edson Araújo (PSB)
– Ana do Gás (PCdoB)
– Adelmo Soares (PCdoB)
– Glalbert Cutrim (PDT)
– Paulo Neto (DEM)
– Daniela Tema (DEM)
– Vinícius Louro (PR)
– Yglésio Moisés (PDT)
– Hélio Soares (PR)
– Antonio Pereira (DEM)
– Ciro Neto (PP)
– Fábio Macedo (PDT)
– Ricardo Rios (PDT)
– Adriano Sarney (PV)
– Rigo Teles (PV)
– Arnaldo Melo (MDB)
– Roberto Costa (MDB)
– César Pires (PV)
– Fernando Pessoa (SD)
– Rildo Amaral (SD)
– Helena Duailibe (SD)
– Zé INácio (PT)
– Leonardo Sá (PRTB)
– Felipe dos Pneus (PRTB)
– Mical Damasceno (PTB)
– Pastor Cavalcante (PROS)
– Wendel Lages (PMN)
– Wellington do Curso (PSDB)
– Pará Figueiredo (PSL)

Plenário da Assembleia Legislativa do Maranhão

Detinha, esposa do, até agora deputado estadual e, a partir de Fevereiro de 2019, deputado federal, Josimar de Maranhãozinho, foi a deputada mais votadas no Maranhão, assim como o seu esposo, para uma cadeira na Câmara Federal. Só queria entender o poder político de ambos .. Mas, tudo bem!

Duarte foi uma surpresa para mim!
Não que eu não acreditasse que ele seria eleito, até imaginava, mas sendo o 2° mais votado e disparando de votos em São Luís, essa realmente muita gente não esperava. Foi uma revelação!

Eu sempre achei que o menino Duarte tem um futuro muito promissor, ainda mais se ele não entregar o mandato dele nas mãos e nos caprichos do governador Flávio Dino, traindo a confiança do povo que lhe deu essa oportunidade. Afinal, ele, como todos os outros, foram eleitos para serem porta-vozes das necessidades da população, mas, infelizmente, a gente sabe que na prática é bem diferente.

Eu não vou falar, particularmente, de cada deputado eleito, senão a matéria viraria uma enciclopédia, mas, o importante a ser dito é que se na legislatura passada – já a chamo assim -, nunca se tinha visto uma Assembleia tão inclinada às ordens e mensagens do governador Flávio Dino, penso que a eleita não venha ser muito diferente.

Saíram uns deputados babões, cegos, propositalmente e de entendimento atrofiado aos gritos de socorro dos maranhenses e entraram outros que vão apenas ficar no lugar. Uma troca de 6 por meia dúzia, na realidade.

Não que seja isso que eu queira ou deseje, mas uma análise prévia do perfil de cada um, em como foram eleitos, com a ajuda e apoio-mor de quem e coligação.

Previamente falando, Flávio Dino ao olhar os 42 deputados eleitos, deve estar se sentindo em casa, onde não vai ter muito esforço na aprovação de seus projetos de sucateamento do bolso das famílias, empresários, trabalhadores, proprietários de veículos e afins ..

Oposição mínima

A mínima oposição diminuiu ainda mais com a saída de Andréa Murad (fiquei chocada), Edilázio (eleito deputado federal) e Sousa Neto (desistiu da campanha de reeleição).

Vamos saber, a partir de 1° de Fevereiro de 2019, quem se juntará aos deputados estaduais Wellington do Curso e Adriano Sarney, na briga pelos direitos dos maranhenses.

Weverton Rocha mais enrolado do que rabo de porco: Revista IstoÉ traz à tona esquema milionário envolvendo o candidato à Senado

A revista IstoÉ desta semana revela um esquema milionário envolvendo o deputado “mensaleiro” Waldemar da Costa Neto (PR) e o candidato ao Senado, Weverton Rocha (PDT).

De acordo com a reportagem, o presidente do PDT no Maranhão recebeu R$6 milhões para deixar de apoiar a candidatura de Ciro Gomes (PDT) e fortalecer o nome de Fernando Haddad (PT), na disputa presidencial no Maranhão.

Ainda estiveram envolvidos na operação, o deputado José Guimarães (PT), que teve um assessor preso com dólares na cueca e o o ex-ministro Maurício Quintella, considerado como operador de Waldemar da Costa Neto e o também ex-ministro Gilberto Carvalho.

Eles foram responsáveis, de acordo a revista IstoÉ, por garantir a transferência de R$6 milhões para a campanha de Weverton Rocha ao Senado Federal. “Faça chegar dinheiro à campanha de Weverton Rocha”, disse Gilberto Carvalho a Waldemar da Costa Neto. O deputado mensaleiro, conforme informações colhidas por Lula da prisão, precisava de R$ 6 milhões para deslanchar sua campanha.

Conforme apurou ISTOÉ, um avião experimental Cirrus, da Vokan Seguros, a serviço da empreiteira CLC (Construtora Luiz Carlos), foi quem cuidou do transporte do dinheiro do Ceará com destino a São Luis. A CLC faz um trecho da BR-222, na região de Sobral (CE), uma obra do Ministério dos Transportes. No trajeto, percorrido no dia 14 de setembro, uma quase-tragédia: o avião acabou caindo com o dinheiro a bordo na cidade de Boa Viagem. Os recursos eram escoltados por um policial. Com o acidente, outros agentes foram ao local imaginando que a aeronave pudesse transportar drogas. Coube ao policial a bordo do Cirrus a tarefa de tranquilizar os colegas, dizendo-lhes que não se preocupassem com a ocorrência, pois ninguém havia ficado ferido. O dinheiro, contudo, chegou ao destinatário final, cumprindo os desígnios de Lula: a campanha do pedetista Weverton – convertido a empedernido cabo eleitoral de Haddad.

Na campanha eleitoral do Maranhão, Weverton Rocha utiliza Fernando Haddad na sua propaganda eleitoral na Tv e no rádio, assim como o material gráfico.

Blog Diego Emir