CECEN lança revista e selo em comemoração aos seus 25 anos; Publicação conta com entrevistas e artigos de professores da UEMA

O Reitor da Universidade Estadual do Maranhão, professor Gustavo Pereira da e a Diretora do Centro de Educação, Ciências Exatas e Naturais (CECEN), professora Ana Lúcia Duarte, convidam a sociedade e a imprensa maranhense para solenidade de comemoração dos 25 anos do CECEN.

Com entrevistas e artigos de professores, a revista lança a nova edição (número 4), debatendo o tema “Professor Formador de Profissões”. 

A publicação é uma opção de dar ampla e irrestrita divulgação à sociedade, em geral, de projetos em execução do CECEN da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), na formação de docentes para a educação básica de qualidade social. 

Além disso, a revista busca, ainda, atender outra finalidade básica da formação de professores, que é desnaturalizar o que já está naturalizado, de que formar professores pode ser aligeirada em Instituição de pouca credibilidade e que não necessita de investimento em pesquisa. 

– Nós, na UEMA/CECEN, temos desconstruído isso com a ampliação da infraestrutura para os cursos, aumento de bolsas de pesquisa e de extensão, atualização dos currículos, quadro docente de mestres e doutores, criação de mestrados em letras, história, geografia, matemática, recursos aquáticos e pesca, educação e educação inclusiva – destacou a professora Ana Lúcia Cunha Duarte, diretora do CECEN. “Por isso temos o prazer de lançar mais um número da nossa revista e o selo dos correios em comemoração dos 25 anos do CECEN”, completou.

SERVIÇO

O QUÊ? Lançamento da revista e selo em comemoração aos 25 anos do CECEN

QUANDO? 12 de dezembro de 2018 (quarta-feira)

HORÁRIO: Às 17 horas

LOCAL: Área de Vivência do CECEN, na UEMA.

É DESESPERO: Flávio Dino abre licitação de R$ 6,6 milhões para “comprar TVs de LED”

Blog Gilberto Léda

O governo Flávio Dino (PCdoB) vai realizar no dia 13 de dezembro um pregão presencial para registro de preços de eletrodomésticos, eletrônicos e acessórios.

Dentre os itens a serem licitados, destaque para R$ 6,6 milhões em Smart TVs de LED, de 32 até 48 polegadas.

Segundo o edital, os equipamentos devem atender demandas da Comissão Central Permanente de Licitação – CCL, do Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial do Maranhão- INMEQ, da Procuradoria Geral do Estado- PGE, da Secretaria dos Direitos Humanos e Participação Popular- SEDIHPOP, da Secretaria de Estado da Educação – SEDUC, da Secretaria de Governo do Estado do Maranhão- SEGOV, e da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA.

São mais de 3,7 mil TVs, de acordo com planilha de especificações e quantitativos.

Entre os itens do processo há, ainda, fogões, geladeiras, liquidificadores, freezers, fornos microondas, cafeteiras elétricas, ventiladores, telefones fixos, câmeras fotográficas, filmadoras digitais e fragmentadoras de papel.

No total, o governo estima gastar até R$ 48,3 milhões com tudo isso.

Baixe aqui o edital.

MAIS IMPOSTOS: Uma Assembleia Legislativa em que a maioria dos deputados votam contra o povo e a favor do governador Flávio Dino

Na quarta-feira (5), a Assembleia Legislativa, representada pela maioria de deputados estaduais inclinados às ordens e mensagens do governador Flávio Dino (PCdoB), aprovou o aumento do ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – para diversos produtos, como a gasolina, diesel, cerveja, refrigerante, até jóias e folheados, entre outros.

FOTO: Internet

Após longas horas de “ida e vindas”, debates acalorados, falas de defesa e oposição ao governo, a maioria, é claro, venceu.
Maioria que representa os interesses do governo comunista e por 24 votos a favor e 7 contra, 1 abstenção e 9 deputados ausentes, foi aprovado o Projeto de Lei 239/18, de autoria do governo.

Um típico golpe pós eleição! Aquele que vem para tentar salvar o rombo que ficou nos cofres públicos após uma disputa majoritária sangrenta.

Votaram a favor

  • Antonio Pereira (DEM)
  • Bira do Pindaré (PSB)
  • Cabo Campos (PEN)
  • Edivaldo Holanda (PTC)
  • Edson Araújo (PSB)
  • Fábio Macedo (PDT)
  • Franscisca Primo (PCdoB)
  • Glalbert Cutrim (PDT)
  • Hemetério Weba (PP)
  • Júnior Verde (PRB)
  • Levi Pontes (PCdoB)
  • Marco Aurélio (PCdoB)
  • Marcos Caldas (PTB)
  • Neto Evangelista (DEM)
  • Paulo Neto (DEM)
  • Rafael Leitoa (PDT)
  • Raimundo Cutrim (PCdoB)
  • Ricardo Rios (SD)
  • Rogério Cafeteira (DEM)
  • Sérgio Frota (PR)
  • Stênio Rezende (DEM)
  • Valéria Macedo (PDT)
  • Vinícius Louro (PR)
  • Zé Inácio (PT)

Votaram contra:

  • Adriano Sarney (PV)
  • César Pires (PV),
  • Léo Cunha (PSC)
  • Max Barros (PMB)
  • Nina Melo (MDB)
  • Roberto Costa (MDB),
  • Wellington do Curso (PSDB)

Abstenção:

  • Eduardo Braide (PMN)

Ausentes: Ana do Gás (PCdoB), Andréa Murad (PRP), Sousa Neto (PRP), Josimar de Maranhãozinho (PR), Edilázio Júnior (PSD), Carlinhos Florêncio (PCdoB), Fabio Braga (SD), Graça Paz (PSDB) e Rigo Teles (PV).

Escola SEM partido: Vereador Francisco Chaguinhas posiciona-se contra doutrinação partidária nas escolas

Durante a sessão desta quarta-feira, 05, o vereador Francisco Chaguinhas (PP) usou a tribuna da Câmara Municipal de São Luís, para reafirma a sua posição sobre o projeto “Escola sem Partido”.

Vereador Francisco Chaguinhas

De acordo com o parlamentar, a escola não deve ter Partido. “Chegou o momento de acabar com a ideologia partidária nas escolas. Doutrinar não é educar, é totalmente diferente. O que queremos é uma universidade que prepara as pessoas para vida”, disse.

SOBRE O PROJETO

O Programa Escola sem Partido é uma proposta de lei que torna obrigatória a afixação em todas as salas de aula do ensino fundamental e médio.

A doutrinação política e ideológica, em sala de aula, ofende a liberdade de consciência do estudante; afronta o princípio da neutralidade política e ideológica do Estado; e ameaça o próprio regime democrático, na medida em que instrumentaliza o sistema de ensino com o objetivo de desequilibrar o jogo político em favor de um dos competidores.

Por outro lado, a exposição, em disciplina obrigatória, de conteúdos que possam estar em conflito com as convicções morais dos estudantes ou de seus pais, viola o art. 12 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, segundo o qual “os pais têm direito a que seus filhos recebam a educação religiosa e moral que esteja de acordo com suas próprias convicções.”

Essas práticas, todavia, apesar de sua manifesta inconstitucionalidade e ilegalidade, tomaram conta do sistema de ensino. A pretexto de “construir uma sociedade mais justa” ou de “combater o preconceito”.

Star Bronze: Uma Casa de Bronze que virou conceito em São Luís

Como cresceu entre a mulherada as adeptas da marquinha de sol no corpo!
O famoso bronzeamento natural – aquela marquinha de fita na pele que fixa a cor por muito mais tempo do que uma simples ida de biquíni à praia ou clube.

Diante de mais essa novidade de negócio promissor, as irmãs-empreendedoras Izelli e Claúdia Ferreira decidiram entrar no mercado de bronzeamento natural, em um amplo espaço, ao ar-livre, localizado no bairro do Cohajap.
      Star Bronze – é o nome do mais novo conceito de Casa de Bronze em São Luís.

Cuidado e responsabilidade são quesitos levados bem à sério pelas irmãs-empreendedoras que chegaram no mercado com a ousada proposta de oferecer um serviço totalmente diferenciado no ramo de bronzeamento natural.

A Star Bronze é mais do que sair fazendo marquinhas na mulherada.
O seu principal compromisso é levar, além de um bronzeamento perfeito, marcas de auto-estima, valorização, serviço e atendimento de qualidade e cuidado pessoal com cada cliente.

Montagem da fita e exposição ao sol na Star Bronze

Toda a clientela da Star Bronze recebe uma atenção dos sonhos.
Fazendo jus ao nome STAR, para as proprietárias do espaço, cada cliente é, realmente, uma estrela que abrilhanta o ambiente e que merece um cuidado responsável e pessoal, a começar pela montagem do biquíni de fita que é feito em uma sala climatizada, até ser encaminhada ao amplo espaço de bronze, totalmente arejado e acompanhada por profissionais.

Antes da exposição ao sol, a cliente passa protetor solar e um bronzeador, à base de parafina.

A Star Bronze usa produtos naturais da linha Patrícia Lobo Cosméticos – conhecida como a melhor linha do país -, liberada pela ANVISA e que potencializam um bronze saudável.

Cada cliente é assistida por profissionais que cuidam de cada detalhe no momento em que as mesmas estão no processo da exposição ao sol.

Banho de Lua

Após a cliente passar pelo processo de exposição ao sol, no tempo certo e cumprindo todas as regras e cuidados, é a hora de fazer Banho de Lua – clareamento dos pelos do corpo-, com produtos antialérgicos.
Depois é feita uma esfoliação, hidratação e gel para refrescar a pele. Todos os produtos de 1° linha da Patrícia Lobo.

Hidratação

Durante o processo da exposição ao sol, cada estrela, da Star Bronze, é hidratada com muita água, sucos e frutas, além de sequências de água na pele.

Recomendações

– Para que a marquinha dure de 3 a 4 meses, é necessário um ciclo de 3 sessões de bronzeamento natural.

“A primeira sessão desenha, a segunda corrige e a terceira define a maquinha na pele”, contou a proprietária Izelli.

– O bronzeamento natural é feito com exposição diretamente ao sol, respeitando, horário e tipo da pele de cada mulher.

Um dos maiores cuidados da Star Bronze é a atenção para que a cliente não saia com a pele irritada, por isso, recomenda que todas elas se alimentem muito bem antes de passar pelo procedimento.

Tipos de bronze oferecidos na Star Bronze

– Bronze Instantâneo
Com ele, a cliente fica bronzeada SEM IR AO SOL.
Esse tipo de bronze dura de 7 a 12 dias, dependendo dos cuidados após o procedimento.

– Bronze Mágico
Nesse tipo de bronze, se aplica um intensificador apenas na marquinha de cima e de baixo, SEM IR AO SOL.
Dura, também, de 7 a 12 dias, dependendo dos cuidados da cliente após o procedimento.

– Flash Bronze
É realizado em duas etapas.
Primeira: Uma seção de bronze natural, em seguida, a aplicação do intensificador de bronze nas marquinhas e dura, até, 30 dias, dependendo dos cuidados da cliente.

A Star Bronze fica localizada na Rua 5, quadra 4, casa 16, bairro Cohajap – próximo à escola Portal do Saber e atende nos telefones: 98-9818 5385 / 987577231 e vai adorar receber a sua visita!

Como já diz a frase clichê, “bronze é vida” e, se bronze é vida, a Star Bronze está prontíssima para deixar um encanto particular em cada STAR – que significa estrela!

Atendimento médico da Rede Estadual de Saúde do Maranhão vai parar, afirmam os profissionais da área

Por falta de pagamento, a paralisação ocorrerá a partir do dia 4 de Dezembro, próxima terça-feira. Atendimento de emergência e urgência vão ficar à disposição apenas até o próximo dia 7, caso não haja solução por parte do Governo do Estado.

Com salários atrasados há aproximadamente três meses, médicos que prestam serviços nas unidades de saúde
administradas pelo Governo do Maranhão decidiram, na noite da última terça-feira (27), paralisar os serviços por tempo indeterminado, a partir da próxima terça-feira, dia 4 de dezembro, em reunião dos profissionais
realizada na sede do Conselho Regional de Medicina (CRM-MA), em São Luís. Os atendimentos de emergência e urgência ficam à disposição até o dia 7 de dezembro, conforme informou Abdon Murad, presidente do CRM-MA.

– As consultas que já haviam sido marcadas só serão atendidas até segunda-feira, dia 3. Apenas para serviços de emergência e urgência, os médicos ficam disponíveis até o dia 7, após isso, se o Governo do Maranhão não tomar nenhuma providência, tudo ficará parado.
Não há condições mínimas de trabalhar, porque os atrasos no pagamento dos salários são sucessivos. Há médicos que já estão há três meses sem receber. Os profissionais não recebem a remuneração de forma adequada. Quem mais sofre com isso é a população, que fica sem os serviços básicos e essenciais de Saúde – afirmou Murad.

Informações do Jornal O Estado do Maranhão 

Em reportagem publicada no dia 1º de novembro, O Estado mostrou que os médicos haviam se reunido no dia 31 de outubro para debater o que seria feito, em decorrência da falta de pagamentos por parte do Governo do Maranhão.

Durante a Assembleia Extraordinária da categoria, um representante da Secretaria Estadual de Saúde (SES) definiu
um cronograma de pagamento, mas, conforme Abdon Murad, este não foi cumprido. “No mês de outubro, em reunião realizada pelo CRM-MA e, também, pelo Sindicato dos Médicos, sinalizamos que pararíamos as atividades médicas, caso o Governo do Maranhão não realizasse os pagamentos que estão atrasados. Um acordo foi firmado
com um representante da SES, mas não foi cumprido – concluiu Murad.

Segundo informações de O Estado, até a publicação, o Governo não retornou nenhum contato a fim de dar um posicionamento sobre a decisão dos médicos.

Nota da categoria

A reunião reuniu cerca de 180 médicos.

Participaram da reunião as instituições CRM, Sindicato dos Médicos do Maranhão, Associação dos Médicos do Maranhão. Não havia representante da Secretaria de Saúde do Estado.

Segundo o presidente do CRM-MA, cerca de 950 a mil médicos estão sem pagamento. Os que atendem no Hospital Materno Infantil de Imperatriz não recebem desde o mês de setembro.

Os médicos decidiram pela greve, a partir do dia 04/12 para atendimentos eletivos (cirurgia marcada e consultas médicas) em todo o Estado. Em São Luís, estarão sem atendimento eletivo, as UPAS, Hospitais Carlos Macieira e do Servidor.

A partir do dia 07/12, caso nada seja resolvido, a paralisação se estenderá também para os atendimentos de emergência em todo o Estado.

Fazendo não mais do que a sua obrigação, Flávio Dino gaba-se de pagar a metade do 13° salário

Papocando essa informação em todas as suas redes sociais, sendo, prontamente, reproduzida por blogs e veículos alinhados ao Palácio dos Leões, o governador Flávio Dino (PCdoB), tem se gabado de o estado já ter pago a metade do 13° salário aos servidores.

Quem deve estar respirando aliviado – também pela metade – , são os servidores que, muitos deles, sabendo das dificuldades financeiras que o estado se encontra e vai ficar muito pior, mesmo assim, conseguiram, como êxito, sacar esse vencimento.

Em entrevista à Rádio Mirante AM, deputada eleita Mical Damasceno afirma que a sua vitória é fruto da força política das igrejas Assembleias de Deus no Maranhão

Na tarde desta quarta-feira, 28, a deputada eleita Mical Damasceno (PTB), concedeu entrevista ao radialista Geraldo Castro, no Programa Abrindo o Verbo – Mirante AM.

Sendo a mais votada da sua coligação, com 30.693 mil votos, Mical atribuiu a sua vitória, primeiramente, à Deus e afirmou que é fruto da força política das igrejas Assembleias de Deus, congregação a qual faz parte desde criança.

Se autointitulando com o codinome de ‘coragem’, a deputada, que nasceu em Anajatuba e aos 11 anos se mudou, com a família, para o município de Viana, iniciou a sua fala, de forma serena, agradecendo a toda Convenção CEADEMA (Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Maranhão) que a permitiu fazer parte do que chamou de “grande projeto”.

Agradeceu, também, ao Conselho Político, pelo apoio e empenho e à todos os familiares, amigos e lideranças de pastores e missionários que, por meio, da ajuda na divulgação de seus projetos e materiais de campanha, pôde fazer um trabalho com amor, consciente e de unidade.

– Eu nasci em Anajatuba e aos 6 anos fomos morar em Magalhães de Almeida, no Baixo Parnaíba com toda a minha família. Aos 11 anos de idade, a nossa família se mudou para Viana e, por isso, eu me considero uma vianense.
O povo evangélico, dessa vez, entendeu que havia a necessidade de uma representatividade evangélica e nós conseguimos essa grande vitória.
Houve uma organização das Assembleias de Deus e eu faço parte do projeto político e social da CEADEMA. Eu concorri nas prévias uma eleição interna dentro do Colegiado de pastores, juntamente com mais três candidatos e nós ficamos em primeiro. Tinha ainda outro candidato, que desistiu e eu fui a candidata à deputada estadual oficial da Convenção – contou a dona dos mais de 30 mil votos.

Eu sou fruto da força política das Assembleias de Deus no Maranhão.

Ao falar da sua trajetória de vida, Mical relembrou a 1° vez que foi candidata, no ano de 2008, na cidade de Viana, pleiteando o cargo de vereadora.
Mesmo sendo a 1ª mais bem votada da sua coligação, não obteve êxito na disputa por não alcançar quociente eleitoral.

Em 2014, lançando o seu nome para candidata federal, a vitoriosa deputada reconheceu que por falta de ouvir conselhos e costurar apoios, fez uma campanha isolada, sem sucesso.

Filha de pastor 

Filha do pastor Pedro Aldi Damasceno, presidente da Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Maranhão e 3° vice-presidente da CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil), Mical confessou que o seu pai nunca a motivou para entrar para a política. Houve uma certa resistência.

– Meu pai nunca me motivou a entrar para a política. Na primeira e segunda vez que fui candidata, ele não concordou, mas, agora, na terceira, ele respeitou a minha decisão e me deu apoio.  Dessa vez eu entendi que nem tudo é do meu jeito. Eu tenho ré!
Eu ouvi os conselhos das lideranças e segui o caminho certo – reconheceu.

Deputada “pé no chão” e sem padrinhos políticos

Totalmente pé no chão e uma deputada com a cara do povo, Mical ainda revelou que é uma pessoa do cabo da vassoura ao microfone, pois é, com muito orgulho, dona de casa, filha, mãe, avó e amiga.

Sem berço político, apadrinhamento ou financiador de campanha, os ouvintes puderam saber que a deputada não teve nenhum apoio da classe política na sua eleição.

– Nós não tivemos apoio de político algum. Não tivemos nenhum vereador, nenhum prefeito nos apoiando. Tivemos apenas o apoio dos irmãos de várias denominações e amigos.
Para eu chegar aqui no teu programa, Geraldo, eu já lavei roupa, eu já cozinhei, já varri casa. Eu sou uma pessoa assim – declarou.

Relação Bolsonaro x Flávio Dino

Ao ser questionada pelo radialista sobre como vai manter a relação com o governador do estado, Flávio Dino e o presidente eleito, Jair Bolsonaro, Mical foi bem direta ao afirmar que mesmo sendo da base aliada do governador, o apoiando e acreditando no seu projeto político de progresso e desenvolvimento para o Maranhão, o governador soube, desde o início, do seu compromisso apenas na esfera estadual.

– O governador soube desde o início da nossa posição e sempre respeitou.
Apoiamos o presidente Bolsonaro, em 1° lugar, por ser uma orientação da CGADB e da CEADEMA e por compactuarmos com os princípios e valores defendidos em nossa campanha.

A imprensa MARROM tem de pedir desculpa pela lorota do Mais Médicos

 O Antagonista

Programa Mais Médicos não está mais contando com os mais de 8,3 mil profissionais cubanos

Cerca de 90% das vagas antes ocupadas por médicos cubanos já foram preenchidas — e por médicos com diploma reconhecido.

Ou seja, era lorota a história de que o Brasil precisava de Cuba para oferecer assistência médica à população. E lorota escandalosa. Foi apenas uma forma de o governo do PT transferir mais de 7 bilhões de reais à ditadura comunista amiga do partido — valor maior do que o prejuízo oficial da Petrobras com o petrolão.

A imprensa que disse que faltariam médicos para os pobres, por causa da oposição de Bolsonaro ao acordo com Cuba, tem de pedir desculpa.

E o PT tem de ser investigado por mais esse esquema — que também tirou empregos de milhares de brasileiros.

Cuba decide não se submeter às exigências do Brasil e acaba com o “Programa Mais Médicos”

“Além de explorar seus cidadãos ao não pagar, integralmente, os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos” – presidente eleito Jair ‬Bolsonaro

O Brasil sempre foi conhecido por ser um país “casa da mãe Joana”, principalmente, pelos próprios brasileiros, como eu mesma que me sinto, em muitos momentos, incomodada, com a tamanha liberdade que o país “fecha os olhos” para tanto descontrole, tanto dos de dentro de casa, quanto dos “da rua”, ou seja, imigrantes.

Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil para terror dos movimentos e partidos de esquerda e, até, também, para países “compadres” nosso, como a Cuba e a Venezuela.

Pois bem, tínhamos aqui, em várias localidades do território brasileiro, médicos cubanos trabalhando no Programa Mais Médicos, idealizado pelo governo PT.

O Mais Médico foi lançado no Brasil no dia 08 de Julho de 2013, pelo governo Dilma Rousseff (PT), cujo objetivo, na teoria, era suprir a carência de médicos nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades do país e, sinceramente, acredito que supriu, ajudou e não sou de um todo contra.
Só que existem meios de fazer as coisas, valorizando e incentivando o profissional.

Infelizmente, o Programa Mais Médicos, além de ter tido uma boa razão por um lado, por outro, usava os profissionais para suprir deficiências financeiras do país dos médicos estrangeiros.

Como pode gente, um profissional sair de seu país para trabalhar  – diretamente com vidas – em outro país e a maior parte do seu salário, 70%, voltar para o seu país de origem, deixando o médico vivendo com apenas 30%.
Isso é desumano! Isso sim precisava de um basta!

De acordo com matéria do site El País, uma médica cubana, que atuou por três anos no Mais Médicos em São Paulo, conta que a notícia tem deixado os companheiros que ainda estão no programa “muito abatidos”.

Sem informações oficiais de como será a transição, eles acreditam que só trabalharão mais este mês antes de retornar à Cuba. Considerada desertora depois que conseguiu o visto de residente no Brasil, a médica pediu para não ser identificada por medo de represálias do governo cubano à sua família. “O verdadeiro motivo dessa decisão é o salário. Como todos sabem, 70% do nosso salário ficava com o governo e 30% com a gente. Eu recebia em torno de 2.900 reais. Só consegui viver em São Paulo porque tinha ajuda da prefeitura com a moradia”, contou. “Mesmo assim, compensava pra gente”, acrescentou.

Diante disso, os questionamentos sobre a formação profissional dos médicos cubanos e as condições impostas pelo presidente Jair Bolsonaro para dar continuidade ao programa Mais Médicos no Brasil com os profissionais da ilha comunista levou o Governo cubano a encerrar sua participação no programa no país e solicitar o retorno à ilha dos 8.332 mil especialistas que atuam no Brasil.

As condições impostas por Bolsonaro — de exigir a revalidação do diploma e contratar individualmente os profissionais cubanos — foram consideradas inaceitáveis.

Em Nota divulgada nesta quarta-feira, o Ministério de Saúde Pública de Cuba considerou “inaceitável” que se questione a competência e o altruísmo dos colaboradores cubanos, que atuam em 67 países atualmente.

Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos mais de 11 mil médicos cubanos que trabalham, atualmente, no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos especialistas, condicionou sua permanência no programa “à revalidação do diploma” e impôs “como via única a contratação individual”.

No Twitter, Bolsonaro lamentou que o governo cubano não tenha aceitado as condições.

Volto a falar, o Programa poderia ter sido usado, aproveitado de uma outra forma e, por isso, com a saída do governo petista do poder, o Programa começou a definhar, já no início deste ano, 2018.

Para o futuro presidente, Bolsonaro, “além de explorar seus cidadãos ao não pagar, integralmente, os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos”.

Críticas ao Programa

Na época, a vinda dos médicos cubanos causou muito transtorno e duras críticas de associações representativas da categoria, sociedade civil, estudantes da área da saúde e, inclusive, do Ministério Público do Trabalho.

A Associação Médica Brasileira (AMB) entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal ainda em 2013, alegando que o programa promovia “o exercício ilegal da medicina” pela não exigência dos exames de revalidação de diploma pelos estrangeiros. No final do ano passado, o STF negou o pedido por 6 votos a 2.
A verdade é que os médicos brasileiros nunca aceitaram dividir espaço com profissionais da área de outros países.

Mas, a verdade também, é que muitos médicos cubanos chegaram onde muitos dos nossos brasileiros se opuseram a ir. Atenderam muitas famílias em locais que os nossos brasileiros rejeitavam para aceitação da tarefa.

Em tempo

O Ministério da Saúde afirma ter recebido, na manhã desta quarta-feira, 14, o comunicado da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) com a informação da saída do Mais Médicos no Brasil e que está adotando todas as medidas para garantir a assistência dos brasileiros atendidos pelas equipes da Saúde da Família. O órgão também informa que, desde 2016, vem trabalhando na diminuição de médicos cubanos no programa. “Até aquela data, cerca de 11.400 profissionais de Cuba trabalhavam no Mais Médicos. Neste momento, 8.332 das 18.240 vagas do programa estão ocupadas por eles”, destaca. O ministério também vem estudando a negociação com os alunos formados através do FIES (Programa de Financiamento Estudantil) para suprir as vagas. “Essas ações poderão ser adotadas, conforme necessidade e entendimentos com a equipe de transição do novo governo”, salientou a Nota.